Redação Pragmatismo
Geral 29/Mar/2018 às 14:42 COMENTÁRIOS

Bolsonaro fala pela 1ª vez sobre execução de Marielle Franco

Jair Bolsonaro acredita que assassinato de Marielle Franco só será elucidado caso alguém faça uma delação. Confira o que mais disse o presidenciável, que até então mantinha silêncio sobre o crime

Bolsonaro Marielle Franco
Jair Bolsonaro

O deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) falou pela primeira vez sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ). A declaração foi dada ao Portal 360, do jornalista Fernando Rodrigues.

Para Bolsonaro, a execução da vereadora só será esclarecida caso alguém resolva fazer uma delação. Confira trechos:

Por que o Sr. não comentou antes o assassinato de Marielle?

A gente conhecia a vida dessa parlamentar e suas bandeiras. Se eu falasse que ela era uma pessoa extremamente boa ou extremamente má, eu teria críticas de qualquer maneira. Então resolvi permanecer em silêncio, até para não politizar o assunto. Também poderia ser acusado de estar fazendo palanque em cima disso.

Eu respeito as mortes no Rio de Janeiro. Respeito opiniões completamente contrárias à minha que ela [Marielle] sempre tinha. Houve quase uma unanimidade por parte da mídia: me criticaram por causa do silêncio. A resposta que eu dou: eu tenho comparecido a enterros, basicamente policiais do Rio de Janeiro. Ontem [21.mar.2018], três ou mais perderam a vida lá.

São mortes de difícil apuração, mas é uma sinalização que a sociedade e aqueles que estão do lado da lei têm de se preocupar sobre o que está sendo feito de errado.

O meu diagnóstico é que [há uma] política de direitos humanos equivocada. As audiências de custódia, que não são uma lei, têm que acabar com isso aí. O politicamente correto, políticas de desencarceramento, de progressões de pena: você tem que mudar tudo isso aí. Até mesmo –apesar de estar garantido na Constituição– a questão do auxílio-reclusão. Tem que rever tudo isso aí.

E o mais importante de tudo: a questão do estatuto do desarmamento. O Estado que desarma apenas o cidadão de bem e deixa o outro lado a vontade, inclusive, com armas de guerra, é o Estado que não está preocupado com segurança pública.

Qual a hipótese que o sr. teria para esse crime ter sido cometido?

Pode ser uma coisa feita por pessoas extremamente amadoras. Pode ser também algo muito planejado. E com quais objetivos? Aí só com a apuração. Eu confio na apuração: nós vamos ter resposta para isso, se é amadorismo ou profissionalismo e com que interesse.

O sr. acha que vão realmente encontrar os mandantes e os executores?

Até o momento não temos imagem de todo o percurso [do automóvel com Marielle e dos assassinos]. Temos apenas a questão do lote da munição, que não entenderam e não vai ajudar em quase nada no esclarecimento. Se não tiver alguém denunciando e que tenha participando do evento, eu acho que dificilmente vai chegar a uma conclusão.

E não é só o caso dela. Mais de 90% dos crimes não são elucidados no Brasil. É uma Polícia Civil que não tem meios para exercer seu trabalho e que foi também, em grande parte, politizada no Rio de Janeiro ao longo dos tempos.

Ou seja, é muito difícil encontrar.

É muito difícil. O crime no Brasil compensa.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários