Redação Pragmatismo
Tragédia 05/Sep/2017 às 09:44 COMENTÁRIOS

Afogamento de bebês gêmeos em piscina deixa cidade em choque

Tragédia no MS. Morte de irmãos gêmeos de um ano e dois meses de idade afogados na piscina de casa deixa cidade em choque e lança alerta sobre riscos e cuidados com os pequenos

gêmeos afogados afogamento bebês

Dois irmãos gêmeos de um ano e dois meses de idade morreram afogados na piscina de casa na manhã do último domingo (1), em Três Lagoas, cidade a 326 quilômetros de Campo Grande.

As crianças caíram na água por acidente depois de conseguirem atravessar uma passagem na grade que cerca a piscina, que estaria aberta. Os pais regavam as plantas na casa, no bairro de classe média Jardim dos Ipês, quando perceberam o acidente, por volta das 7h30.

Os irmãos foram levados de carro ao hospital Nossa Senhora Auxiliadora, mas chegaram quase sem vida ao local. Segundo a assessoria de imprensa do hospital, a equipe médica tentou por 30 minutos reanimar os gêmeos, que morreram por parada cardiorrespiratória.

As crianças são filhas do advogado Clayton Moraes, ex-procurador da Prefeitura de Três Lagoas, que trabalhou na gestão de Simone Tebet, hoje senadora pelo PMDB.

A família é conhecida na região e o acidente gerou comoção na cidade, de passado agrícola e que hoje é conhecida como a capital nacional da produção de celulose. O prefeito Angelo Guerreiro (PSDB) expressou condolências à família nas redes sociais.

“Que Deus em sua infinita bondade possa confortar o coração desses pais, Clayton e Josi, pela perda irreparável dos seus filhos. Nossa Senhora Aparecida cubra com seu manto e acalento. Três Lagoas está em luto”, escreveu ele.

Segundo a amiga da família Lurdes Moreira, a cidade está em choque. “Pegou todo mundo de surpresa”, disse ela.

Os principais portais de notícias publicaram nas redes sociais o ocorrido e centenas de pessoas prestaram solidariedade aos pais. O sepultamento dos gêmeos ocorreu na tarde deste domingo.

Moraes é um advogado que teve atuação em caso conhecido em Três Lagoas. Em 2007, a Justiça do Mato Grosso do Sul determinou a remoção de barraqueiros que vendiam comida em áreas públicas da cidade, em especial na região da Lagoa Maior, uma das três lagoas urbanas que dão nome à cidade.

Moraes ocupava a procuradoria da Prefeitura, que assinou com os barraqueiros e o Ministério Público um acordo para evitar a remoção. Foram construídos 14 quiosques de alvenaria no local das barracas de ferro. Dez anos depois, uma nova decisão judicial autorizou a prefeitura a demolir os quiosques.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários