Redação Pragmatismo
Política 20/Sep/2017 às 11:23 COMENTÁRIOS

Caetano Veloso fala verdades indigestas para Dallagnol ao recebê-lo em sua casa

Caetano Veloso recebeu recentemente Deltan Dallagnol em sua casa no Rio de Janeiro. O cantor e compositor descreveu em detalhes a conversa que teve com o procurador da Lava Jato

caetano veloso deltan dallagnol
Deltan Dallagnol e Caetano Veloso encontraram-se recentemente na casa do artista

Caetano Veloso recebeu em sua residência no Rio de Janeiro o procurador Deltan Dallagnol para uma conversa sobre política. O encontro aconteceu em Ipanema e foi intermediado pelo senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP).

Caetano e a sua esposa, Paula Lavigne, têm promovido desde o início de 2017 bate-papos reunindo artistas e políticos para discutir a conjuntura brasileira. São convidados desde gente mais identificada com a esquerda a grupos mais à direita, com o intuito de vencer diferenças e fortalecer uma pauta comum.

“Não houve momento de discordância. Deltan ficou bem à vontade”, afirmou Randolfe.

Em artigo publicado nesta terça-feira (19) no jornal O Globo, Caetano contou detalhes do encontro com Dallagnol.

O cantor aproveitou a conversa com o procurador para dizer-lhe que detestou a cena do powerpoint. “Dallagnol falou disso no encontro como tendo sido algo que não deu certo, embora desmentisse que tivesse dito não ter provas mas ter convicção”, lembrou.

Caetano afirmou ainda ter falado com ênfase, diante de Deltan, sobre “a importância histórica da figura de Lula e o significado de sua força política”.

Confira os principais trechos do texto de Caetano:

O encontro com Dallagnol se deu nas vésperas do ato de desagravo ao juiz Marcelo Bretas, cujas decisões tinham sido desqualificadas pelo ministro Gilmar Mendes. Antes da chegada de Deltan, ouvimos procuradores públicos do Rio. Gostei muito das falas deles e, ouvindo também o que disseram nossos colegas artistas, combinei comparecer ao ato.

Minha posição em relação à Lava-Jato não mudou em essência. Pelo timing de minhas respostas às entrevistas citadas vê-se que não fui um opositor da força-tarefa como os que só viam nela uma perseguição ao PT. Minhas palavras de relativa desconfiança só surgiram quando o impeachment de Dilma já tinha se dado e o governo Temer já se instalara, com figuras importantes do seu núcleo sob a mira da operação. De modo que um petista poderia achar que não critiquei a operação quando o PT parecia ser seu único alvo.

Fui contra o impeachment. E acho que suas consequências são péssimas. Mas os artigos de Jânio sobre a força-tarefa, que considero necessários, me pareceram mesmo ranzinzas. Não me alegraria que os resultados do impeachment confirmassem seu pessimismo em relação à Lava-Jato.

Sou, em princípio, um apoiador do movimento interno da sociedade brasileira que a produziu. Por isso mesmo não gostei quando o juiz Moro soltou a gravação do telefonema de Dilma pra Lula, depois do prazo estipulado, o que teve papel importante na resposta da opinião pública e deu força ao movimento pró-impeachment. E detestei a cena do powerpoint. Dallagnol falou disso no encontro como tendo sido algo que não deu certo, embora desmentisse que tivesse dito não ter provas mas ter convicção.

Gosto de um artigo de Caio Rodriguez que saiu na “Ilustríssima”, onde se vê um paralelo não entre a Lava-Jato e a italiana Mãos Limpas, mas entre ela e o caso da luta jurídica americana relativo à frequência de uma aluna negra em escola de bairro branco. No artigo os acordos de leniência aparecem como modificadores do capitalismo brasileiro, coisa que não aconteceu na Itália.

Por outro lado, me lembro de ter falado com ênfase, no encontro com Deltan, sobre a importância histórica da figura de Lula e o significado de sua força política. Ao sair, ele se ofereceu para me responder a qualquer pergunta que futuramente me ocorresse.

É saudável que nós brasileiros fiquemos de orelha em pé para que movimentações importantes não venham a servir à manutenção das nossas desigualdades. Porque não somos campeões em corrupção mas somos campeões em desigualdade. É com tudo isso em mente que apoio, em meu íntimo, a Lava-Jato.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários