Redação Pragmatismo
Racismo não 31/Out/2013 às 13:21 COMENTÁRIOS
Racismo não

"O Brasil é o único país em que o racismo deu certo"

Publicado em 31 Out, 2013 às 13h21

"O Brasil é o único país em que o racismo deu certo. Aqui parece existir um pacto: o negro finge que não é discriminado e o branco finge que não discrimina, por esse motivo ambos vivem bem"

racismo brasil maurício pestana
Maurício Pestana (Reprodução)

A noite da última terça-feira, reservada para o curso de Publicidade e Propaganda na IV Semana de Comunicação da FAPSP (SECOM FAPSP 2013), trouxe o cartunista, publicitário e diretor-executivo da Revista Raça, Maurício Pestana, que palestrou sobre o tema “A Presença do Negro na Publicidade”.

O publicitário começou sua palestra mostrando um vídeo que trata sobre os estereótipos da população negra, que são projetados pela mídia. “O negro sempre aparece como empregado, pobre, ladrão e nunca em altos cargos”, ressaltou.

Com indignação e sarcasmo, Pestana questionou o fato de não existirem negros nos filmes brasileiros ou nas novelas. Exemplificou a questão citando o longa “Central do Brasil”: “Como um filme brasileiro, feito no Nordeste, não tem personagens negros?”

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”5″ posicao=”direita”]

O palestrante falou sobre o início de sua carreira como cartunista e sobre a ideia de trabalhar com um estilo de cartum mais politizado.

“Um amigo meu disse que não existiam cartunistas negros e que se eu fizesse cartum de negros seria diferente, daria certo”, revelou.

Deu tão certo que Pestana é cartunista há mais de 30 anos. Ele declarou que o negro sempre foi mais vítima da desigualdade social que o branco e que, apesar disso, hoje existem mais negros em universidades do que no século passado.

“O Brasil é o único país em que o racismo deu certo. Aqui parece existir um pacto: o negro finge que não é discriminado e o branco finge que não discrimina, por esse motivo ambos vivem bem”, argumentou o cartunista.

Os alunos participaram ativamente do debate, levantando questões sociais e abordando temas polêmicos, como as cotas nas universidades, as quais, aliás, são defendidas por Pestana.

Sobre a cultura negra, o publicitário declarou que o fato de existir a vontade de implantar a história do negro na educação já é um avanço. “As pessoas não têm acesso às coisas boas que os negros fizeram no Brasil. É preciso mudar isso”, disse.

Para finalizar a palestra, Maurício Pestana escolheu uma frase da jornalista Miriam Leitão: “O Brasil não será um país de primeiro mundo enquanto não resolver o problema da desigualdade social”.

Por Milene Morgado, aluna do 6º semestre de Jornalismo (período noturno) da FAPSP / Geledés

Recomendações

COMENTÁRIOS