Redação Pragmatismo
Política 22/Nov/2016 às 12:26
0
Comentários

Por que Renato Russo não tolerava Geddel Vieira Lima?

Apelidado de Suíno, ministro Geddel Vieira Lima era desafeto de Renato Russo na escola na década de 1970. Líder da Legião Urbana considerava o colega baiano “insuportável” e se recusava a fazer trabalhos com ele. Na época, conforme biografia de Renato, Geddel já profetizava: “Vou ser político”

Renato Russo tolerava Geddel vieira lima
Renato Russo e Geddel Vieira Lima (Imagem: Pragmatismo Político)

Acusado de pressionar o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero a liberar a construção de um edifício onde tem um imóvel, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), era desafeto do cantor e compositor Renato Russo, líder da banda Legião Urbana. Na adolescência, na década de 1970, os dois foram colegas de escola, no Marista, em Brasília.

A desavença entre os dois é citada no livro Renato Russo: O filho da Revolução, do jornalista Carlos Marcelo. De acordo com o biógrafo, Renato Russo considerava Geddel “in-su-por-tá-vel!”. O colega baiano era apelidado à época de Suíno. Filho do então deputado baiano Aprísio Vieira Lima, o hoje ministro chegava ao colégio dirigindo uma Opala verde e tinha sempre uma piada pronta na língua. Mas, conforme o livro, não era dado aos estudos. E, por isso, foi recusado por Renato Russo, que queria distância dele, inclusive nos trabalhos escolares. “Eu vou ser político”, profetizava o baiano.

Saiba mais:
Ministro de Temer diz que assumir governo sem votos é “gostoso”

Veja o trecho do livro de Carlos Marcelo, atual diretor de redação do Estado de Minas:

Rigoroso na hora de selecionar os colegas de grupo, ele (Renato) convida Maria Inês Serra e mais dois ou três felizardos que se mostraram dispostos a executar a tarefa como ele planejaria. Tinha gostado de trabalhar com Inês em uma pesquisa sobre cantigas de roda – esforço alheio representava fator decisivo para a escolha. Deixa claro (a ponto de despertar antipatia e criar fama de chato) que não carregaria ninguém nas costas. Apesar dos pedidos de colegas como Geddel Quadros Vieira Lima para entrar no seu grupo pela garantia de notas altas na avaliação final. Filho do político baiano Afrísio Vieira Lima, o gordinho Geddel era um dos palhaços da turma. Chegava no colégio dirigindo um Opala verde, o que despertava a atenção das meninas e a inveja dos meninos – que davam o troco chamando-o de “Suíno”. Tinha sempre uma piada na ponta da língua; as matérias, nem sempre.

Eu vou ser político!

O jeitão expansivo garantia popularidade entre os colegas, mas não unanimidade. “Ele é in-su-por-tá-vel!”, justifica Renato para Maria Inês, dividindo as sílabas de forma enfática, ao sentenciar a proibição da entrada de Geddel em seu grupo.

Na corda bamba

Após deixar o Ministério da Cultura, Calero acusou Geddel de lhe pressionar, em cinco ocasiões, a determinar a liberação da construção do luxuoso Edifício La Vue, de 106 metros de altura, na região da Barra, em Salvador. Na vizinhança de área tombada pelo patrimônio histórico, a obra foi embargada a pedido do Ministério Público Federal e do Iphan.

O ministro admite que comprou um apartamento no prédio e que fez o pedido a Calero, mas nega ter feito pressão. Segundo ele, seu objetivo era preservar os empregos gerados com a construção. Ontem o presidente Michel Temer decidiu manter Geddel no cargo, mesmo com a abertura de investigação contra ele na Comissão de Ética da Presidência, que vai apurar a conduta dele.

Leia também:
Após bajulação, artistas pedem que programa “Roda Viva” mude de nome
Michel Temer orienta a maior ofensiva ambiental desde a ditadura militar
Michel Temer volta a oferecer jantar de luxo a parlamentares para aprovar a PEC 55
Como a sua renda e o salário mínimo serão afetados pela política de Michel Temer
Governo Temer quer recuperar concessões de rádio e TV para políticos

Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários