Redação Pragmatismo
Política 01/Dec/2016 às 16:03 COMENTÁRIOS

O que se sabe até agora sobre o trágico voo da Chapecoense

Por que o avião da Chapecoense caiu na Colômbia? O que aconteceu antes da queda? O que dizem os sobreviventes? Confira as informações atualizadas sobre o que se sabe e o que não está confirmado sobre a tragédia que chocou o mundo

Voo da Chapecoense avião tragédia
Última foto do elenco da Chapecoense antes de embarcar no trágico voo da LaMia

O avião que transportava a delegação da Chapecoense e jornalistas brasileiros para Medellín, na Colômbia, caiu na madrugada da última terça-feira (29) e matou 71 pessoas A tragédia chocou o mundo. O time disputaria uma das partidas da final da Copa Sul-Americana.

Apenas seis pessoas sobreviveram. O zagueiro Neto, último a ser resgatado e que chegou em estado crítico ao hospital. O goleiro Follman, o lateral Alan Ruschel, o jornalista Rafael Henzel e os comissários de bordo Erwin Tumiri e Ximena Suarez.

Sobre o zagueiro Neto, o policial que o salvou contou em entrevista, emocionado, que pretende visitá-lo: “Foi guerreiro. Lutou durante 10 horas por sua vida quando todos davam como perdido”.

O goleiro titular Danilo havia sido resgatado com vida, mas morreu no hospital.

Mas, afinal, o que provocou o acidente?

A hipótese mais forte até agora é a de que ocorreu uma pane seca, ou seja, falta de combustível. A pane seca pode ser causada por vários fatores. Entre eles, vazamento de combustível durante o voo, erro de cálculo da quantidade necessária para cumprir a viagem, erro de análise do desempenho de consumo do motor e até combustível de má qualidade. Desde a última terça (29), porém, a hipótese mais provável é a de que o avião não tinha capacidade de transportar a quantidade de combustível necessária para cumprir a viagem.

Por que a pane seca é a principal hipótese?

Um áudio divulgado por uma rádio colombiana mostra uma conversa entre a torre de controle de Medellín e o piloto da LaMia. Nela, o piloto relata falta de combustível. Depois de alguns segundos, a torre não consegue mais contato com o avião. Além disso, a distância entre Santa Cruz de La Sierra (Bolívia) e Medellín (Colômbia), de 2.985 km, é maior do que a distância que a aeronave era capaz de voar (cerca de 2.965 km), segundo o próprio site da LaMia, portanto não sobraria combustível para possíveis imprevistos.

Em entrevista, um Copiloto de uma aeronave da Avianca que voava próximo ao voo da LaMia confirmou a versão da pane seca (veja aqui)

O tráfego aéreo contribuiu para o acidente?

Um avião da companhia aérea VivaColômbia declarou emergência por vazamento de combustível e pousou antes do voo da LaMia. A aeronave da Chapecoense precisou voar em círculos por alguns minutos até ser autorizada para pousar no aeroporto de Medellín. No entanto, de acordo com a legislação de combustível para voos na região, a aeronave teria que ter o suficiente para chegar até um aeroporto auxiliar mais próximo de seu destino e sobrevoar 45 minutos sobre este segundo aeroporto.

Se não tivesse voado em círculos, a aeronave chegaria ao aeroporto?

Talvez. O avião demoraria em torno de 4 minutos e 30 segundos a 5 minutos e 30 segundos para chegar até a pista se voasse em linha reta (isso a partir do momento em que parou de voar em círculos). O combustível durou pelo menos 14 minutos até a queda, a partir desse mesmo ponto, enquanto ele voava em círculos aguardando liberação da pista.

O avião que caiu já havia realizado uma viagem tão longa?

No último mês, a aeronave fez ao menos duas viagens com distâncias parecidas à do dia da queda. A mais longa ocorreu justamente na mesma rota do acidente, mas no caminho contrário. No dia 29 de outubro, o avião havia saído de Medellín com destino a Santa Cruz de La Sierra, em um voo que durou 4 horas e 32 minutos –no dia do acidente, o voo durou 4 horas e 42 minutos.

Se o avião tinha pouco combustível, porque não foi feita uma escala?

Segundo um diretor da companhia LaMia, o plano de voo previa uma parada para reabastecimento, mas ela não foi feita porque a tripulação assumiu que chegaria ao destino sem risco.

Estava chovendo forte no momento do acidente?

As informações sobre o tempo na região na noite de segunda (28) mostram que havia chuva fraca na hora da queda. Nuvens de tempestades, comuns nesta época do ano em Medellín, não foram atravessadas pelo avião.

Por que a Anac vetou o fretamento do voo que levaria a Chapecoense para Medellín saindo do Brasil?
A equipe da Chapecoense embarcaria nesta segunda-feira (28) em um voo fretado partindo do aeroporto de Guarulhos. No entanto, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vetou o fretamento, e o planejamento foi alterado, segundo o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon.

“Por causa desse impasse, esse avião acabou esperando lá em Santa Cruz [de la Sierra]. A equipe brasileira embarcou aqui [em São Paulo] por volta de 16h, atrasado, em um voo regular da Boa, uma empresa boliviana regular, chegando lá em Santa Cruz, eles fizeram o traslado para [esse voo]”.

Em nota, a Anac confirmou que foi solicitado voo da empresa boliviana LaMia Corporation para transporte do time de futebol Chapecoense para a Colômbia, e que o pedido foi negado com base no Código Brasileiro de Aeronáutica e na Convenção de Chicago, que trata dos acordos de serviços aéreos entre os países.

“O acordo com a Bolívia, no caso, não prevê operações tais como a solicitada. O solicitante foi avisado, na negativa, que a operação só poderia ser realizada por empresa brasileira ou colombiana, nos termos dos acordos internacionais em vigor. A Anac se solidariza com os familiares.”

O que dizem os sobreviventes?

O boliviano Erwin Tumiri, que fazia parte da tripulação, afirmou que não morreu porque seguiu um protocolo de segurança recomendado para desastres aéreos.

De acordo com Erwin, ele permaneceu em posição fetal com uma mala entre as pernas, o que amenizou o impacto da queda.

“Sobrevivi porque segui todos os protocolos de segurança” disse o comissário de bordo. “Com a situação de pânico, muitos se levantaram dos assentos e começaram a gritar. Coloquei uma mala entre as pernas e fiquei na posição fetal, recomendada para acidentes” completou Erwin, em entrevista ao jornal boliviano La Razón.

A comissária boliviana Ximena Suárez, que também sobreviveu, revelou até agora menos detalhes sobre o acidente.

“O pouco que ela falou foi que as luzes começaram a se apagar repentinamente e que 40 ou 50 segundos depois sentiu a pancada. Ela se lembra até aí”, disse o governador de Antioquia, que conversou com Ximena.

O que diz a controladora de voo?

A controladora de voo colombiana Yaneth Molina, responsável pela comunicação com o avião da Chapecoense acidentado nos arredores de Medellín, escreveu uma mensagem a seus colegas dizendo ter feito tudo o que era “humanamente possível” para salvar a aeronave.

A aproximação do jato da Lamia que levava o time catarinense ao aeroporto José María Córdova coincidiu com a chegada de outros três aviões, inclusive um da VivaColombia que havia pedido prioridade no pouso por causa de um possível problema de combustível.

“Companheiros, por minha família e por esse trabalho que valorizo e respeito, posso afirmar com absoluta certeza que, de minha parte, fiz o humanamente possível e o tecnicamente obrigatório para conservar a vida desses passageiros. Lamentavelmente, meus esforços resultaram infrutíferos”, escreveu a controladora, segundo mensagem divulgada pela rádio Caracol .

De acordo com Molina, ela teve de levar em conta não apenas a aeronave da Lamia, mas todas as outras que chegavam a Medellín no mesmo instante. “A vida me colocou nessa pouco agradável posição de ter de me defrontar com uma situação como a do dia 28 passado, e reitero a vocês que manifestaram seu apoio que tudo o que fiz teve como objetivo preservar a integridade dos ocupantes dessas duas aeronaves”.

com agências

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários