Redação Pragmatismo
PT 14/Mar/2017 às 10:50 COMENTÁRIOS

Matéria sobre Moraes publicada no portal do PT é censurada pela Justiça

Justiça determinou que o PT retire do seu site a matéria “Justiça é muita areia para a caçambinha de Moraes, critica Aragão”. Partido considera decisão de censurar o conteúdo um “atentado à democracia”

pt censura censurado matéria

O Partido dos Trabalhadores considerou “um atentado à democracia” a censura sofrida pelo página do partido internet, a partir de uma ação judicial movida pelo ex-ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

A juíza Cristina Inokuti, da 3ª Vara Cível de São Paulo, determinou que o PT retire do seu site a matéria “Justiça é muita areia para a caçambinha de Moraes, critica Aragão”.

“É mais um atentado à democracia perpetrado por integrante do ilegítimo governo golpista que hoje ocupa o poder no Brasil”, diz nota do PT.

“É profundamente lamentável, e causa grande preocupação, o fato de que Moraes, recentemente nomeado para a mais alta corte de Justiça do país, tenha mobilizado seus esforços para censurar a opinião do ex-ministro do Governo Dilma Rousseff, Eugênio Aragão, exposta em entrevista à Agência PT.”

O Partido dos Trabalhadores informa que irá recorrer contra essa decisão, “que lembra os piores dias do regime militar, e continuará lutando pelo retorno do Brasil ao Estado Democrático de Direito, que só acontecerá quando houver novas eleições diretas para a presidência da República”.

Na entrevista, Aragão afirmou que Morares tem “histórico de arbitrariedades”, quando esteve à frente da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, e “histórico de conchavos com setores que são de alto risco para a sociedade, como a facção criminosa Primeiro Comando da Capital, o PCC. Isso já demonstra claramente qual o tipo de ator que esse ‘governo’ do Michel Temer buscou para tratar de assuntos estratégicos do Estado, como são as penitenciárias. O Ministério da Justiça é muita areia pra caçambinha dele”, declarou.

Aragão condenou a postura de Alexandre de Moraes diante das chacinas ocorridas na primeira semana de 2017 em penitenciárias no Amazonas e de Roraima, quando mais de 90 presos foram mortos.

“Nesse episódio trágico, em que em dois dias morreram 90 brasileiros que estavam sob a custódia do Estado, é vergonhoso que um ministro da Justiça tenha que mentir para dizer que ele nunca recebeu qualquer tipo de pedido de ajuda para área penitenciária e depois a governadora ter que vir a público com o ofício que mandou para ele, bem como com a resposta dele”, criticou.

Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários