Redação Pragmatismo
Homofobia 03/Oct/2017 às 19:06 COMENTÁRIOS

Apresentador reclama da homossexualidade: "não é normal; a minoria está vencendo"

Apresentador ressurge do ostracismo para tentar adquirir holofotes com tema polêmico. Além de evocar o discurso do 'nacionalismo' com proposta irrisória, Gilberto Barros afirma que não é normal ser gay e protesta: "minoria não pode vencer a maioria; homem é homem, mulher é mulher"

Apresentador Gilberto Barros gays
Gilberto Barros

Longe dos programas de televisão há algum tempo, Gilberto Barros foi entrevistado por youtubers nesta semana eresolveu disparar contra homossexuais.

O apresentador afirmou que a ascensão das discussões acerca de gênero e sexualidade são resultado da falta de ‘nacionalismo da população’. A declaração foi alvo de duras críticas na web.

A proposta de Gilberto Barros para “sanar” esse “problema” seria que todas as emissoras de TV e de rádio tocassem o Hino Nacional obrigatoriamente todos os dias, às 19h.

“Temos que cultivar o verde e o amarelo, e ensinar nosso alunos isso. Hoje em dia, com essa desculpa de liberdade, a minoria está vencendo a maioria brasileira, o que é uma hecatombe. O poste faz xixi no cachorro. A banana come o macaco. A gente está achando que é natural ser veado ou sapato (sic). O respeito à homossexualidade deve ser absoluto. Agora, não venham me dizer que tenho que pensar diferente, pois a liberdade que tenho é de pensamento e expressão”, afirmou.

Barros continuou contradizendo a si próprio. Ele reiterou que a homossexualidade precisa ser encarada como uma anomalia, embora não se considere um homofóbico.

“Tenho grandes amigos homossexuais, mas eles sabem que não acho normal ser homossexual. Temos que perder a hipocrisia! A homofobia tem que ser combatida, mas tem que se prestar atenção no que, de fato, é isso. Homofobia não é o que estou dizendo aqui. Pelo contrário, estou defendendo os homossexuais aqui. Minhas amigas lésbicas sabem que as defenderei até debaixo da água! Mas não me obriguem a achar que é normal. Homem é homem. Mulher é mulher”, disse.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários