Redação Pragmatismo
Humor 04/Apr/2017 às 09:22 COMENTÁRIOS

Família Marinho se irrita com sátira do Jornal O Globo

Uma sátira do jornal O Globo que viralizou no último 1º de abril enfureceu a família Marinho. A repercussão foi tanta que a própria Globo e seus satélites se viram obrigados a divulgar a notícia

globo primeiro de abril fake news

Miguel do Rosário, O Cafezinho

No dia da mentira e aniversário do golpe de 1964, uma sátira do Jornal O Globo, que circulou em São Paulo, causou uma enorme repercussão, obrigando a próprio Globo e seus satélites a divulgarem a notícia.

O que chama a atenção é a fúria com que o donos da Globo, os maiores traficantes de pós-verdades do nosso continente, trataram uma sátira inocente.

A declaração do diretor-executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ), que faz parte da rede de instituições controladas pela Globo, parece destinada contra terroristas do Estado Islâmico, e não para os humoristas políticos que tiveram uma ideia genial.

A distribuição de uma edição falsa com a logomarca do GLOBO ocorre no mesmo momento em que o jornal lança uma campanha contra a produção e a veiculação de notícias falsas, as chamadas “fake news”. O GLOBO vê no episódio uma atitude criminosa e vai tratar o assunto através de seu Departamento Jurídico.

(…) A Associação Nacional de Jornais (ANJ) condenou a versão falsa do GLOBO. Para Ricardo Pedreira, diretor-executivo da entidade, os falsários tentaram se aproveitar de “uma marca de credibilidade no jornalismo brasileiro para difundir a sua luta política”.

— Chega a ser uma ironia que esses grupos, que com tanta frequência acusam os jornais, se valerem exatamente da credibilidade dos jornais para tomar uma iniciativa. Isso só mostra como os jornais têm credibilidade — afirma Pedreira.

O diretor da ANJ diz que o fato se trata de um crime e que os responsáveis pela publicação devem ser investigados.

Há décadas que os programas de humor da Globo satirizam o que e quem eles querem e ninguém jamais pensou em fazer disso caso de polícia.

Alegar que a Globo é uma marca privada é ridículo. A Globo é uma empresa criada com recurso público e sua principal fonte de renda vem de uma concessão pública. Nas últimas décadas, a Globo recebeu mais verba pública do que programas habitacionais de muitos estados. A Globo custa mais caro ao contribuinte do que grandes obras de infra-estrutura, como a transposição do Rio São Francisco.

A menção à campanha contra “fake news”, ou notícias falsas, é de fazer chorar de rir. Como assim? A Globo é a maior propagadora de “fake news” do mundo!

A Globo acha que a gente se esqueceu dos oito ou dez minutos que deu para Rubnei Quicoli, no Jornal Nacional, às vésperas da campanha de 2010?

Quicoli era um ex-presidiário que acusou uma pessoa ligada a Dilma de agilizar, para ele, um empréstimo de 8 bilhões de reais do BNDES…

8 bilhões de reais!

Era um delírio absoluto, mas ao qual a Globo emprestou sua “credibilidade”, para subsidiar a campanha tucana, que imediatamente levou a “denúncia” à sua propaganda eleitoral.

Eu fiz uns prints de algumas notícias publicadas pela “versão fake” da Globo. Achei muito interessante, por exemplo, a entrevista com o juiz Sergio Moro.

É um Moro muito mais sincero do que o Moro real: “precisamos manipular o direito para conseguir fazer o que a gente faz”; “essa é a importância de se prender antes de julgar”; “a democracia dá muitas garantias aos processados”, etc…

Nessa era de pós-verdades, me parece mais saudável ler o Globo fake, que ao menos é autêntico em seu desejo de reproduzir “pós-verdades” do que o original, que tenta enganar o povo brasileiro há décadas.

Veja as imagens da ‘Globo Fake’ abaixo:

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários