Redação Pragmatismo
Mundo 26/Oct/2016 às 17:08 COMENTÁRIOS

Apenas 2 países do mundo se abstiveram em votação da ONU contra embargo a Cuba

Um dos países a se abster foi os EUA, mas houve um avanço considerável. É a primeira vez em 25 anos que a diplomacia dos Estados Unidos se absteve de votar sobre uma resolução da ONU que pede o fim do embargo a Cuba. Em todas as outras, o voto foi contrário

Barack Obama embargo a cuba castro
Barack Obama e Raul Castro

Pela primeira vez em 25 anos, a diplomacia dos Estados Unidos se absteve de votar sobre uma resolução da ONU que pede o fim do embargo norte-americano a Cuba.

A Assembleia Geral da ONU aprovou nesta quarta-feira (26) a resolução. Esta foi a 25ª vez que a resolução apresentada por Cuba foi aprovada, mas agora a mesma teve o voto favorável de 191 dos 193 países que a integram. Israel também se absteve de votar.

A decisão norte-americana de mudar seu voto segue uma série de medidas do governo do presidente Barack Obama para restaurar totalmente as relações diplomáticas do país com Cuba. Ele já falou publicamente contra o embargo, que é mantido pelo Congresso de maioria republicana.

Durante décadas, a ONU condenou todos os anos o embargo a Cuba, com o voto contrário de Washington.

Em 2015, apenas duas das 193 nações da Assembleia Geral votaram pela continuidade da medida: EUA e Israel. Nunca mais do que três países, incluindo o próprio EUA, se colocaram a favor do bloqueio durante a votação.

Neste ano, a embaixadora norte-americana no órgão, Samantha Powers, disse que os EUA iriam se abster porque “a política de isolamento não funciona”.

“A política americana de isolamento a Cuba não funcionou (…) Ao invés de isolar Cuba (…), nossa política isolou os Estados Unidos, inclusive aqui, na ONU”, disse.

Cuba ainda não se manifestou com relação à abstenção dos EUA, mas Powers recebeu fortes aplausos após declarar a posição de seu país.

ONU e embargo a Cuba

A Assembleia Geral da ONU se pronuncia anualmente desde 1992 sobre uma resolução que denuncia o bloqueio econômico à ilha e até agora os Estados Unidos sempre votaram contra o texto, algumas vezes seguidos por Israel.

Os Estados Unidos restabeleceram relações diplomáticas com Cuba em julho do ano passado e Obama fez uma visita histórica à ilha comunista em março deste ano.

A decisão final sobre um restabelecimento completo dos laços financeiros e comerciais entre Washington e Havana depende da aprovação do Congresso americano. Para remover o bloqueio de fato, o Congresso, de maioria republicana, precisa aprovar a medida.

com agências internacionais

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários