Redação Pragmatismo
Lula 28/Jan/2018 às 11:25 COMENTÁRIOS

FGV: Mesmo condenado, Lula venceu o debateu sobre o tema nas redes

Nova pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV) revela que, mesmo condenado no TRF-4, ex-presidente Lula saiu vitorioso no debate sobre o tema nas redes sociais

fgv lula condenado vence debate redes sociais internet twitter bestudo pesquisa

Sylvio Costa, Congresso em Foco

Pode não servir de consolo, mas, se Lula saiu condenado na última quarta-feira (24) do julgamento no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), saiu vitorioso no debate sobre o assunto no Twitter. O tema gerou, apenas naquela data, 1,21 milhões de menções e 44,1% delas foram favoráveis ao ex-presidente. O grupo de oposição ao principal líder do PT respondeu por 35,4% das interações (os demais não se posicionaram contra ou a favor de Lula).

Os números são do Departamento de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (Daap/FGV), que funciona no Rio de Janeiro. Cerca de um terço dos 35 profissionais do Daap se dedicam ao monitoramento de dados disponíveis nas redes sociais. O trabalho fica a cargo de uma equipe interdisciplinar, que inclui profissionais das áreas de Estatística, Linguística, Jornalismo, Ciência de Dados, Ciência Política e Sociologia.

Essa qualificada equipe concluiu que “o julgamento do ex-presidente Lula foi o evento político de maior magnitude nas redes” desde a abertura do processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff, em abril de 2016. Naquela oportunidade, o debate no Twitter deu origem a mais de 1,5 milhão de menções em 24 horas.

A análise mostrou ainda que 5,5% das interações no campo de oposição e 5,1% no grupo de apoio ao petista foram movimentadas por robôs, isto é, por perfis falsos manipulados por pessoas ou entidades interessadas em amplificar artificialmente sua voz na grande rede. Em relatório, o Dapp alerta que “a presença detectada de robôs aponta para uma forte utilização dos mesmos durante as eleições, com potencial para controvérsias e questionamentos, a exemplo do ocorrido em outros países”.

fgv lula condenado vence debate redes sociais internet estudo pesquisa

Veja outros achados relevantes do monitoramento feito pelo Dapp:

– Nomes que aspiram ocupar o espaço eleitoral de Lula, uma vez confirmada pela Justiça a impossibilidade de ele disputar a Presidência da República, tiveram visível proeminência no debate via Twitter. O monitoramento verificou que se destacaram, entre esses nomes, Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Guilherme Boulos e Manuela D’Ávila (PCdoB).

– O otimismo causado no mercado financeiro pelo resultado do julgamento levou “ao maior pico de menções à bolsa de valores brasileira desde o primeiro semestre do ano passado”: 12.304 menções.

– Na guerra das hashtags, os adversários de Lula levaram a melhor. Foram 206 mil menções a #MoluscoNaCadeia e 126 mil para #LulaNaCadeia. Os apoiadores de Lula garantiram 116 mil menções para a hashtag #CadêAProva.

– Cerca de 20% das menções registradas (254 mil, em números absolutos) vieram do exterior.

– Tuítes de tom preponderantemente humorístico responderam por 15,3% das menções registradas.

– O apelo por “justiça” respondeu pelas mensagens mais compartilhadas pelo grupo favorável à condenação de Lula. Entre os que defendiam a absolvição, as postagens mais populares ressaltavam a incoerência de um país que salva Michel Temer e Aécio Neves de investigações criminais ao mesmo tempo em que condena o candidato favorito nas pesquisas presidenciais.

– São Paulo (26%), Rio de Janeiro (16%) e Rio Grande do Sul (9%) foram os estados com maior número de menções ao julgamento.

– No Facebook, onde o deputado Jair Bolsonaro tem sido campeão em volume de interações, o julgamento no TRF-4 assegurou a Lula a liderança nos engajamentos. Somente a página do ex-presidente da República gerou mais de 2 milhões de interações.

– Conforme o Dapp, “sem contar Lula e Bolsonaro, os dois atores de maior eficácia no engajamento via Facebook são Alvaro Dias (Pode) (normalmente o mais participativo na rede social) e Manuela D’Ávila”, seguidos pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB).

– O estudo demonstrou ainda que “o ministro Henrique Meirelles, recém-chegado ao Facebook, por enquanto permanece um ator muito discreto, e Ciro Gomes, Fernando Collor e Haddad praticamente não conseguem modular engajamentos na rede social, se comparados aos demais”.

O trabalho do DAPP foi coordenado por Marco Aurelio Ruediger e contou com a participação dos seguintes pesquisadores: Amaro Grassi, Ana Freitas, Danilo Carvalho, Humberto Ferreira, Lucas Calil, Luís Gomes, Polyana Barboza, Tatiana Ruediger e Thomas Traumann.

Clique aqui para ver a íntegra do estudo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários