Redação Pragmatismo
Injustiça 03/Oct/2017 às 11:52 COMENTÁRIOS

Reitor da UFSC é encontrado morto em shopping e irmão desabafa

Em desabafo contundente, irmão de reitor da UFSC encontrado morto em shopping cita os “os grandes canalhas” e os “pequenos canalhas” responsáveis pelo que ele chamou de “crime premeditado”

reitor da UFSC Luiz Carlos Cancellier de Olivo
O reitor da UFSC Luiz Carlos Cancellier de Olivo

O reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, morreu na manhã desta segunda-feira (2) em Florianópolis.

Segundo a Polícia Militar, ele se atirou do último piso em direção ao vão central do Beiramar Shopping. A PM foi acionada para atender a ocorrência e chegou ao local poucos minutos depois.

O delegado responsável pela Delegacia de Homicídios da Capital, Ênio Matos, afirmou que o professor cometeu suicídio.

Júlio Cancellier, irmão de Luiz Carlos Cancellier, foi um dos familiares que esteve no Beiramar Shopping nesta segunda-feira.

Muito abalado, ele contou que conversou pela última vez com Luiz Carlos na noite de domingo e que tinha combinado com o outro irmão deles, Acioli de Olivo, de os três darem uma volta na Lagoa da Conceição e outros lugares da Ilha de Santa Catarina nesta segunda.

A proposta do passeio era tirar Cancellier um pouco de casa, já que ele ainda estava abatido por conta da prisão na Operação Ouvidos Moucos e fazia tratamento médico em relação a isso desde então.

Segundo Júlio, apesar do abatimento, na conversa de domingo o irmão se mostrou contente por dois motivos. Primeiro, a conquista na Justiça do direito de voltar à UFSC nesta semana, ainda que por apenas algumas horas, para orientação de alunos. O segundo, pelo acesso do Hercílio Luz, de Tubarão, à Série A do Campeonato Catarinense de futebol.

“Ele vinha de um momento muito bom de união na universidade, foi palestrante em Portugal e estava feliz, mas depois a prisão foi um impacto muito grande. Causou um trauma e ele estava se tratando com médicos”, afirmou Júlio.

O irmão do reitor afastado também disse não saber o que pode ter motivado uma atitude tão drástica e repentina, mas reforçou o desânimo com que ele convivia desde a prisão pela Polícia Federal.

“Com apoio de todos ele estava em processo de recuperação. Ele tinha convicção de que fez tudo certo. Ele era do diálogo, conversava e acabou sendo imputado por receber a todos. Ele procurou ouvir os dois lados e o que aconteceu é de coisas antigas”, disse.

Júlio lembrou ainda que a família tem origem humilde e que Luiz Carlos sempre foi motivo de orgulho, ainda mais após ter conquistado o cargo de reitor da UFSC.

“A morte interrompe o sonho dele, mas não de um grupo que se intitula que a UFSC pode mais. E ela já pode mais, tanto que ele foi o primeiro reitor que criou uma diretoria de diversidade. Ele caiu justamente porque abriu espaço para todos” declarou, emocionado.

Acioli, o outro irmão

Nas redes sociais, Acioli de Olivo, o outro irmão de Luiz Carlos, publicou um desabafo contundente, citando os “os grandes canalhas” e os “pequenos canalhas” responsáveis pelo o que ele chamou de “crime premeditado”.

Leia a íntegra do desabafo de Acioli:

Quem matou meu irmão, o reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo? São vários os autores. Os principais sabemos nomes, sobrenomes, endereço e ocupações. Mas, além destes grandes canalhas, são cúmplices deste crime premeditado os pequenos canalhas, os vermes rastejantes, que dentro da UFSC divulgaram mentiras, enxovalharam sua honra, violaram o que ele tinha como valor mais precioso: sua honestidade e dedicação ímpar pela sua alma mater, a universidade em que se formou e galgou degrau a degrau até alcançar o posto máximo.

Estes vermes não ficarão impunes, pois a universidade da tolerância e da diversidade que meu irmão sonhou e trabalhava todos os dias para tornar uma realidade não pode abrigar os sedentos de ódio, pois fora dela já se reproduzem por toda parte como ratos.

A todos conclamo, não vertam lágrimas, o Cau não aprovaria. Transformem suas lágrimas num brado de indignação, o único sentimento que pode se contrapor à injustiça que o vitimou.

ANDIFES

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) divulgou nota lamentando a morte do professor Luiz Carlos Cancellier. Confira a íntegra:

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), profundamente consternada, comunica o trágico falecimento do Prof. Dr. Luiz Carlos Cancellier, Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, ocorrido na manhã desta segunda-feira.

O sentimento de pesar compartilhado por todos/as os/as reitores/as das universidades públicas federais, neste momento, é acompanhado de absoluta indignação e inconformismo com o modo como foi tratado por autoridades públicas o Reitor Cancellier, ante um processo de apuração de atos administrativos, ainda em andamento e sem juízo formado.

É inaceitável que pessoas de bem, investidas de responsabilidades públicas de enorme repercussão social tenham a sua honra destroçada em razão da atuação desmedida do aparato estatal.

É inadmissível que o país continue tolerando práticas de um Estado policial, em que os direitos mais fundamentais dos cidadãos são postos de lado em nome de um moralismo espetacular. É igualmente intolerável a campanha que os adversários das universidades públicas brasileiras hoje travam, desqualificando suas realizações e seus gestores, como justificativa para suprimir o direito dos cidadãos à educação pública e gratuita. Infelizmente, todos esses fatos se juntam na tragédia que hoje temos que enfrentar com a perda de um dirigente que por muitos anos serviu à causa pública.

A ANDIFES manifesta a sua solidariedade aos familiares e amigos do Reitor Cancellier e continuará lutando pelo respeito devido às universidades públicas federais, patrimônio de toda a sociedade brasileira.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários