Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 30/Jan/2018 às 12:46 COMENTÁRIOS

Humorista diz que ex-mulher "se espancou sozinha" e debocha da Lei Maria da Penha

Humorista acusado de espancar a ex-mulher diz que ela "se bateu só". Depois da denúncia, ator ainda chamou Lei Maria da Penha de 'imbecil' e zombou da situação: 'Fazer o quê se sou gostoso?'

humorista espanca mulher bahia

Machucada no corpo e no rosto, a vendedora Alexandra do Nascimento, denunciou à polícia que sofreu as agressões do ex-namorado, o humorista Renato Fechine.

De acordo com Alexandra, ela foi espancada por Fechine, com quem manteve um relacionamento de sete meses, na madrugada do dia 22 de janeiro, na casa do artista em Salvador.

“Ele me deu um murro no olho. O [murro] do ouvido eu nem lembro como foi que aconteceu. Ele me enforcou, até hoje eu estou com dificuldade para mastigar. Eu acho que se eu não tivesse me trancado no banheiro, teria acontecido coisa pior”, relatou Alexandra.

Após a agressão, Alexandra foi atendida no Hospital Geral do Estado (HGE), onde ficou internada por três dias. Os médicos constataram coágulos na cabeça. Ela também registrou boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher, no bairro de Brotas, e fez exame de corpo delito. O laudo ainda não ficou pronto.

Alexandra contou que que já havia sido agredida verbalmente por Fechine, em de julho de 2017. Entretanto, as agressões físicas teriam ficado mais frequentes. Ela revelou ainda que não conseguiu dar continuidade às denuncias por medo.

“Mais ou menos com dois meses de namoro, [começaram ] agressões verbais. Não só por ciúmes, mas por algo da vida dele que deu errado. Então como eu que estava com ele, aí ele começava a descontar em mim. E as físicas [agressões], foi justamente de ciúmes. Eu me senti ameaçada. Então, eu não tinha como deixar isso passar impune. Ele é uma pessoa agressiva”, disse.

Alexandra relatou, ainda, que Renato Fechine sempre nega ter cometido as agressões. “Ele disse que eu sou maluca, que não me bateu, que eu me bati sozinha. Eu só quero que ele pague pelo que faz. Eu acho que a gente tem que assumir os nossos atos. Nenhum ser humano merece ser tratado dessa forma”, concluiu a vendedora.

“Ela se bateu só”

Já Renato Fechine disse que teve um relacionamento curto com Alexandra e negou que tenha cometido as agressões. O humorista disse que no dia 22 de janeiro Alexandra estava na casa dele, onde também estavam outras duas mulheres e um amigo.

Ainda segundo Fechine, quando o grupo foi embora, ela teve uma crise de ciúmes, tomou uma cartela de remédios para dormir, bateu a cabeça na parede, quebrou um copo na própria cabeça e usou uma garrafa de vodca para se auto agredir.

“A Lei Maria da Penha é imbecil e drástica. “Posso fazer o quê se eu sou gostoso? Ela ficou com ciúmes. Ela que quebrou o copo na cabeça e saiu se furando e se batendo toda”, alegou o humorista, em tom de deboche.

Maria da Penha

Diferente do humorista, a promotora Livia Vaz, coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher e da População LGBT (Gedem) do Ministério Público (MP-BA), acredita que a Lei Maria da Penha é mais do que necessária. Segundo ela, a lei vai além do viés criminal. “Já salvou e salva muitas mulheres”, afirma Livia.

Para a promotora, a lei traz medidas protetivas, que servem de amparo para mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Essas medidas envolvem a distância da vítima em relação ao agressor, a proibição de contato, a suspensão de visitas para mulheres com filhos pequenos.

Sobre a afirmação do humorista, que classificou a lei como “imbecil e drástica”, ela ainda diz: “Drásticos são os índices de violência contra a mulher”.

Lívia explicou que as mulheres costumam passar por um ciclo de violência nos relacionamentos abusivos. Ela diz que nesse ciclo existem paixões repentinas e inesperadas, além de grandes promessas de amor.

As agressões, nesses casos, começam verbalmente e depois fisícamente. “Geralmente, a mulher se engaja nesses relacionamentos, porque a própria sociedade contribui para isso. Existe uma naturalização nas situações de violência contra a mulher”, explica. A promotora comenta que esses ciclos não têm fim, porque o homem volta a fazer as promessas de amor e de mudança.

Outro ponto importante que a representante do MP-BA destaca é sobre casos de feminicídio. Para Lívia Vaz, esse tipo de crime raramente vem sem aviso prévio. “Começam com as agressões verbais, até culminar na violência física e, depois, vai para a fatal”, conclui.

Quem é Renato Fechine

Ator, cantor, compositor e humorista, o paraibano Renato Fechine chegou em Salvador em 1981. Ele iniciou a carreira aos 12 anos tocando guitarra. Na capital baiana, fez sucesso ao compor músicas para bandas como É o Tchan, Asa de Águia e Eva.

Fechine é o dono das letras Dança da Cordinha, Nova Loira do Tchan, Lamba Tchan, Rasta Chinelo, Tempero do Amor, Prometo te Esperar, Da Cama Pro Computador e Coração de Timbaleiro.

Depoimento

Confira abaixo um relato de Alexsandra sobre a relação com Fechine e a série de agressões que afirma ter sofrido:

“Ficamos juntos de seis a sete meses, mas eu conheço Renato há três anos, quando eu ficava com um amigo dele e ele ainda era casado. A gente ia pra casa dele, em Ipitanga, e era um convívio legal. Passei um ano em São Paulo e quando cheguei ele estava solteiro e eu fui assistir a uma peça lá no Teatro Módulo. Quando ele me viu, começou a me elogiar. Começamos a namorar logo de imediato e já foi intenso, porque eu ficava mais na casa dele do que na minha. Quando eu dormia na minha casa, era uma vez ou outra. Depois de dois meses de relacionamento, em junho, eu comecei a perceber a parte mais agressiva dele, principalmente a verbal. Por exemplo, ele fazia um escândalo com tudo. Nos três primeiros meses, ele começou a me agredir com tapas. Quando ficou mais grave, não aguentei e vim dar a primeira queixa da delegacia, mas não compareci à audiência. Depois, nós reatamos e quando ele me agrediu novamente, em outubro, dei outra queixa e não compareci. A última queixa foi dessa última vez, no dia 22, porque não teve jeito. Ele quase me matava. Achei que ia morrer.”

“Na primeira agressão eu fiquei desfigurada, tanto que fui passar 20 dias no interior, porque estava com vergonha. Na segunda, ele já não me deixou tão machucada, porque eu joguei jarro, e chamei a polícia. Reatamos depois do Ano-Novo e ele agrediu dessa forma. Meu olho nem abria, a minha orelha tá machucada, eu dei entrada três vezes no Hospital Geral do Estado (HGE). As agressões foram de tapas e murros e eu não podia fazer nada, porque ele tinha muita força. Não podia deixar isso acontecer novamente.”

“A maioria das brigas era por causa do álcool com ciúmes. Ele não tem dia pra parar de beber. Tinha briga que o motivo não era comigo, por exemplo, quando ele tentava fechar um contrato e não dava certo ele descontava em mim, que era a pessoa que estava mais perto. Depois chorava, às vezes ficava pirado e eu ia. E depois ele se arrependia e vinha.”

“Ele está dizendo que eu sou maluca, que eu tomo remédio, mas ele fez uma coisa que eu acho que homem de caráter não faz: deixou um amigo meu ver uma foto íntima minha. Imagino que mais gente tenha essa foto. Acho um absurdo isso. Ele diz que eu sou louca, mas como eu teria condição de dar um murro no meu ouvido, no meu olho? Acho que seria impossível. E as câmeras do prédio também mostram.”

com informações de Correio 24 horas

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários