Redação Pragmatismo
Eleições 2018 19/Oct/2018 às 14:07 COMENTÁRIOS

Dom Mauro Morelli lamenta ataques de Bolsonaro: "desequilibrado"

Dom Mauro Morelli reage a ataques de Bolsonaro contra a Igreja Católica: "Agressão gratuita. Incapacidade de diálogo [...] Se eleito acabará defenestrado em pouco tempo"

papa Dom Mauro Morelli ataques bolsonaro cnbb desequilibrado eleições

RBA

Dom Mauro Morelli, bispo emérito da Diocese de Duque de Caxias (RJ), reagiu a declarações ofensivas de Jair Bolsonaro (PSL) contra a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). “O candidato Bolsonaro agrediu gravemente e de forma gratuita a Igreja Católica, taxando a CNBB de parte podre da Igreja. De sua boca jorram asneiras e impropérios, revelando um homem desequilibrado e vulgar“, afirmou dom Mauro. “Se eleito acabará defenestrado em pouco tempo“, completou.

Nesta quarta-feira (17), apoiadores do ex-capitão difundiram um vídeo em que em que o candidato a presidente da República insulta a CNBB, dizendo que “são a parte podre da Igreja católica”.

Dom Mauro observou que a entidade não nasceu de uma “visão ideológica“, mas por exigência da teologia da comunhão na dimensão, por exemplo, da “sinodalidade“. A expressão vem da palavra “sínodo“, que significa “caminhar juntos“. “O bispo não age isolado, sua Igreja é sujeito de sua vida e missão. A CNBB comemorou 60 anos de vida e missão a serviço da vida com dignidade e esperança“, afirma.

A CNBB, acrescenta, “reúne os bispos titulares das Dioceses da Igreja Católica Apostólica Romana, para cuidar da Ação Pastoral da Igreja e de sua Missão Evangelizadora”. “O ministério pastoral exercido de forma colegiada garante a unidade no pluralismo.

O bispo declarou voto em Fernando Haddad, fazendo ressalvas. “Não votarei no programa do candidato do PT, mas no seu equilíbrio e capacidade de diálogo. Se eleito, farei cooperação crítica ou oposição.” Ele lembrou que ajudou a eleger Luiz Inácio Lula da Silva em 2003 e foi “o primeiro crítico de seu governo nos primeiros dias de governo“. E observou que sempre manteve diálogo com Gilberto Carvalho, ex-ministro dos governos Lula e Dilma.

Em 1974, dom Mauro foi nomeado bispo auxiliar de São Paulo. Recebeu a sagração do então cardeal-ardebispo, dom Paulo Evaristo Arns. Em 1981, tornou-se o primeiro bispo da Diocese de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde permaneceu até 2005. O religioso presidiu o Conselho Nacional de Segurança Alimentar, criado durante o governo Itamar Franco, que havia recebido sugestão nesse sentido de Lula. Ao lado do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, Dom Mauro conduziu uma campanha nacional pela cidadania e contra a fome e a miséria.

Cooperei com Itamar na Presidência da República e com os Governadores de MG de Itamar a Pimentel, nunca coloquei a Igreja em maracutaias e nem me envolvi em disputas eleitorais e partidárias. A Igreja não deve ser aliada do poder mas cooperar com o bem comum e a defesa da Vida“, escreveu o religioso, que também preside o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (Consea-MG).

Povo contra povo

No início da semana, pastorais sociais e outras entidades divulgaram nota alertando para um “movimento antidemocrático” na atual campanha, que “apela ao ódio e à violência, colocando o povo contra o povo“.

A Constituição sai ferida com esta intolerância que nega a diversidade do povo brasileiro, estimula preconceitos e incentiva o conflito social“, diz ainda a nota.

O candidato deste movimento quer se valer de eleições democráticas em sentido contrário para dar legalidade e legitimidade a um governo que pretende militarizar as instituições, garantir impunidade aos abusos policiais, armar a população civil e reduzir ou cortar programas de direitos humanos e sociais. Em poucas palavras, é o abandono do Estado Democrático de Direito.”

Assinam a nota: Cáritas Brasileira, Comissão Brasileira Justiça e Paz, Centro Cultural de Brasília, Conselho Indigenista Missionário, Comissão Justiça e Paz de Brasília, Conselho Nacional do Laicato do Brasil, Comissão Pastoral da Terra, Conferência dos Religiosos do Brasil, Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social, Observatório De Justiça Socioambiental Luciano Mendes De Almeida, Pastoral Carcerária Nacional, Pastoral da Mulher Marginalizada, Pastoral Operária e Serviço Pastoral do Migrante.

Leia também:
Fotógrafo do Estadão registra a imagem do ano
Religiosos lançam alerta contra a ameaça da barbárie
Evangélicos são perseguidos por não apoiarem Bolsonaro
Pastor que chutou imagem de Nossa Senhora pede voto para Bolsonaro
Padre que abusou de freiras faz campanha para Bolsonaro e pede orações
O ataque a Bolsonaro e a laicidade estatal
A identidade do arcebispo que pede a renúncia do papa Francisco
As eleições e a pós-verdade
Papa Francisco afirma que pena de morte é inadmissível

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários