Redação Pragmatismo
Mundo 21/Nov/2013 às 21:32 COMENTÁRIOS

Brasileira do Greenpeace presa na Rússia é libertada

Brasileira presa após protesto do Greenpeace é libertada na Rússia. Fiança de 2 milhões de rublos (R$ 138 mil) foi paga; Ana Paula Maciel é a primeira ativista do "Arctic Sunrise" a sair da prisão

brasileira greenpeace rússia
Ana Paula Maciel deixou prisão russa (EFE)

A brasileira Ana Paula Maciel, presa na Rússia após participar de um protesto do Greenpeace no Ártico, foi libertada nesta quarta-feira (20/11), anunciou a organização por meio do Twitter. Na terça (19/11), ela havia ganhado o direito a soltura mediante fiança.

O valor pago foi de 2 milhões de rublos (R$ 138 mil). Outros 20 manifestantes também conseguiram direito à fiança.

“A libertaram há 20 minutos. Ela me disse que está muito feliz”, disse à Agência Efe a porta-voz do Greenpeace na cidade russa, Tatiana Vasilieva. Ana Paula precisará, no entanto, ficar no país até o final do processo.

A embaixada brasileira em Moscou assinou uma carta garantindo que a ativista não deixará o território russo.
Os tripulantes da embarcação “Arctic Sunrise”, usado no protesto, são acusados de vandalismo por tentar invadir uma plataforma flutuante do consórcio russo Gazprom.

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”2″ posicao=”direita”]

Eles vêm da Rússia, EUA, Argentina, Reino Unido, Canadá, Itália, Ucrânia, Nova Zelândia, Holanda, Dinamarca, Austrália, Brasil, República Tcheca, Polônia, Turquia, Finlândia, Suécia e França.

Mais cedo, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo – em viagem oficial à Rússia – afirmou que estava “muito feliz” com a possibilidade da libertação de Ana Paula.

“Fico satisfeito que a situação tenha se desenvolvido assim, que ela possa responder perante a justiça russa em liberdade”, acrescentou o ministro, em entrevista coletiva em Moscou com seu colega russo, Sergei Lavrov.

Agência Efe e Opera Mundi

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 22/Nov/2013 às 11:33

    A imprensa brasileira se sensibiliza com as pessoas de olhos claros e sardinhas no rosto. E os brasileiros (as) presos (as) na Espanha, Turquia, EUA, vítimas de tráfico humano? Alguém se interessou em saber como estão?