Redação Pragmatismo
Saúde 26/Nov/2013 às 19:01 COMENTÁRIOS
Saúde

Pacientes do Mais Médicos não conseguem remédios em Farmácia Popular

Publicado em 26 Nov, 2013 às 19h01

Pacientes sofrem sem conseguir medicamentos gratuitos fornecidos pelo programa "Farmácia Popular" na grande Belo Horizonte. Isto porque as drogarias não estão aceitando as receitas expedidas por médicos cubanos

Programa criado para atender às pessoas que vivem em regiões carentes de atendimento médicos, sobretudo no interior dos estados, o Mais Médicos continua sendo boicotado. Os pacientes dos postos de saúde de Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte, estão com dificuldades para conseguir medicamentos gratuitos fornecidos pelo programa federal “Farmácia Popular”. Isso porque as drogarias do município, que conta com cinco médicos cubanos, não estão aceitando as receitas expedidas por profissionais estrangeiros.

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”4″ posicao=”direita”]

As farmácias justificam o boicote com a falta de número de registro do médico junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM) no carimbo batido na receita. A Prefeitura de Santa Luzia não soube informar quando pessoas já foram prejudicadas, mas disse que já contatou o ministério da Saúde e as farmácias da cidade com o objetivo de resolver o problema. Segundo informações do jornal Hoje Em Dia, as drogarias já receberam um comunidade orientado os estabelecimentos a aceitarem as receitas.

Já o Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF-MG) informou, através de nota, que já entrou em contato com o ministério da Saúde, manifestou sua posição favorável à conduta dos farmacêuticos. De acordo com o órgão, o farmacêutico é obrigado, por lei, “a somente aceitar receitas que tenham a identificação do nome do médico e o seu respectivo número de inscrição no CRM”.

O ministério garantiu que todos os profissionais do programa Mais Médicos com registro emitido pela pasta estão devidamente cadastrados no sistema de vendas do “Farmácia Popular”. “Eventuais dificuldades para inserção do registro são problemas pontuais, que devem ser comunicados ao ministério pelo telefone 136”, diz o texto.

Brasil 247

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendações

COMENTÁRIOS