Redação Pragmatismo
Justiça 09/Aug/2018 às 13:52 COMENTÁRIOS

Família brasileira é autorizada a plantar maconha para tratar epilepsia

Em decisão histórica, família brasileira é autorizada a importar sementes e plantar maconha para tratar epilepsia. De acordo com a decisão, o direito à saúde e à vida deve prevalecer no caso

família autorizada a plantar maconha epilepsia

Tadeu Rover, Conjur

Uma família do Paraná foi autorizada a importar sementes de maconha e cultivar 16 pés da planta para que possa fazer a extração artesanal de óleo medicinal de cannabis, que será utilizado no tratamento de uma criança com epilepsia grave e transtorno do espectro autista. De acordo com a liminar, o direito à saúde e à vida deve prevalecer no caso.

Segundo os autores da ação, após tentar diversos tratamentos, o quadro convulsivo da criança só diminuiu após a utilização de óleo de cannabis, que foi doado à família, permitindo uma melhor qualidade de vida. Diante disso, o médico responsável pelo tratamento passou a prescrever o canabidiol.

Para conseguir produzir seu próprio óleo, a família ingressou com Habeas Corpus com pedido de salvo-conduto para que possa importar as sementes e cultivar 16 pés de maconha, suficientes para extrair a quantidade de óleo prescrita.

O HC foi impetrado por André Feiges e Mariana German, do Feiges & German – Advocacia, em parceria com a Rede Jurídica pela Reforma da Política de Drogas (Reforma). Feiges explica que a importação da semente é essencial no processo, pois para a produção do medicamento exige uma variedade genética capaz de gerar produto rico em CBD (canabidiol), com baixíssimo teor de THC (tetraidrocanabinol) — que é o composto psicoativo da planta.

Na liminar, a juíza federal explica que, em linhas gerais, os delitos previstos nos artigos 28 e 33 da Lei de Drogas têm por finalidade proteger a saúde pública e individual.

E, complementa a magistrada, no caso analisado não há agressão a esses bens tutelados. “Pelo contrário. Impedir que a paciente pratique os atos almejados prejudicará sobremaneira o tratamento de seu filho, causando prejuízos à saúde dele.”

No eventual conflito entre a proteção aos bens jurídicos tutelados pelos delitos previstos nos artigos 28 e 33 da Lei de Drogas e os direitos à saúde e à vida do filho da paciente, devem prevalecer estes últimos“, diz a liminar.

A juíza explica ainda que o HC visa reduzir não apenas o sofrimento do filho adoecido, mas também dos familiares que com ele convivem, “não possível vislumbrar qualquer ofensividade a qualquer bem tutelado pelo Direito Penal“.

Clique aqui para ler a liminar.

Leia também:
As diversas faces da proibição da maconha no Brasil
Idoso que planta e fuma maconha para consumo próprio é absolvido pela Justiça
Prisão de youtuber escancara hipocrisia da ‘guerra às drogas’
Ricardo Boechat defende a legalização e relembra dia em que fumou maconha
Apreensão de dois cigarros de maconha pela PM-RJ vira piada na internet
Menos hipocrisia para lidar com drogas, vícios e usuários: em busca do Brasil maduro

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários