Redação Pragmatismo
Eleições 2018 20/Jul/2018 às 12:55 COMENTÁRIOS

Por que o Centrão desistiu de Ciro e Bolsonaro para apoiar Alckmin?

De repente, em poucas horas, o chão de Ciro Gomes (PDT) e de Jair Bolsonaro (PSL) parece ter ruído. Geraldo Alckmin (PSDB) será oficializado como candidato único do establishment

Centrão desistiu de Ciro e Bolsonaro para apoiar Alckmin

Andrei Meireles, Os Divergentes

Pela ordem natural das coisas, a debacle do PT, com o impeachment de Dilma Rousseff e a prisão de Lula por corrupção, levaria os tucanos de volta ao poder. As cenas explícitas de corrupção envolvendo Aécio Neves, e denúncias contra José Serra e outros caciques nivelaram o jogo. Desde a volta da democracia, após o vexame com Fernando Collor, PSDB e PT se revezaram no poder. O fiasco de ambos gerou a expectativa de que algo diferente, velho ou novo, os sucedessem.

Nessa embolada sucessão presidencial o que despontou como novidade – Luciano Huck e Joaquim Barbosa, por exemplo – mostrou-se efêmero. Sobrou um deserto. Foi por aí que alguns se aventuraram. Jair Bolsonaro tenta fincar uma estaca nessa seara. Se apresenta como candidato a protagonista no jogo em que há tempos é figurante, mas acaba de ser barrado como coadjuvante no final da preliminar.

Depois de flertar com todo tipo de incoerência – de aulinhas de neoliberalismo com o professor Paulo Guedes a fisiologismo explícito com o catedrático Valdemar Costa Neto -, Bolsonaro continua no mesmo lugar.

E não sabe como avançar. Até tentou um verniz de raiz, a tal chapa verde oliva com o general da reserva Augusto Heleno como vice. Uma escolha que agradaria a turma que prega a volta dos militares ao poder. A ironia é que esbarrou no PRP, um dos apêndices do PT na Bahia.

Após a queda de tucanos e petistas, Ciro Gomes sentiu o vácuo e também resolveu voar alto. Seus balões tomaram os céus nesse inverno, subiram tanto que ficou ao alcance da mão o que parecia impossível.Até essa quinta-feira (19),ele parecia a um passo de uma coligação que unisse em torno dele a sopa de letras da direita, batizada de Centrão ( DEM, PP,PRB,PR,SDD…) a siglas de esquerda como o seu PDT, PSB e PC do B.

Com uma aliança nessas proporções, se não ocorresse um cataclisma, Ciro já entraria no páreo como praticamente imbatível.

De repente, em poucas horas, o chão dele e de Bolsonaro parecem ter ruído. O de Bolsonaro, apesar de seu sucesso nas pesquisas, era carta cantada.

A rasteira em Ciro, mesmo com todo seu polêmico histórico, surpreendeu.

Ciro cantava em verso e prosa que tinha muito amor para dar. Seus desaforos, beligerância, seriam coisas do passado. Sua pregação por um cavalo de pau na política econômica apenas figura de retórica. E por aí tentou surfar, mesmo com tropeços e recaídas. Parece que não deu certo.

Ciro e Bolsonaro, apesar do empenho, não conseguiram se mostrar confiáveis às elites que deles desconfiavam.
Abriram espaço para Geraldo Alckmin. Quem antes desdenhava o tucano, agora troca penduricalhos por declarações de apoio.

Os partidos de centro-direita antes flertavam com todos. Atraíram a cobiça geral,mas são pragmáticos na hora da decisão. Seguem o establishment político e eleitoral que resolveu apostar em Geraldo Alckmin nessa largada da corrida presidencial.

A conferir.

Leia também:
Ciro Gomes fica em cima do muro sobre embate jurídico envolvendo Lula
FHC faz apelo e pede união contra Bolsonaro, Ciro e Lula
O trâmite “diferenciado” dos inquéritos envolvendo tucanos
A saga pelo voto dos evangélicos em 2018
Rodrigo Maia visita Aécio Neves em 1º ato como presidente da Câmara
Cientista político explica a vitória de Rodrigo Maia
‘Centrão’ -PP, PR, PSB e PTB- cobram Michel Temer por apoio dado em votação
A história do surgimento e da ascensão da bancada evangélica na política

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários