Redação Pragmatismo
Saúde 03/Set/2013 às 11:49 COMENTÁRIOS
Saúde

"Médicos só vão a hospital se houver avião"

Publicado em 03 Set, 2013 às 11h49

Médico que liderou o lamentável protesto contra a chegada de cubanos tenta justificar ausência de médicos em cidade do interior: "O médico impõe condições, a estrada até lá é horrível. Sem avião, o pessoal não vai"

médicos cubanos ceará
José Maria Pontes, o médico que liderou o lamentável protesto contra a chegada de cubanos do Programa Mais Médicos (Foto: O Povo)

O hospital regional de Sobral, que custou R$ 227 milhões ao governo do Ceará e foi inaugurado com um show de R$ 650 mil de Ivete Sangalo, precisa ‘importar’ médicos de Fortaleza para funcionar.

O governo Cid Gomes (PSB) não conseguiu contratar profissionais que morem na cidade, terceira maior do Ceará, e desde então paga táxi aéreo para médicos atenderem no local.

Aviões saem de Fortaleza até quatro dias por semana levando médicos para Sobral, (a 232 km de distância).

Segundo a Folha, a administração diz que o custo dos voos gira em torno de R$ 3 mil semanais para dois médicos por dia, três a quatro vezes por semana.

“O médico impõe condições, a estrada até lá é horrível. Sem avião, o pessoal não vai”, disse o presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará, José Maria Pontes.

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”2″ posicao=”direita”]

Pontes foi o responsável pelo protesto contra médicos cubanos do Programa Mais Médicos, ocorrido na última terça-feira (27) em Fortaleza e que envergonhou o país (Veja aqui).

“A vaia, na verdade, foi para aquelas pessoas que tiveram a ideia absurda de trazer esses médicos para cá, inclusive com trabalho escravo sem nenhum compromisso a não ser com o compromisso ideológico do Partido dos Trabalhadores”, disse ele sobre o episódio.

Recomendações

COMENTÁRIOS