Redação Pragmatismo
Contra o Preconceito 16/Nov/2017 às 17:53 COMENTÁRIOS

Policial ataca terreiro de Umbanda para construir igreja evangélica

Com o objetivo de construir uma igreja evangélica, policial faz ataques a terreiro de Umbanda e ameaça matar família

policial ataca terreiro de umbanda igreja evangélica

Jefferson Lorentz, Bhaz

Um caso de racismo e preconceito religioso está apavorando responsáveis por um terreiro de Umbanda no bairro Imperador, em São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Desde 24 de outubro a casa sofre ataques consecutivos liderados por um policial militar da reserva, conhecido coo João Camargo. Além de destruir o terreiro “Casa Espírita Império dos Orixás de Nossa Senhora da Conceição e São Jorge Guerreiro”, os atos de violência também provocaram prejuízos no imóvel onde a família mora.

Segundo os irmãos Lalesca Pereira dos Santos, de 23 anos, e Gustavo Pereira dos Santos, de 20, a perseguição começou na terça-feira, dia 24 de outubro. Eles relataram o caso à Defensoria Pública de Minas Gerais e o Bhaz teve acesso ao documento em que contam como tudo ocorreu. Era por volta das 6h quando um grupo de pelo menos seis pessoas lideradas por João Camargo, que estava armado, entrou na propriedade da família.

De acordo com a denúncia, apenas um irmão de Lalesla e Gustavo, Diego Santos que tem sofrimento mental e é epilético, estava no local. João Camargo na companhia dos cúmplices até o momento não identificados quebraram o galinheiro, as cercas e destruíram as plantas usadas para banho. Ao chegar em casa, Gustavo, que trabalha em uma auto escola, tentou conversar com o líder do grupo, mas sem sucesso. João Camargo teria dito a ele que “não conversava com macumbeiro”, apontando uma arma para o rapaz.

Diante de toda a destruição, Gustavo ligou para o 190 nove vezes e foi informado de que uma viatura estava a caminho, mas os militares não apareceram. Ao mesmo tempo, João Camargo teria também feito contato com a Polícia Militar solicitando “reforço”. A solicitação dele, no entanto, foi atendida e os oficiais chegaram ao local algum tempo depois. Na viatura, segundo Gustavo, havia dois militares, sendo um deles a sargento Tamires, que não teria registado o Reds (Registro Eletrônico de Defesa Social) diante da quebradeira promovida por João Camargo. A militar teria apenas dito que tudo não passava de uma “questão de bom senso” e que era melhor que a família não mexesse com João Camargos, pois se tratava de “gente muito perigosa”. Neste meio tempo, Camargo teria dito que iria embora, quando Gustavo acreditando que a situação estava controlada retornou ao trabalho em auto escola.

Mas ao perceber que Gustavo havia se ausentado novamente, Camargo e sua turma continuaram a destruir o restante da casa. No alvo do grupo estavam imagens de entidades da Umbanda, santos e os eletrodomésticos do local. Geladeira, máquina de lavar, micro-ondas, utensílios de cozinha como panelas, talheres e vasilhames foram destruídos. Eles não pouparam nem mesmo um fogão de lenha e telhas. Ao retornar para casa, Gustavo reencontrou o grupo destruindo as imagens do terreiro. Foi quando teve a camisa rasgada por João Camargo, que deixou um aviso: o rapaz deveria sumir para não ser morto. Assustado, mais uma vez Gustavo ligou para a PM. De acordo com ele, os militares atenderam a ocorrência, mas nem sequer chegaram a descer da viatura para retirar os agressores de dentro do local. “Eu estava passando mal por conta de toda aquela situação, os militares me levaram para a UPA da cidade, enquanto João Camargo e o grupo dele continuavam a destruir o terreiro e minha casa”, relatou o proprietário do imóvel.

policial ataca terreiro de umbanda igreja evangélica

Segundo dia de agressão

Não satisfeito, o grupo comandado pelo policial da reserva João Camargo voltou ao local na quarta-feira, dia 25 de outubro. Era por volta de 7h quando eles surpreenderam Gustavo e os irmãos dele, a mãe do trio Maria Serafim, além de duas amigas da família. Desta vez, estavam armados com facões e traziam nas mãos cercas, moto serras e mourões. Diziam a todo tempo que cercariam a propriedade, onde seria erguida uma igreja evangélica. Assustados, os moradores acionaram a PM, mas ela só chegou ao local quando Camargo acionou o 190. Ele fez contato ao perceber que a família ia se defender. Sem explicar o motivo, a irmã de Gustavo, Lalesca foi conduzida para uma unidade da PM, sendo intimada a voltar no dia seguinte em posse dos documentos originais que comprovassem a propriedade do terreno.

De autor à vitima

Pelo terceiro dia consecutivo, na quinta-feira, dia 26 de outubro, Camargo voltou à casa novamente por volta das 7h. Acompanhado por três homens, entrou no local pela cerca que havia sido colocada no dia anterior durante a invasão. Dentro do imóvel, o policial acusou o “pessoal” do terreiro de roubar os materiais deixados lá por ele. Desta vez quem chama a PM primeiro é João Camargo. Para a surpresa de todos quem aparece é a sargento Tamires que, após o relato de roubo feito pelo “colega da reserva”, manda que Lalesca troque de roupa e a acompanhe para a delegacia. “Vocês de novo mexendo com o João Camargo?”, teria questionado a oficial.

A militar chega a perguntar onde está o irmão de Lalesca, Gustavo, mas o rapaz está na auto escola. Eles desconfiam. Lalesca segue sozinha para a delegacia. No entanto, no meio do caminho, ouve o momento em que a policial Tamires recebe uma ligação dos “homens de Camargo” dizendo que Gustavo está no imóvel. Neste instante a viatura retorna à casa da família Santos, quando iniciam a caçada ao rapaz que é confundido com outro irmão, Diego.

Dentro do lote da família onde o policial da reserva João Camargo delimitou com uma cerca o imóvel, ele e seus capangas ostentam nas mãos paus e machadinhas avisando que dali ninguém sairia. Ao perceber que alguém havia saído do banheiro, Camargo corre atrás de Diego acreditando ser Gustavo. “Se você não parar eu atiro nas suas pernas”, disse aos gritos. Alertado por um dos militares de que aquele era na verdade Diego, e não Gustavo, o policial desiste de atirar.

Para a surpresa de João Camargo, Gustavo chega ao local de táxi após deixar o trabalho, mas é impedido de entrar no imóvel. Lalesca também é impedida de usar o banheiro da própria casa. “se você quer mesmo fazer que seja no mato ali”, ouve da militar Tamires que estava próxima a outros militares. Levados para a delegacia, os irmãos relataram que foram colocados em uma sala muito quente, sem ventilação e sem direito à alimentação. Depois de mais de seis horas de espera, os irmãos foram ouvidos pela autoridade policial e liberados, sendo informados que eles deveriam comparecer a uma audiência no 16 de fevereiro de 2018, no Fórum de Igarapé.

policial ataca terreiro de umbanda igreja evangélica

O relato ainda traz na última página o momento de terror vivido pela família, quando o policial João Camargo voltou pela quarta vez, no dia 27 de outubro. Mais uma vez acompanhado de seis homens, dois deles armados, ele destruiu o banheiro da casa, quebrando canos e cortando a fiação de luz. Ao perceber que Gustavo estava fotografando cenas da destruição, João Camargo jogou gasolina contra o rapaz, que só não foi atingido porque o irmão Diego o puxou para trás. O combustível não chegou a atingi-lo, mas Gustavo ouviu quando o policial da reserva debochou afirmando que “queria ver se o santo dele o protegeria”. Na ocasião, Camargo reafirmou que a família teria 30 dias para sair do local, pois de outra maneira colocaria fogo em tudo.

PM da reserva ameaçou atear fogo (reprodução)

Precisamos ser respeitados por quem somos e por nossas crenças. Temo que o pior aconteça, mas confiamos em Deus. Espero que seja feita justiça, pois não queremos o mal de ninguém, queremos somente a paz”, afirmou Lalesca por telefone.

A busca por ajuda

A família Santos buscou orientação no Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira (Cenarab). A presidente da entidade, Makota Celinha, acionou a Secretaria Estadual de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac) para que providências fossem tomadas diante da gravidade dos fatos narrados. A brutalidade da ações praticadas pelo grupo de João Camargo levou o secretário de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda ao local, acompanhado da subsecretária de Promoção da Igualdade Racial, Cleide Hilda de Souza, e de Makota Celinha. Durante a visita realizada de forma emergencial no dia 1° de novembro, as autoridades saíram estarrecidas com o cenário encontrado. Preocupado com os fatos relatados pela família, Nilmário Miranda solicitou que a Defensoria Pública de Minas Gerais acompanhasse o caso e notificasse as Polícias Civil e Militar sobre a necessidade da instauração de investigações.

Em entrevista ao Bhaz, o secretário estadual de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, avaliou que houve injúria racial, acompanhados de atos de intolerância religiosa, com o agravante da utilização do falso poder do estado no momento em que policial ‘reformado’ se faz passar por polícia. “A PM esteve no local e não lavrou sequer um boletim de ocorrência por influência deste policial ‘reformado’ conhecido como João Camargo que profanou imagens sagrada, o local do culto e também a moradia destas pessoas. É importante mostrar aos agressores que as vítimas não estão entregues a própria sorte”, afirmou.

A subsecretaria, Cleide Hilda de Lima Souza destacou que “é inaceitável que a Policia Militar não tenha registrado nenhum boletim de ocorrência relatando a destruição da casa da família e também do terreiro de umbanda. O que vimos ali é crime e deverá ser penalizado”, afirmou ao Bhaz argumentando que o objetivo do grupo liderado por João Camargo é tomar o terreno da família Santos. Segundo Makota Celinha, João Camargo – que também se apresenta como pastor -, diz que pretende construir uma igreja evangélica no local.

Por telefone o tenente da Polícia Militar Jamicel Silva, que comanda o Pelotão de policiamento localizado na cidade de São Joaquim de Bicas, informou que o militar João Camargo nega ter promovido a destruição da casa e do espaço onde funciona o terreiro de Umbanda. Ele informou que o próprio militar acionou a PM, por alteração nos limites da propriedade, e que toda a confusão seria porque cada parte alega ser dono do terreno onde a família Santos mora e mantém o Centro Espírita Império dos Orixás.

O tenente afirma que os boletins de ocorrência foram registrados e que a situação está sendo acompanhada pelo major Alexandre Gontijo, responsável pela 7° Cia Independente, com sede em Igarapé. “A apuração ocorrerá na esfera comum (Polícia Civil) e se o major julgar que o militar (João Camargo) tem indícios de culpa poderá abrir investigação na justiça militar para investiga-lo”, comentou Jamicel. Ele ainda esclareceu que João Camargo não é militar reformado, mas da reserva podendo ser convocado pela corporação para voltar o trabalho caso seja necessário.

Por meio da assessoria de Imprensa da Polícia Civil, o Bhaz apurou que o inquérito para a apuração dos fatos foi instaurado pelo delegado Diego Nolasco e que investigações estão sendo feitas. A assessoria porém não informou se o militar João Camargo foi ouvido. A casa Espírita Império dos Orixás Nossa Senhora da Conceição e São Jorge Guerreiro funciona no local há sete anos e segundo os donos nunca teve problema com a vizinhança, uma vez que o local é cercado por mata.

O caso tem sido acompanhado pela defensora pública Júnia Roman Carvalho que atua na Defensoria Especializada em Direitos Humanos, Coletivos e Socioambientais (DPDH). Ela espera que a Polícia Civil possa esclarecer os fatos, já que as vítimas são obviamente perseguidas por serem pobres, negras e adeptas de uma religião de matriz africana, no caso a Umbanda. “O que nós apuramos é que fica claro a intolerância religiosa, e as agressões contra uma família. Eles (os agressores) entram no misto de intolerância de credo e também de um processo de grilagem em curso. Eles estão demonizando a religião da família como se esta fosse o mal. Precisamos esclarecer os fatos, dar uma resposta a esta família, pois há ameaça por parte do João Camargo que se identifica como policial militar de atear fogo na propriedade em 30 dias se eles não saírem do local”, comentou.

Júnia diz ainda que a Defensoria só entrou no caso porque houve falhas na condução por parte da Polícia Militar, uma vez que não houve registro de boletins de ocorrência e nem mesmo a instauração imediata do inquérito após os fatos relatados pela família. Ela também faz um alerta para o avanço de diversos tipos de intolerância nos dias atuais.

Seja no campo religioso, nas questões LGBTQI, na censura presente nas escolas, nas artes é importante lembrar que isso é algo muito perigoso. Violação de direitos humanos não param em determinado grupo. Se eu hoje eles estão atacando determinado grupo, amanhã ela vão me atacar também. Mesmo que eu me silencie, eles também pode vir para o ataque. Desta forma é fundamental que estejamos atentos a este movimento e denunciemos qualquer tipo de violação de direitos”, completa a defensora.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários