Redação Pragmatismo
Mundo 31/Jan/2017 às 13:49 COMENTÁRIOS

Irã rebate Trump e proíbe entrada de norte-americanos no país

Irã proíbe entrada de norte-americanos no país em resposta a ordem executiva de Trump. Cidadãos de sete países de maioria muçulmana não poderão entrar nos Estados Unidos

irã proíbe norte-americanos eua rebate trump
Hassan Rohani, presidente do Irã (reprodução)

Opera Mundi

O Irã anunciou no último sábado (28/01) que aplicará o princípio de reciprocidade aos Estados Unidos e proibirá a entrada de cidadãos norte-americanos no país até que Washington suspenda a proibição para os cidadãos iranianos, em vigor durante três meses segundo o decreto assinado por Donald Trump nesta sexta-feira (27/01).

A República Islâmica do Irã, para defender os direitos de seus cidadãos e até que se solucionem todas as limitações insultantes dos Estados Unidos contra os iranianos, aplicará o princípio de reciprocidade“, informou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.

Trump assinou uma ordem para proibir temporariamente a entrada nos EUA de cidadãos de sete países de maioria muçulmana (Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Irã e Iêmen) para impedir a possível chegada de supostos terroristas dessas nações.

O governo iraniano classificou a decisão de Trump como “insulto flagrante aos muçulmanos do mundo” e considerou que isso fomenta “a propagação da violência e do extremismo“. “Apesar da falsa reivindicação de lutar contra o terrorismo e garantir a segurança do povo norte-americano, este movimento será registrado na história como um grande presente para os extremistas e seus apoiadores“, ressalta o texto.

O presidente iraniano, Hassan Rohani, já havia criticado anteriormente as últimas decisões de Trump, mas não se referiu diretamente a esta medida nem citou o líder norte-americano. Rohani mencionou que esta é uma época de “reconciliação e coexistência, e não de erguer muros entre países“, em referência ao polêmico muro que Trump insiste em construir na fronteira entre EUA e México.

A expectativa era que as relações entre Teerã e Washington piorassem com a eleição de Trump, que se mostrou contrário ao acordo nuclear assinado entre o Irã e seis países (China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha) em julho de 2015.

Iraniano indicado ao Oscar não comparecerá à cerimônia

O cineasta iraniano Asghar Farhadi, indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro por “O Apartamento“, não poderá comparecer à cerimônia de premiação como consequência da ordem sobre imigração aprovada pelo presidente norte-americano, Donald Trump.

A informação foi confirmada neste sábado pelo Twitter de Trita Farsi, presidente do Conselho Nacional Iraniano Americano, organização que promove as relações entre os dois países.

Em princípio, todos os iranianos, salvo aqueles com passaportes diplomáticos, estão temporariamente proibidos de entrar nos EUA por conta da decisão de Trump.

Farhadi, que em 2012 ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro por “A Separação“, está novamente indicado à categoria por “O Apartamento“. A protagonista do filme, Taraneh Alidoosti, já havia anunciado ao longo da semana que não compareceria à cerimônia como protesto contra as medidas de Trump.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários