Redação Pragmatismo
Eleições 2018 07/Sep/2018 às 08:24 COMENTÁRIOS

O que diz o médico que operou Jair Bolsonaro

Médico que operou Jair Bolsonaro afirma que ele deve ficar cerca de dois meses com bolsa da colostomia e que o preocupante agora é o risco de infecção. Quadro de saúde é grave, mas estável

Bolsonaro facada cirurgia
Imagem registra momento em que Bolsonaro seria submetido à cirurgia após levar facada

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) levou uma facada na região abdominal nesta quinta-feira (6) durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

Segundo o médico Paulo Massorolo, Bolsonaro foi submetido a uma colostomia, cirurgia que conecta o intestino grosso a uma bolsa fora do corpo, para descarte das fezes.

Massorolo, que é cirurgião e professor do departamento de cirurgia da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), ressalta que o preocupante agora é o risco de infecção, por isso, as fezes foram separadas do corpo para não haver infecção.

“Quando o indivíduo é agredido já acontece uma contaminação mínima, porém, se depois que for submetido à cirurgia, os pontos abrirem, podem ocorrer infecções graves”, disse Paulo Massorolo.

No momento em que Bolsonaro recebeu a facada, as bactérias do objeto já entram em contato com o organismo. Mas houve a ruptura do intestino grosso, e as fezes contaminaram o interior da cavidade abdominal. A preocupação é que as bactérias, que vivem no órgão sem causar problemas, caiam na corrente sanguínea e provoquem infecção.

Assim, os médicos preferiram colocar a bolsa, que deve ficar por até dois meses. “Optamos por esta conduta devido a gravidade do paciente”, explicou o médico que fez a cirurgia, Luiz Henrique Borsato. Após esse período de recuperação, Bolsonaro deve passar por uma nova cirurgia para retirá-la.

A facada atingiu o intestino delgado em 3 pontos, que levou pontos, o intestino grosso e também uma veia na região do abdômen, que causou hemorragia e foi estancada no hospital.

Campanha de rua

Ainda não há como saber quanto tempo o deputado vai demorar para se recuperar. ” Pode levar três semanas, um mês, dois ou até três meses”, diz Massorolo. Como o primeiro turno das eleições ocorre no dia 07 de outubro, o candidato não deve fazer campanha de rua até lá. A internação deve ser de uma semana a dez dias, segundo os médicos da Santa Casa.

O político chegou em estado grave, com sinais de choque e com volumosa hemorragia interna, mas seu estado de saúde após a cirurgia está estável e segue na UTI. Médicos do hospital Sírio Libanês vão a Juiz de Fora analisar a possibilidade de transferência de Bolsonaro para São Paulo.

VEJA TAMBÉM: Atentado contra Bolsonaro inaugura nova etapa da violência política no Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários