Redação Pragmatismo
Senado Federal 13/Jul/2018 às 17:05 COMENTÁRIOS

Datena se irrita após comentários: "Não desisti do Senado por dinheiro"

Datena se irrita ao ser confrontado com a versão de que não trocaria o salário de R$ 1 milhão que ganha na Band por um salário de Senador

Datena senado DEM
Filiado ao DEM, Datena faria parte de coligação com João Doria

José Luiz Datena (DEM-SP) desistiu de concorrer ao cargo de Senador e retornou à Band na tarde da última segunda-feira, 09 de julho. No comando do Brasil Urgente, policialesco que figura entre as maiores audiências da emissora, Datena abriu o jogo e revelou o que o motivou a desistir mais uma vez da política.

“Dessa vez eu cheguei tão perto, estava decidido a ser candidato ao Senado de São Paulo, mas o problema de desistir é que você desiste quando está tão perto de atingir o objetivo”, iniciou o jornalista, que faria parte da coligação majoritária com João Doria (PSDB).

“Conversei com minha família, com Deus, com poucos amigos, ouvi a opinião do povo na rua e achei que ainda não era, dessa vez não era hora, é a segunda vez que eu me proponho a ajudar o meu país, mas ainda não era hora”, frisou.

Depois de anunciar que não mais concorreria a um cargo público, algumas versões surgiram sobre as verdadeiras razões da desistência de Datena.

A insistência de alguns setores em dizer que jamais ele trocaria R$ 1 milhão por mês pelo salário de um senador é uma das coisas que mais tem irritado o apresentador nos últimos dias.

“Primeiro que nunca ganhei um milhão por mês e ninguém, sem ser o Imposto de Renda, tem alguma coisa a ver com isso. Já disse e repito: se eleito, eu continuaria trabalhando e recebendo normalmente da Band. E por outra, nunca fui alguém de me prender por dinheiro. Minhas decisões nunca se apoiaram nisso, até porque fui o único da televisão, até hoje, a pagar R$ 23 milhões de multa quando decidi não trabalhar mais na Record”, afirmou.

“Minha decisão foi puramente pessoal, tomada em conjunto com a minha família. Entendemos que não era o momento e só isso, mas jamais por questão de dinheiro. O meu contrato com a Bandeirantes seria cumprido normalmente. Se eleito, trabalharia em Brasília durante a semana e faria meu programa aos domingos. Isto já estava acordado com a Band”, esclareceu o apresentador.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários