Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 20/Sep/2018 às 21:07 COMENTÁRIOS

Diplomata brasileiro agressor de mulheres é preso, mas paga fiança e sai da cadeia

Namorada gritou por socorro durante ataque de fúria de diplomata. Vizinhos chamaram a polícia e evitaram tragédia. Renato de Ávila Viana foi preso, mas liberado em seguida. Não é a primeira vez que ele agride mulheres. Uma de suas vítimas teve de passar por cirurgia plástica reparadora

diplomata Renato de Ávila Viana
Renato de Ávila Viana já agrediu outras mulheres

O diplomata brasileiro Renato de Ávila Viana, de 41 anos, foi preso nesta quarta-feira (19) em Brasília após agredir a namorada.

Vizinhos ouviram gritos de socorro da namorada dele no imóvel e acionaram a Polícia Militar. Viana recusou-se a abrir a porta para os policiais e ainda os xingou de “safados e vagabundos”.

Os policiais, então, arrombaram a porta do apartamento do diplomata e o prenderam. No entanto, Viana acabou liberado depois de pagar cerca de R$ 1 mil de fiança.

Segundo dados repassados pela Polícia Civil, a ocorrência foi registrada como dano ao patrimônio, desacato, lesão corporal e violência doméstica.

Testemunhas dizem que Renato teve um ataque de ciúmes por conta de mensagens e ligações que estavam no celular da namorada. Ele teria jogado o aparelho no chão e o estraçalhou. Agarrou a vítima pelos braços e começou a sacudi-la.

Em seguida, a namorada teria se debruçado na janela e começado a gritar. “Foi hoje de manhã. Ouvi os gritos. E ela pedindo socorro, mas não sei quem acionou a polícia. Provavelmente foi um vizinho que viu a confusão”, disse um morador.

Demissão e outras agressões

Renato de Ávila Flores foi demitido pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE). A decisão foi publicada na edição de hoje (20) do Diário Oficial da União (DOU).

O diplomata já respondia processo administrativo por ter agredido outras duas ex-namoradas e por ter liberado indevidamente verba pública.

Viana responde ainda por dois processos criminais pelo espancamento das mulheres na Justiça de Brasília. Uma de suas vítimas relata ter perdido um dente ao ser golpeada pelo diplomata, no ano passado, e passado por uma cirurgia plástica reparadora.

O tratamento ortodôntico da mulher foi orçado em R$ 56 mil, pois houve entortamento da mordida e outros danos.

Primeiro-secretário na carreira diplomática, Viana formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo antes de ingressar no Itamaraty. A nota publicada no DOU detalha que sua demissão teve como base o desrespeito aos termos das leis que regem o serviço público federal.

Segundo o Diário Oficial, ele incorreu em improbidade administrativa, por liberar recursos públicos sem observar as normas, desrespeitado os usos e costumes do país onde serviu, não mantido comportamento correto e decoroso na vida pública e privada nem conduta compatível com a moralidade administrativa, entre outros.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários