Redação Pragmatismo
Economia 22/Out/2013 às 16:06 COMENTÁRIOS
Economia

FHC leiloou Libra por R$ 250 mil

Publicado em 22 Out, 2013 às 16h06

Área onde está o poço de Libra já havia sido leiloada no passado pelo preço de um apartamento de três quartos, quando a Agência Nacional do Petróleo era comandada por David Zylbertajn, genro do ex-presidente FHC

leilão libra fhc 250 mil
Ex-presidente FHC leiloou campo de Libra por apenas R$ 250 mil. (Reprodução / Tijolaço)

Uma postagem de Fernando Brito, do sítio Tijolaço, revela que a área onde se encontra o poço de Libra já havia sido leiloada no governo FHC. O bônus de assinatura exigido pela ANP teria sido de apenas R$ 250 mil – ontem, foi de R$ 15 bilhões. Leia abaixo.

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”6″ posicao=”direita”]

O Genro de FHC e Adriano Pires pediram só R$ 250 mil por Libra? E ainda abrem a boca para dar palpite?

Fernando Brito, do Tijolaço

Um amigo liga e me diz que não pode ser verdade a informação que dei no post anterior de que parte da área onde está o campo de Libra já tinha sido leiloada – e depois devolvida – como diz hoje a Agência Reuters tivesse sido oferecida por apenas R$ 250 mil no Governo Fernando Henrique.

É verdade.

Não posso garantir a informação da Reuters, é claro, mas se é correto que o Bloco Marítimo 4 da Bacia de Santos – e pelos mapas de localização é – tinha parte sobreposta à atual área de Libra, foi, sim.

E aqui está a prova, no edital da ANP, que reproduzo na imagem acima.

A ANP, na ocasião, era chefiada por David Zylbersztajn, genro de Fernando Henrique Cardoso e tinha em sua cúpula o senhor Adriano Pires, hoje o mandatário das Organizações Globo e do Instituto Milenium para assuntos de petróleo.

Já que a nossa mídia está ouvindo os dois deitarem falação – negativa – sobre o leilão de Libra, porque é que não lhes pergunta sobre a venda, a preço de banana, de parte de sua área?

Em tempo, era tão barato que, mesmo com esse preço, a Agip arrematou a área por R$ 134 milhões, ágio de 53.564%!

Viva a imprensa brasileira!

Recomendações

COMENTÁRIOS