João Elter Borges Miranda
Ditadura Militar 26/Oct/2018 às 00:13 COMENTÁRIOS

Fui dormir e acordei em 1964

João Elter Borges Miranda*, Pragmatismo Político

Fernanda ficou virando a taça vazia entre as mãos. Apesar de já ter terminado o seu prato, continuava com fome. Na tela de TV, a imagem mostra o candidato extremista sendo transmitido para dezenas de pessoas num telão erguido no meio da Av. Paulista. A cena a faz lembrar do grande irmão de 1984. O som da TV é abafado pelo do aparelho de som conectado ao Spotify, por onde sai a voz de um cantor de sertanejo universitário que envolve toda a sala com a sua sofrência; barulhos esses que se misturam ao tilintar dos copos, ao som metálico dos talheres, as vozes que mantêm um tom na direção da euforia obrigatória.

Em volta dela, a sua família que, enquanto engole pappardelle al sugo com alcatra – especialidade da Dona Zefa, a empregada – e dão longos goles de vinho suave, opinam sobre tudo, com um ar de segurança sobre o que dizem de fazer inveja aos mais doutos. O olhar dela migra da TV para eles, e vice-versa. Ela observa em silêncio as bocas deles se movendo, nas quais a comida fina vai de um lado ao outro para abrir espaço para as palavras grossas que saem uniformes como os elos de uma grande cadeia de ferro.

— Não resolvemos grandes coisas — diz o primo. — Mas ao menos iremos lavar a alma ao tirar aquela bandidagem do governo.

— Se Deus quiser — grita a tia, se agitando na cadeira. — Ele vai botar ordem na casa.

— Por falar em bandidagem, viram o que aconteceu no morro, né? — diz o tio.

— Mas também, tava na favela de roupa curta, pediu pra acontecer. — disse o avô, enquanto acena para Daniel, o jovem garçom da família, para que ele encha a sua taça.

Fernanda olha com atenção para Daniel. E, por um instante, deseja vê-lo quebrando a garrafa de vinho na cabeça daquele velho que abusa da secretária da firma.

— Sem dúvida — concorda o tio, enquanto acaricia os cabelos sedosos do filho. No seu sorriso clareado a laser o brilho de orgulho pelo garoto que, mesmo sendo tão jovem, já é dono de imóveis no centro da cidade.

— Chato é agora aqueles petistas no face e whats espalhando mentiras sobre o mito — diz o primo, enquanto retribui com o olhar o carinho do pai. — Hoje em dia tem gente chata pra todo lado.

— Não querem largar a vidinha fácil — afirma o avô com ar zombador.

— Pois é, eu acho que ao invés de ficar jogando dinheiro fora com bolsa, o governo tem é que jogar uma bomba naquela porra de morro, ou no mínimo fazer um muro nos separando daquela merda toda — diz o tio.

— Pra isso acontecer só Bolsomito 2018 — diz o primo. — Aquele sim tem coragem.

Fernanda ouve os velhos preconceitos maquiados com as tintas de um moralismo hipócrita, vestidos com as roupas caretas de uma ética liberal-fascista, e sente que os seus ouvidos estão prestes a sangrar com toda essa velhacaria absurda. Mil alfinetes penetrando todo o seu corpo doeria menos do que ouvir essa gente de mentalidade enraizada nas profundezas de uma violência sem fim.

Leia aqui todos os textos de João Elter Borges Miranda

Quando perguntam a sua opinião, ela olha para a faca mais próxima, olha para os próprios pulsos, e não encontra outro tipo de resposta que não seja “hum”, porque os pedaços marcantes da conversa estão ecoando na sua cabeça, impedindo-a de pensar noutra coisa.

Antes ela também dizia o que pensa. À proporção que o tempo passou, se deu conta de que é masoquismo tentar estabelecer diálogo com quem não tem abertura para ideias contrárias. Percebeu que é um castigo de Sísifo tentar dialogar com gente que vive voltado para o mar e de costas para o Brasil. Fernanda apresentava os seus argumentos, escutava, mas, independentemente do esforço dispendido, a pedra sempre acabava rolando ladeira abaixo.

A sua família está acostumada com a opulência em que vivem no litoral. Caixas-de-pandora-ambulante, não entendem que o país é muito mais do que qualquer zona-sul. E essa lógica de condomínio cria em volta deles fortalezas que não os deixam aceitar qualquer coisa que fuja de sua cosmovisão formada pelas vitrines da loja cara e fake news. Vivem em volta de cercas e grades combatendo tudo o que é diferente, tudo o que não for espelho, como se fosse ameaça. Mandam para Cuba qualquer um que não se faça de cego aos direitos humanos, aos direitos das minorias, à universalidade e diversidade da vida. Anestesiados com fluoxetina, querem respostas simples para perguntas complexas. Vivem na escuridão de sua própria ignorância escondendo o vazio existencial dentro da bolsa cara e abafando o cheiro de medo com perfume francês.

— Daniel, mais vinho por favor — pede Fernanda estendendo a taça.

Bebe lentamente com o ar solene que lhe é habitual e vai para a janela.

Os parentes se levantam da mesa e vão para o centro da sala, onde dão as mãos formando um círculo para com os olhos fechados rezarem em agradecimento ao jantar que tiveram. Daniel corre até a TV, a desliga e faz o mesmo com o aparelho de som; um silêncio pesado se forma para a oração. Daniel e Dona Zefa seguem para a cozinha, onde esperarão os patrões saírem da sala da jantar para que possam tirar a mesa.

Da janela do apartamento, Fernanda vê a vitrine de uma loja e a rua deserta. A cidade pousa em seu labirinto místico de ruas e almas vazias. Em cada esquina uma vida perdida. Sem que a família perceba, ela abre a janela, sobe no parapeito e se joga do quinto andar.

*João Elter Borges Miranda é professor de história formado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, trabalha na rede pública do Estado do Paraná e milita na Frente Povo Sem Medo, Frente Ampla Antifascista e Intersindical. Email: [email protected]

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

 

Comentários