Redação Pragmatismo
Mercado 23/Mar/2018 às 13:07 COMENTÁRIOS

"E se eu tivesse comido a perereca?", questiona mulher que encontrou animal na salada

Professora encontra perereca em salada comprada em supermercado e decide denunciar o caso. A mulher afirma que já havia comido metade do pote quando foi surpreendida. Tanto o mercado como a fabricante do produto entraram em contato com a cliente após a repercussão

perereca salada professora santos
Perereca encontrada na salada de pote da professora Andressa. Denúncia foi compartilhada nas redes sociais e viralizou

Uma salada de pote comprada na última quarta-feira (21) em um supermercado da cidade de Santos (SP), litoral paulista, continha um ingrediente indesejado: uma ‘perereca’.

O produto foi adquirido pela professora Andressa Diniz, 32, que diz que levou um susto ao encontrar o animal.

“A salada é da marca Ateliê do Sabor, sempre compramos, não foi a primeira vez. É muito gostosa por sinal, mas hoje comecei a comer e percebi que tinha algo estranho. Vejam vocês, parece mentira mas tinha um rã na minha salada. Não sei o que fazer, mas isso não pode ficar assim”, desabafou a professora nas redes sociais.

“O sabor estava normal. Não senti nada de diferente. Mas vi um negocinho estranho, e logo passei para o meu marido ver. Eu não olhei, com medo, até que ele gritou: ‘meu Deus, é um sapo’. Eu falei em seguida: ‘vê se ele está inteiro'”, assinalou Andressa, que ainda questionou: “e se eu tivesse comido?”.

Na manhã desta sexta-feira (23), a professora Andressa voltou às redes sociais para informar que um representante do supermercado entrou em contato com ela após a repercussão do caso.

“O representante do mercado entrou em contato comigo, sugerindo a troca do produto ou a devolução do dinheiro, mas o mercado não tem culpa nenhuma, ele vende um produto lacrado do fabricante”, disse a professora.

Andressa revelou ainda que a marca também a contactou. “Disseram que estão tentando averiguar o que realmente aconteceu e me ofereceram uma cesta de produtos da marca, mas confesso que ainda não consigo pensar em comer essa salada”, admitiu.

O que fazer?

Para Roberta Ribeiro, coordenadora do laboratório da Vigilância Sanitária do Rio, em casos como esse o consumidor deve guardar o produto e entrar em contato com a vigilância sanitária local.

“Com esse alerta feito, o órgão poderá rastrear o lote e verificar em que ponto da produção ocorreu o problema. Isso não só permite que se puna os culpados, como garante que outras pessoas não passe pela mesma situação”, afirmou.

Segundo o biólogo Alex Ribeiro, responsável pelo Aquário de Santos, o animal encontrado no pote de salada não é um sapo, como havia identificado o marido de Andressa, mas uma “perereca”.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários