Redação Pragmatismo
PSDB 05/Apr/2018 às 13:56 COMENTÁRIOS

PSDB, DEM e PPS celebram resultado do julgamento de Lula no STF

PSDB, DEM e PPS se manifestam publicamente após o STF rejeitar habeas corpus a Lula e afirmam que decisão "reforça o combate à corrupção e à impunidade no Brasil". Embora denunciados e alvos de delações, nenhum político do PSDB foi preso até agora na Lava Jato

psdb julgamento de Lula
Aécio Neves e Alexandre de Moraes, ministro do STF. Partido do senador tucano celebrou resultado do julgamento de Lula (Imagem: Dida Sampaio, Agência Estado)

Após o julgamento do pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente Lula pelo Supremo Tribunal Federal (STF), pelo menos cinco partidos se manifestaram oficialmente até a manhã desta quinta-feira (5). O PT afirmou se tratar de “um dia trágico para a democracia e para o Brasil”.

O Psol também lamentou o resultado, enquanto PSDB, PPS e DEM legendas elogiaram a decisão da Corte. Os líderes partidários também usaram suas contas nas redes sociais para comentar o julgamento, que foi encerrado na madrugada de hoje, após quase 11 horas de duração.

“Nossa Constituição foi rasgada por quem deveria defendê-la e a maioria do Supremo Tribunal Federal sancionou mais uma violência contra o maior líder popular do país, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, diz a nota do partido de Lula. Para o PT, o STF negou ao ex-presidente o direito de continuar sua defesa em liberdade até a última instância da Justiça. “A maioria do STF ajoelhou-se ante a pressão escandalosamente orquestrada pela Rede Globo”, afirma o partido (leia a íntegra da nota mais abaixo).

A nota assinada pelo presidente nacional do Psol, Juliano Medeiros, afirma que o STF “enxovalha a Constituição”. A nota afirma que o STF foi alvo de uma campanha de pressão sem paralelo, citando os tuítes do general Eduardo Villas Bôas, na noite de terça-feira (3) como o auge da pressão. “Ao rejeitar o habeas corpus apresentado pela defesa de Lula e reafirmar a validade do teor da súmula 122, o STF enxovalha a Constituição Federal para somar-se àqueles que desprezam a democracia e o Estado Democrático de Direito, contribuindo para o aprofundamento do estado penal e da escalada autoritária”, prossegue a nota.

Decisão elogiada

O PSDB, em nota assinada pelo líder da sigla na Câmara, deputado Nilson Leitão (MT), afirma que uma decisão diferente “frustraria a sociedade e ressaltaria o sentimento de retrocesso no combate à impunidade”. Para os tucanos, o STF “fez sua parte”.

O PPS também afirmou que a decisão do STF reforça o combate à corrupção e à impunidade no país. O líder na Câmara,  Alex Manente (SP), aproveitou para defender a aprovação de sua Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que estabelece a possibilidade de execução da pena após condenação em segunda instância. “Com a decisão de negar o habeas corpus a Lula, o STF reforçou a postura que vem se fortalecendo a cada dia, de que ninguém está acima da lei. Ganha o país e todos aqueles que defendem o combate efetivo e permanente à corrupção”, diz o deputado na nota.

O líder do Democratas na Câmara, Rodrigo Garcia (SP) classificou a decisão como acertada e afirmou que agora o assunto é “matéria superada”. “O Brasil é maior do que nomes e a sociedade deseja e merece que os ânimos se acalmem e que o debate se concentre agora no campo das ideias e programas”. O líder do partido no Senado, Ronaldo Caiado (GO), usou sua conta no Twitter para afirmar que decisão do Supremo é um “sopro de fé”. “A decisão do STF é um sopro de fé e esperança em todos os brasileiros. Ainda há muito pela frente, mas o Supremo deu um passo importante”, escreveu o senador, que ainda completou afirmando que a decisão da Corte “respeita a Constituição, as leis e os cidadãos brasileiros”.

Leia a íntegra da nota do PT:

Hoje é um dia trágico para a democracia e para o Brasil.

Nossa Constituição foi rasgada por quem deveria defendê-la e a maioria do Supremo Tribunal Federal sancionou mais uma violência contra o maior líder popular do país, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ao negar a Lula um direito que é de todo cidadão, o de defender-se em liberdade até a última instância, a maioria do STF ajoelhou-se ante a pressão escandalosamente orquestrada pela Rede Globo.

E ao pautar o julgamento do habeas corpus de Lula, antes de apreciar as ações que restabelecem a presunção da inocência como regra geral, a presidenta do STF determinou mais um procedimento de exceção.

Esse direito fundamental, que fatalmente voltará a valer para todos, não valeu hoje para Lula. Não há justiça nesta decisão. Há uma combinação de interesses políticos e econômicos, contra o país e sua soberania, contra o processo democrático, contra o povo brasileiro.

A Nação e a comunidade internacional sabem que Lula foi condenado sem provas, num processo ilegal em que juízes notoriamente parciais não conseguiram sequer caracterizar a ocorrência de um crime. Lula é inocente e isso será proclamado num julgamento justo. O povo brasileiro tem o direito de votar em Lula, o candidato da esperança.

O PT defenderá esta candidatura nas ruas e em todas as instâncias, até as últimas  consequências. Quem tem a força do povo, quem tem a verdade ao seu lado, sabe que a Justiça ainda vai prevalecer.

Comissão Executiva Nacional do PT

Leia a íntegra da nota do Psol:

NOTA SOBRE O JULGAMENTO DO HABEAS CORPUS DO EX-PRESIDENTE LULA NO STF

1. A súmula 122 do STF, que permite a prisão de condenados logo após decisão de segunda instância, é flagrantemente inconstitucional. O texto da Constituição Federal é transparente: início da pena, só após o fim da tramitação do processo.

2. A medida, além de inconstitucional, reforça as perspectivas conservadoras de “direito penal máximo”, que vê no encarceramento em massa a solução para os problemas da violência e da criminalidade no país.

3. Amparado no justo sentimento de indignação frente a casos de impunidade – embora mais graves sejam os casos em que pessoas potencialmente inocentes cumprem pena sem julgamento – a súmula do STF autorizou esse escárnio à Constituição Federal.

4. Como o tema é altamente controverso, tramitam duas Ações Diretas de Constitucionalidade (ADC) que exigem que o STF decida se o art. 283 do Código de Processo Penal é constitucional ou não. Nesse meio tempo, alterou-se a composição da corte e, possivelmente, as posições dos ministros frente ao tema.

5. Antes de julgar o mérito das ações, a presidente da corte, convencida de que sua posição é correta – pela validade da condenação em segunda instância – resolveu convocar sessão para julgar o Habes Corpus (HC) de um ex-presidente que foi condenado sem provas.

6. Ao mesmo tempo, teve início uma campanha de pressão sobre o STF sem paralelo na história do país. O auge dessa pressão foram as declarações do comandante do Exército, general Villas Boas, repudiadas imediatamente por nosso partido.

7. Rejeitado o HC apresentado pela defesa de Lula, o juiz Sérgio Moro pode determinar o imediato cumprimento da pena tão logo sejam analisados os últimos recursos no TRF-4. Lula pode ser preso sem provas, com condenação em segunda instância, contrariando a Constituição Federal, com um STF dividido e com duas ADCs esperando julgamento.

8. Como afirmarmos em outras oportunidades, mesmo com candidatura própria, o PSOL defende o direito do ex-presidente Lula ser candidato e considera injusta a sentença proferida por Sérgio Moro e referendada pelo TRF-4. Expressaremos nosso repúdio à essa decisão de todas as formas possíveis.

9. Ao rejeitar o Habeas Corpus apresentado pela defesa de Lula e reafirmar a validade do teor da súmula 122, o STF enxovalha a Constituição Federal para somar-se àqueles que desprezam a democracia e o Estado Democrático de Direito, contribuindo para o aprofundamento do estado penal e da escalada autoritária.

10. Diante disso mostra-se necessária a formação de uma frente democrática contra a escalada de autoritarismo e violência – cujo ápice foi o crime político que vitimou nossa companheira, Marielle Franco – que restitua o Estado Democrático de Direito e as liberdades políticas.

Juliano Medeiros

Presidente Nacional do PSOL

Leia a íntegra da nota do PSDB:

A decisão do STF contra o habeas corpus do ex-presidente Lula era aguardada, já que reproduz entendimento anterior do tribunal sobre prisão em segunda instância.

Assim, reafirma que, ao contrário do que Lula e o PT defendem, o ex-presidente não está acima da lei, mas ao alcance dela como todos os brasileiros. Uma decisão em sentido contrário frustraria a sociedade e ressaltaria o sentimento de retrocesso no combate à impunidade.

O exemplo vem de cima e o Supremo fez a sua parte. Agora, deixemos o Lula para a Justiça. Vamos pensar e cuidar dos brasileiros injustiçados.

Nilson Leitão, líder do PSDB na Câmara dos Deputados

Leia também:
Nos EUA, Sergio Moro explica por que não julga políticos do PSDB
Por que escândalos de corrupção envolvendo tucanos não avançam na Justiça?
A corrupção e os lugares de fala do PSDB
PT e PSDB: o fim da farsa de tratamento igual para denúncias iguais
As maquiagens para omitir o PSDB da corrupção na Petrobras
PSDB é o partido mais sujo do Brasil, revela ranking da justiça eleitoral
PSDB censura vídeo em que tucana chama José Serra de palhaço
Rede Globo esconde esquema de corrupção do PSDB

Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários