Pragmatismo Político (P)
Religião 22/Nov/2012 às 18:13 COMENTÁRIOS
Religião

Deputado evangélico quer obrigar Deus nas cédulas do Real

Pragmatismo Político (P) Pragmatismo Político (P)
Publicado em 22 Nov, 2012 às 18h13

Procurador Jefferson Dias, que é católico praticante e autor da ação para remover a frase da cédula do real, rebate o deputado-pastor afirmando que em nenhum trecho da Bíblia Jesus deu a entender que o seu nome ou de Deus devesse constar no dinheiro

O deputado Francisco Eurico da Silva (PSB-PE), conhecido como Pastor Eurico (foto), apresentou à Câmara Federal um projeto de lei que, se aprovado, tornará a expressão “Deus seja louvado” obrigatória nas cédulas do real.

deputado pastor eurico psb pernambuco

Deputado pastor Eurico (PSB-PE) nega que a Constituição seja laica.

Trata-se de uma reação do deputado contra a decisão do MPF (Ministério Público Federal) em São Paulo de pedir à Justiça para que a expressão seja suprimida das cédulas em obediência à laicidade do Estado brasileiro.

A inclusão da frase no dinheiro não tem respaldo legal, porque decorreu de uma decisão de José Sarney, quando foi presidente da República, e, por isso, como quer o MPF, poderá ser anulada pela Justiça. Para descartar essa possibilidade, o Pastor Eurico elaborou o projeto de lei para confirmar e garantir a permanência da frase no dinheiro.

No entendimento do evangélico, “é mentira” que a Constituição seja laica, porque foi promulgada “sob a proteção de Deus”, conforme destaca o seu preâmbulo.

Leia também

Para ele, o preâmbulo do texto constitucional tem valor jurídico porque serve como embasamento para a compreensão de tudo que ali está expresso. “Desta forma, todo o texto está vinculado e amarrado aos conjuntos formuladores que se encontra no preâmbulo da Constituição Federal”, disse.

O deputado afirmou que o artigo 19 da Constituição proíbe que governos mantenham aliança ou dependência em relação às religiões, mas, segundo a interpretação dele, isso não ocorre com a referência a Deus nas cédulas do dinheiro. ”É apenas uma forma de expressar o sentimento que o povo brasileiro tem em relação a Deus, sem tornar o Estado submisso a isso.”

Em recente entrevista, o procurador Jefferson Aparecido Dias, que é católico praticante e autor da ação do MPF, afirmou que em nenhum trecho da Bíblia Jesus deu a entender que o seu nome ou de Deus devesse constar no dinheiro. O que Jesus disse, acrescentou o procurador, foi “A César o que é de César”.

O jornalista Hélio Schwartsman, da Folha de S.Paulo, escreveu que os religiosos deveriam ser os primeiros a pedir a exclusão de “Deus” de “algo tão profano e mal-afamado como o dinheiro”.

Paulopes e Diário de Pernambuco

Recomendações

COMENTÁRIOS