Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 04/Nov/2016 às 17:22 COMENTÁRIOS

O desabafo de Drauzio Varella sobre o estupro na USP

"Esses meninos cresceram com a sensação de impunidade". Ao saber que o estudante Daniel Tarciso da Silva Cardoso vai se formar em medicina na USP mesmo após suspensão por dopar e estuprar três alunas da faculdade, o médico Drauzio Varella, ex-aluno da universidade, divulgou um desabafo

Drauzio Varella estupro na USP
O médico Drauzio Varella

Após cumprir um ano e meio de suspensão por ser acusado pelo Ministério Público de dopar e estuprar estudantes, o aluno da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) Daniel Tarciso da Silva Cardoso, vai se formar.

Cardoso já cumpriu todos os créditos exigidos na graduação, mas estava suspenso desde 2014. Ele foi o único aluno que sofreu punição da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Trotes. A CPI, que durou de dezembro de 2014 a março de 2015, apurou casos de violações de direitos humanos em instituições de ensino paulistas.

Agora, que já cumpriu sua suspensão, o aluno poderá colar grau.

Cardoso é acusado de ter estuprado, ao menos, três estudantes, de acordo com o UOL. Um destes casos virou processo, que tramita em segredo na Justiça de São Paulo.

Uma estudante de enfermagem conta que, depois de tomar um drinque oferecido por Cardoso, perdeu os sentidos e foi levada por ele até a Casa do Estudante, um alojamento onde ficam os alunos onde foi estuprada. A estudante teria acordado com Cardoso em cima dela e, em depoimento, disse que gritou muito e tentou escapar, mas não conseguia, porque ele aplicou golpes de judô.

Além das acusações, o estudante de medicina já matou a tiros um homem durante o Carnaval em 2004. Cardoso, que foi policial militar entre 2004 e 2006, alegou que a briga teria começado porque a vítima se insinuou para ele.

Como o crime foi praticado quando estava em horário de folga, o ex-pm acabou processado pela Justiça comum. Ele foi condenado a um ano de reclusão. Houve recurso e o Tribunal de Justiça decidiu extinguir a pena, em agosto de 2012. Em 2008, ele pediu exoneração da PM.

Drauzio Varella

A notícia de que Daniel Tarciso da Silva Cardoso está livre e vai se formar em Medicina deixou muita gente inconformada, inclusive um ilustre ex-aluno da FMUSP, Drauzio Varella.

Em um vídeo compartilhado em seu Facebook [ver abaixo] na quarta-feira (2), Varella demonstrou indignação diante da atitude do jovem e da decisão da faculdade. Para ele, o caso é “exemplo” de vergonha e impunidade.

Quando acontecem esses casos de estupro, todo mundo acha que a mulher tem uma parcela de culpa, principalmente se ela bebeu. Eu fico chocado com esse tipo de interpretação. Eu já bebi e muitas vezes eu passei do ponto, mas eu nunca fui estuprado. E eu não conheço nenhum homem que tenha sido nesse tipo de situação. Estupro é crime. Esse caso da Faculdade de Medicina é exemplar. Eu acho que essa situação é muito simples. Eu fico muito envergonhado disso acontecer na faculdade em que eu aprendi a ser médico. As pessoas ficam chocadas sabe por quê? Porque nós médicos temos acesso aos corpos dos pacientes. E as pessoas têm que ter confiança de que nós vamos respeitá-las, independentemente do fato de elas estarem bêbadas, drogadas ou anestesiadas. Isso não pode acontecer com médicos de forma nenhuma, especialmente com alunos que cursaram as melhores escolas do país. Esses meninos que fazem essas coisas têm a exata sensação da impunidade.” — Drauzio Varella

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários