Delmar Bertuol
Colaborador(a)
Política 23/Jan/2017 às 14:26 COMENTÁRIOS

Os equivocados

equivocados político democracia participação popular
Presidentes da Câmara dos Deputados, da República e do Senado Federal (reprodução)

Delmar Bertuol*, Pragmatismo Político

O Governo do ex-Estado do Rio Grande do Sul quer alterar a lei que prevê que a população seja consultada antes de privatizar algumas estatais. As propostas desse mesmo governo devem passar pelo crivo da Assembleia Legislativa, cujos dois últimos presidentes são da base governista e implementaram uma até então inédita medida, proibiram ou restringiram a presença da população na sede do legislativo justamente nos debates mais polêmicos. No Rio Grande do Sul, ao que parece, o povo não pode ser ouvido na Casa do Povo.

Já o Presidente Fora Temer está propondo uma reforma no Ensino Médio por meio de medida provisória. Aliás, ele está propondo uma série de destruições – que recebem o eufêmico de reformas – que não passaram pelo crivo das urnas, pela discussão na sociedade.

E o Presidente da Câmara dos Deputados, que não pode concorrer à reeleição, mas quer, por entender que ele, e somente ele, pode dar prosseguimento à agenda perversa do governo golpista, defende que as destruições das leis trabalhistas sejam votadas em regime de urgência.

Essa negação da oitiva dos diversos setores da sociedade não é uma invenção dos nossos políticos. Pelo contrário. Ela é um reflexo do status quo que essa mesma sociedade, que não tem voz nas decisões mais importantes de sua vida, reproduz diariamente.

Leia aqui todos os textos de Delmar Bertuol

Somos maniqueístas. Julgamos que apenas o nosso pensamento é o correto. Desde que votamos – embora nem sempre nosso voto seja respeitado -, acusamos os brasileiros – à exceção de nós, é claro – de não saberem votar. Evidente. Pois dos mais de quinhentos deputados da Câmara – a maioria formada por homens velhos brancos e ricos -, votamos apenas em um, que não necessariamente se elege. Aliás, dado a quantidade de candidatos aos poderes legislativos de todas as esferas, é mais provável que nosso candidato não vença. Questão de probabilidade matemática.

E na nossa dicotomia petralha (e suas variantes) X coxinhas (e suas variantes), também não há espaço sequer pra análise do argumento em contrário. Não raro, surge a acusação – oriunda de ambos os lados – de fascismo do seu divergente. Essa acusação, grave, tem o objetivo não de atacar o argumento, mas o argumentador, na medida em que anula toda e qualquer ideia sua, uma vez que as ideias fascistas não podem ser consideradas.

Ressalte-se que as pessoas não fazem isso, em regra, por má-fé. Elas realmente creem, o que é legítimo, que somente os seus pensamentos estão corretos. O que também é muito lógico, pois seria estupidez defender algo que não se tenha convicção de que é certo. Mas pra formarmos nossas concepções, ideias e certezas há que também se ouvir o contrário. Salvo pensamentos fundamentalistas e radicais, o lado antagônico também pode ter coerências que nos ajudam a (re)construir nossos conceitos.

Os políticos, sejam legisladores ou chefes de estado, têm de compreender que, embora eles tenham certeza de que não, podem estar equivocados em seus posicionamentos.

A democracia pressupõe que todos os equivocados sejam ouvidos.

Leia também:
Brasil entre a inércia, o radicalismo e a transformação
Já vivemos num Estado de Exceção e já estamos num regime fascista
“Democracia no Brasil está indo para o ralo”, diz professor de Direito Constitucional
Que democracia é essa?
Participação Social: Nenhum passo atrás!
Mas, o que é um conselho municipal?

*Delmar Bertuol é escritor, professor de história, membro da Academia Montenegrina de Letras e colaborou para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários