Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 14/Oct/2016 às 12:48
0
Comentários

Por que não devemos comemorar a agressão a Eduardo Cunha

Vídeo que viralizou nas redes sociais mostra Eduardo Cunha levando 'uns tapas' de uma senhora no aeroporto. A revolta é compreensível. Vê-lo humilhado pode dar satisfação a muita gente. Mas não é cabível cruzar essa linha civilizatória. E se aquilo se transforma num linchamento? Ou linchamentos são aceitáveis desde que “do lado certo”?

eduardo cunha agredido aeroporto comemorar
Eduardo Cunha em aeroporto no Rio de Janeiro (reprodução)

Kiko Nogueira, DCM

Não há nada a ser comemorado no fato de alguém ter agredido fisicamente Eduardo Cunha.

Nada.

O vídeo viralizou. O deputado cassado está empurrando seu carrinho de bagagem no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, quando uma senhora sai correndo atrás dele.

Ela se aproxima e começa a desferir golpes com o que parece ser sua bolsa. Ouvem-se alguns passantes hostilizando-o. “Roubou o Brasil!”, fala um sujeito. Outro manda ver o clássico “Fora, Cunha!

O cara que filma a confusão vibra. “Pega o Cunha, senhora!”, diz ele, rindo.

Ela desiste num determinado momento. Cunha continua caminhando em direção ao portão de embarque.

É compreensível a revolta com Eduardo Cunha. Vê-lo humilhado pode dar satisfação a muita gente.

Mas não é cabível cruzar essa linha civilizatória. Qual o limite? E se aquilo se transforma num linchamento? Ou linchamentos são aceitáveis desde que “do lado certo”?

O resultado disso? Cunha sai como vítima. Acusa agora a agressora de “estar com um grupo do PT”. Afirma que vai processá-la. Passará a andar com seguranças.

O Brasil já está sobrecarregado de ódio e revolta. Chega. O canalha que chuta o mendigo não pode ser imitado.

Responder com violência à violência multiplica a violência, colocando uma escuridão ainda mais profunda à noite já desprovida de estrelas. A escuridão não pode eliminar a escuridão: só a luz pode fazer isso”, disse Martin Luther King.

Ou isso ou a barbárie. E na barbárie não há vitória.

Leia também:
Sergio Moro finalmente aceita denúncia contra Eduardo Cunha
Processo contra Eduardo Cunha sai do STF e vai para Sergio Moro

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários