Redação Pragmatismo
Esporte 28/Feb/2018 às 15:06 COMENTÁRIOS

A lição de Casagrande a Tiago Leifert, seu 'companheiro' de Globo

Na mesma revista em que Tiago Leifert publicou seu texto controverso, Walter Casagrande contraria a opinião do colega de emissora no debate esporte vs política

Tiago Leifert Casagrande
Tiago Leifert e Walter Casagrande

O apresentador da TV Globo, Tiago Leifert, escreveu na revista GQ que “evento esportivo não é lugar de manifestação política”.

Na opinião do jornalista, “quando política e esporte se misturam dá ruim. Vou poupá-los dos detalhes, mas basta olhar nossos últimos grandes eventos para entender que essas duas substâncias não devem ser consumidas ao mesmo tempo. O que me leva à minha primeira grande preocupação de 2018: é ano eleitoral. (…) Tem muita coisa contaminada por aí. Precisamos imunizar o pouco espaço que ainda temos de diversão. Textão é no Facebook. Deixem o esporte em paz.”

Seguindo a linha de raciocínio de Leifert, nunca teríamos visto Tommie Smith e John Carlos erguerem os punhos na saudação típica dos Panteras Negras na cerimônia de premiação dos 200 metros rasos nos Jogos Olímpicos de 1968, na Cidade do México, para denunciar o racismo nos Estados Unidos.

E por falar em racismo, eu e você jamais teríamos visto Daniel Alves pegar uma banana atirada por um torcedor e comer ao vivo para todo o mundo.

E isso sem falar nos heróis desconhecidos, que usam o esporte para protestar contra a injustiça e a desigualdade em todo o mundo. Todos sem fazer textão, mas com atitudes que renderiam livros sensacionais com a história de cada um deles.

Ainda por essa lógica, Sócrates, Casagrande, Biro-Biro e todos os membros da histórica Democracia Corintiana jamais teriam usado os gramados para pedir a volta das eleições diretas no início dos anos 1980.

E por falar em Walter Casagrande, o ex-futebolista (hoje comentarista da TV Globo) divulgou, na própria revista GQ, um texto em que contraria o posicionamento de Leifert, seu colega de emissora. Leia a íntegra abaixo:

por Walter Casagrande

Vivemos tempos estranhos. Comemora-se a intervenção das Forças Armadas no Rio como se fosse uma solução eficaz e esquece-se de todas as últimas vezes (e não foram poucas nesta década) que blindados andaram pelas ruas e vielas da cidade e em nada resolveram a questão da criminalidade. Um extrato privilegiado da população bate no peito sem constrangimento algum para apoiar um defensor da ditadura (sem falar nas posições do mesmo sobre mulheres e homossexuais) que figura entre os favoritos na corrida presidencial. Pior, banqueiros o aplaudem de pé. O que fazer?

Lamentar é a solução mais óbvia. Prefiro enfrentar com diálogo. Afinal, esta é a grande conquista da democracia. Foi por isso, para ter liberdade de pensar, falar, vestir-se como quiser, de ter o partido político que preferir e defender as bandeiras em que acreditar que lutamos durante 21 anos. Todas essas manifestações, desde que feitas dentro da lei, com respeito e valores, fazem parte de uma democracia madura.

Daí a importância do esporte como palco, sim, de discussões políticas. Por que os atletas deveriam se abster? A democracia dá o direito a donas de casa, cabeleireiros, taxistas, apresentadores de televisão e também a atletas profissionais de se manifestarem politicamente. Faz parte do jogo.

Recentemente, recebi críticas e elogios por uma coluna publicada aqui na GQ sobre o apoio de jogadores de clubes paulistas ao mesmo candidato que cito no início deste texto. Os críticos me acusaram de tentar censurá-los. Não era isso. A minha posição foi apenas de cobrar responsabilidade dos atletas, para que fossem claros na defesa de seus ideais políticos. Assim como, na maioria das vezes, o são quando o assunto é religião.

É preciso valorizar o palco que o esporte oferece. Foi isso que Tommie Smith e John Carlos, ao repetir o gesto consagrado pelos Panteras Negras, fizeram durante os Jogos Olímpicos do México, em 1968, ao mostrar o quão urgente era a discussão sobre o racismo. Muhammad Ali, o maior boxeador de todos os tempos, negou-se a combater no Vietnã justamente por saber o valor que a decisão de um ídolo do esporte teria em torno do debate da guerra. Mais recentemente, atletas da NBA demostraram grande insatisfação com o governo de Donald Trump. Jogadores de futebol americano foram na mesma linha e muitos passaram a se ajoelhar durante a execução do hino nacional.

Por aqui, lembro sempre da Democracia Corinthiana. Sim, porque junto com Sócrates, meu grande parceiro, participei dela, e isso me enche de orgulho, mas mais ainda por acreditar que fomos peça importante para aumentar o coro que exigia o retorno da democracia. Eu tenho orgulho de ter participado, em 1979, de um show a favor da anistia dos presos políticos. Também me orgulho de, em 1982, ter feito um show para pedir a redemocratização do país. Eu tenho orgulho de ter participado do movimento das Diretas Já. E tudo isso enquanto era atleta profissional, jogador do Corinthians. Por que hoje eu não poderia fazer isso? Quem proíbe o jogador de participar disso está, indiretamente, apoiando ideias reacionárias.

E o caminho é inverso. Em um momento tão polarizado, extravasar isso é essencial. Só com o diálogo chegaremos a algum lugar. Espero que o esporte em geral continue exercendo sua função de servir de palco para ampliar as grandes discussões de um país, do mundo, para além da diversão.

Viva a democracia!

com Brasil de Fato

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários