Redação Pragmatismo
Corrupção 12/Dec/2016 às 13:37
0
Comentários

O que é mais podre: o executivo, o legislativo, o judiciário ou a mídia?

Entre um Executivo sem voto na urna, usurpador e corrupto, um Legislativo vendido e presidido por um réu, um Judiciário dominado por marajás que ora abusam da autoridade ora se acovardam e uma mídia parceira de todos nos crimes que cometem, qual é o poder mais execrável?

executivo mídia legislativo judiciário podre corrupção
Renan Calheiros acena para as câmeras da mídia no Senado (reprodução)

Leonardo Mendes, DCM

Entre um Executivo golpista, usurpador, vendido e corrupto, um Legislativo presidido por um réu e um Judiciário dominado por marajás que ora abusam da autoridade ora se acovardam – dependendo de quem seja o acusado – a mídia é o pior dos poderes no Brasil.

Executivo, Legislativo e Judiciário só são capazes de cometer seus atentados contra a população e a Constituição impunemente porque a mídia atua como parceira desses crimes.

Se a mídia de fato informasse a população, jamais teríamos eleito esse Congresso, que como prova incontestável de sua condição de miséria elegeu Renan Calheiros e Eduardo Cunha presidentes da casa.

Jamais teríamos permitido que a horda reunida em torno de Temer fosse bem-sucedida na derrubada de uma presidenta eleita e honesta.

Se a mídia de fato informasse a população, Sérgio Moro seria visto como um juiz de primeira instância, abusador de superpoderes que não tem, apaixonado por si mesmo e pela mídia que lhe corresponde.

O Judiciário como um todo, com suas togas ridículas, datas vênias, salários acima do teto e auxílios pornográficos, já estaria completamente desmoralizado há tempos, caso a mídia cumprisse com o seu papel.

Talvez, apesar da mídia, já esteja, e só assim para um réu receber uma ordem judicial, recusar-se a cumpri-la e no dia seguinte estar absolvido.

Não sem antes é claro levar um puxão de orelhas, como disse a jornalista Eliane Cantanhede na Globo News, em tom maternal, como se o que Renan Calheiros fez fosse uma traquinagem de menino e o STF fosse uma mãe cheia de amor e paciência. Imagino o que ela diria caso os estudantes das escolas ocupadas se recusassem a cumprir uma ordem de reintegração de posse.

São tempos de bufa, pilhéria e chacota. Ou como disse Brecht, de desordem sangrenta, confusão organizada, arbitrariedade consciente e humanidade desumanizada.

Nada deve parecer impossível de mudar. Mas com uma mídia mercenária e calhorda, na mão de herdeiros bilionários a serviço de suas fortunas, é impossível sim.

Leia também:
A guerra de egos por trás do afastamento de Renan Calheiros
O ‘fascismo’, os ‘juizecos’ e a seletividade de Renan Calheiros
O que está por trás do acordo para acabar com a Lava Jato
Salário de juiz no Brasil é um dos mais altos do planeta
As mordomias, os privilégios e o paternalismo de um Judiciário arrogante
Por que escândalos de corrupção envolvendo tucanos não avançam na Justiça?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários