Redação Pragmatismo
Europa 13/Jun/2018 às 13:50 COMENTÁRIOS

O jornal alemão que sobrevive sem anunciantes

Modelo de cooperativa permitiu a jornal alemão total liberdade editorial. Quem investe no 'taz' não espera lucro, mas sim um veículo de comunicação independente. Todos os lucros são investidos na própria publicação

jornal alemão que sobrevive sem anunciantes

Clarissa Neher*, DW

Em 1979, Berlim ganhava um novo jornal: o Die Tageszeitung, mais conhecido como taz. Durante toda a sua história, o diário de esquerda inovou e atualmente sobrevive sem depender do dinheiro da venda de anúncios.

Mesmo antes da sua primeira edição, os ativistas, que fundaram o jornal como uma alternativa à mídia mainstream da época, conseguiram vender 7 mil assinaturas anuais e, com elas, arrecadar o capital necessário para pôr em prática o projeto.

No início, o taz trazia a seus leitores notícias que não eram comuns de se ler nos jornais tradicionais da Alemanha, principalmente sobre direitos humanos e das mulheres. Com o passar dos anos, ele foi crescendo. Em 1992, uma crise financeira impulsionou a criação do modelo de cooperativa, que foi a salvação do diário.

Os leitores, antes apenas assinantes, puderam passar a serem os donos do próprio jornal, que também pode se dar ao luxo de negar anúncios de empresas que não condizem com seus valores.

Além dos investidores, os funcionários do taz também fazem parte da cooperativa. São estes últimos, no entanto, que têm poder de voto para decidir a linha editorial, questões administrativas e a diretoria do taz. Apenas em algumas decisões os financiadores externos têm voz, mas nunca sobre o conteúdo jornalístico.

Quem investe no taz não espera lucro, mas sim um veículo de comunicação independente. Todos os lucros do jornal são investidos na própria publicação. Para se associar, os interessados podem investir entre 500 euros, valor mínimo, e 100 mil euros, máximo. Atualmente, o taz possui mais de 17,8 mil cooperados e um capital de 17 milhões de euros. A meta é alcançar 20 mil investidores até 2020.

Com a era da internet, outra forte mudança atingiu o taz. O jornal precisava encontrar um meio de financiar o jornalismo online, que ainda depende do impresso. Seu site foi lançado em 2007, e em 2011 foi criado o crowdfunding taz zahl ich (taz eu pago). A partir de 0,30 centavos de euro é possível contribuir por artigo, até no máximo 5 euros. Existe também a assinatura. Atualmente, o jornal conta 12,4 mil pessoas que pagam pela leitura das reportagens desta maneira.

O taz é vendido em toda a Alemanha e possui uma tiragem de cerca de 52 mil exemplares durante a semana e 64 mil nos fins de semana. O jornal tem aproximadamente 250 funcionários. Com o apoio dos cooperados, conseguiu levantar os recursos necessários para a construção de uma sede própria, que será inaugurada em breve.

Leia também:
Enganados, historiadores pedem para ser excluídos de série do History Channel
Caso ‘Miriam Leitão’ revela que a esquerda brasileira é a mais pacífica do mundo
Governo Temer bate recorde de gastos com publicidade federal
O restabelecimento do jornalismo-propaganda
Charlie Hebdo: um atentado contra a esquerda

*Clarissa Neher é jornalista freelancer na DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, publicada às segundas-feiras, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários