Redação Pragmatismo
Geral 12/Jul/2018 às 16:41 COMENTÁRIOS

Homem pede para menino ficar nu em entrevista de emprego

Homem que pediu para menino de 14 anos ficar nu em entrevista de emprego nega ter cometido abuso sexual. Jovens relatam perguntas indiscretas em sabatina; um deles teve o corpo tocado

Durante uma entrevista para vaga de emprego em uma suposta empresa de festa no último sábado (7), em Anápolis (GO), um homem de 27 anos pediu para um adolescente de 14 anos tirar a roupa.

Após a entrevista, a vítima contou a situação à mãe, que também estava no local e acionou a Polícia Militar. Acusado de abuso sexual, o suspeito acabou preso em flagrante, mas negou que tenha cometido algum crime.

Em depoimento à Polícia Civil, ele admite que pediu para que o menino se despisse, mas o objetivo seria “tirar as medidas para confecção do uniforme”.

Por outro lado, a vítima contou aos investigadores que, além de pedi-lo para tirar a roupa, o homem tocou seu corpo de forma “inadequada”.

Um outro menor de idadeque também foi entrevistado pelo acusado para a suposta vaga de emprego relatou à polícia uma versão semelhante.

A segunda vítima tem 15 anos e afirmou que o homem fez várias perguntas indiscretas. “Ele disse que o homem perguntava coisas como se ele contava tudo para a tia ou se ‘topava tudo’. Depois, pediu para que ele tirasse as roupas para medir o uniforme, mas ele se negou e saiu do local”, descreve a delegada Kenia Segantini, responsável pelo caso.

Com o menino de 14 anos, a abordagem foi a mesma. Porém, a vítima resolveu obedecê-lo e tirou a roupa. “Ele tirou a roupa para fazer a medição acreditando que tratava-se de um procedimento de rotina da empresa. Mas, em seguida, alegou que teve seu corpo tocado pelo suspeito, o que motivou a denúncia”, frisa a delegada.

A polícia informou que a investigação segue agora com o intuito de descobrir se a empresa de fato existia e funcionava, bem como saber se o homem tinha sócios ou se outras pessoas teriam sido vítimas do rapaz.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários