Redação Pragmatismo
Saúde 25/Set/2013 às 09:22 COMENTÁRIOS
Saúde

Cubano símbolo do Mais Médicos cuidará de indígenas

Publicado em 25 Set, 2013 às 09h22

Alvo de uma agressão que chocou o Brasil e o mundo, médico cubano Juan Delgado está feliz com o destino reservado para ele no Mais Médicos e diz que esqueceu o fato de ter sido chamado de 'escravo'. "Em Cuba, a escravidão acabou em 1868. Tenho mulher, filha, um contrato de três anos e depois vou retornar ao meu país, onde já há trabalho me esperando"

médico cubano juan delgado
O cubano Juan Delgado, que foi hostilizado quando chegou ao Ceará, está feliz com o destino reservado para ele no programa Mais Médicos; será um dos sete médicos que irão trabalhar em distritos indígenas do Maranhão (Imagem: capa Folha de S.Paulo)

Alvo de uma agressão que chocou o Brasil e o mundo, o médico Juan Delgado, que foi hostilizado e chamado de “escravo” por doutores brasileiros quando desembarcou em Fortaleza, no Ceará, já se sente adaptado à realidade brasileira e está feliz com o destino reservado a ele pelo programa Mais Médicos.

Leia mais:
Cubano xingado por médicas brasileiras comenta episódio

Delgado será um dos sete médicos estrangeiros que atenderão povos indígenas no Maranhão. Antes, ele passará por um treinamento na capital São Luís, onde tomará conhecimento da cultura local. Seu primeiro local de trabalho será o polo Base de Saúde Indígena de Zé Doca, a 316 quilômetros da capital maranhense.

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”3″ posicao=”direita”]

Entrevistado no último pelo jornal O Globo, Delgado afirmou que não guarda mágoa por ter sido chamado de escravo e fez questão de enfatizar que se sente um homem livre. “A escravidão em Cuba acabou em 1868. Viemos ao Brasil por livre vontade e para ajudarmos a combater a mortalidade infantil e materna”, disse.

Ele afirmou também que não há o menor risco de deserção entre os médicos cubanos. “Tenho mulher, filha, um contrato de três anos e, depois disso, pretendo retornar a Cuba, onde há trabalho me esperando.”

Delgado, no entanto, ainda terá de vencer um obstáculo antes de começar, efetivamente, a trabalhar. O Conselho Regional de Medicina entrou na Justiça para não conceder registro provisório aos 37 estrangeiros que, na primeira fase do Mais Médicos, atuarão no estado.

Brasil 247

Recomendações

COMENTÁRIOS