Redação Pragmatismo
Compartilhar
Impeachment 23/Sep/2016 às 14:40
9
Comentários

Temer diz que Dilma sofreu impeachment porque rejeitou projeto neoliberal

Michel Temer assume que golpe contra Dilma Rousseff foi articulado porque ela não aceitou projeto neoliberal

temer eua impeachment dilma neoliberal golpe
Michel Temer (reprodução)

Inacio Vieira, The Intercept

O presidente Michel Temer deixou escapar um “segredo” em discurso para empresários e investidores nos EUA: o impeachment de Dilma Rousseff ocorreu para implementar um plano de governo radicalmente diferente do que foi votado nas urnas em 2014, quando o PT ganhou a presidência pela quarta vez, e não por irregularidades praticadas pela ex-presidente.

Na sede da Sociedade Americana/Conselho das Américas (AS/COA), em Nova York, nesta quarta-feira, dia 21, Temer disse que ele e seu partido começaram a articular o afastamento de Rousseff em consequência direta da não aceitação do programa neoliberal do PMDB pela ex-presidente.

E há muitíssimos meses atrás, eu ainda vice-presidente, lançamos um documento chamado ‘Uma Ponte Para o Futuro’, porque nós verificávamos que seria impossível o governo continuar naquele rumo. E até sugerimos ao governo que adotasse as teses que nós apontávamos naquele documento chamado ‘Ponte para o futuro’. E, como isso não deu certo, não houve adoção, instaurou-se um processo que culminou agora com a minha efetivação como presidência da República.

O “Ponte para o futuro” prescreve a desvinculação dos recursos da saúde e da educação, desindexação dos benefícios e do salário mínimo, mudança de idade para a aposentadoria, parcerias com o setor privado e abertura comercial. Essas ideias estavam claramente refletidas na fala de Temer na AS/COA, que visava dar seguimento à incansável empreitada de privatizações e facilitação da entrada do capital estrangeiro no país, listando as vantagens e garantias que seu governo planeja implementar para assegurar o lucro dos membros da plateia, que o ouviam (não tão atentamente) enquanto desfrutavam de suas refeições.

Saiba mais:
A Ponte para o Passado de Michel Temer
Análise do programa de Michel Temer provoca arrepios
Michel Temer promete reduzir verbas para Saúde e Educação até 18 de dezembro
Michel Temer anuncia pacote de privatizações com petróleo do pré-sal incluso

Marcadas pelos já conhecidos eufemismos neoliberais para o que poderia simplesmente chamar de venda do patrimônio nacional, as garantias listadas pelo presidente incluíram a “universalização do mercado brasileiro”, o “restabelecimento da confiança”, uma tal “estabilidade política extraordinária”, parcerias entre os setores público e privado e o avanço de reformas “fundamentais” nas áreas trabalhista, previdenciária e de gastos do governo. “Venho aqui convidá-los a participar dessa nova fase de crescimento do país,” concluiu em tom de leilão.

Os dois grupos são compostos por representantes de corporações multinacionais e membros do estabelecimento de política exterior dos EUA em América Latina. Foram fundados pelo industrialista americano David Rockefeller e têm John Negroponte como presidente emérito – um político neoconservador fundamental para a guerra suja da CIA em Honduras e para a invasão do Iraque em 2003. Em seu site, o Conselho das Américas se define como uma “organização internacional cujos membros compartilham um compromisso comum com o desenvolvimento econômico e social, mercados abertos, estado democrático de direito e democracia por todo o hemisfério ocidental“.

Essa é apenas mais uma singela confirmação de que o impeachment de Dilma não se deu por conta das supostas “pedaladas fiscais“, como quis fazer crer a facção que agora ocupa o executivo federal. Não foi pela família brasileira, não foi por Deus, não foi contra a corrupção. Foi contra o trabalhador e em favor do empresariado. Foi por impunidade, lucro e poder.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Vinis Postado em 23/Sep/2016 às 16:22

    Ou seja, assumiu que é golpista!

    • Eduardo Postado em 23/Sep/2016 às 16:55

      Exato. O objetivo era esse, mas, mais importante ainda, estancar a sangria.

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 23/Sep/2016 às 17:48

    Admirem o olhar de quem está sereno, de quem sabe que pode confessar o inconfessável em público, numa boa, porque nada vai lhe acontecer, porque o dinheiro de homens poderosissimos o blinda e protege. Essa confissão é antes de tudo um escárnio, uma escarrada na cara do povo brasileiro. ""é claro que foi golpe, eu confesso...e daí? vai fazer o que? o que você pode fazer?"". Bom...esse assunto já nem era debatido mais. Nós apenas ouvimos o que já era uma certeza factual cabalmente provada, porém vindo da boca do próprio rato. Parabens aos envolvidos.

  3. poliana Postado em 23/Sep/2016 às 22:03

    Ah vá...ninguém sabia disso!!!!!!!

  4. André Nelson Postado em 23/Sep/2016 às 22:07

    Quem tem poder fala o que quer sem medo. O Ex-presidente Figueiredo disse que preferia cheiro de cavalo do que de gente, o Rafael Greca de Curitiba tem uma pérola dita aqui no PP. Eles são assim mesmo, mas, a grande imprensa é deles.

  5. enganado Postado em 23/Sep/2016 às 22:55

    Projeto Neoliberal::: ____""""ENTREGA DO ex-BRASIL DE QUATRO PARA OS USraHell=JUDEU$$$ AMERICANOS=BANCA INTERNACIONAL sionista=i$$$raHell= ... e/ou qq UM FDP que soltar uma GRANINHA para : P$$$DB / DEM / PMDB / forças armadas. Tá de bom tamanho? O çE$R$R$RA nada de braçada na PROPINA, penso até que deve estar mais rico que o MORO__5% dos 124 Bilhões de Dólares do BANESTADO.

  6. Paula Postado em 24/Sep/2016 às 11:25

    Quem não quis o projeto neoliberal foram as 54 milhões de pessoas que votaram. Se fosse para ter um projeto neoliberal teria sido eleito Aecio. Mas o povo, esses idiotas, não sabem de nada. Quem sabe é ele e os salteadores do governo. Vivemos num Estado de Exceção não há como negar. O que vem por ai vai nos espantar ainda mais.

    • Deisi Postado em 25/Sep/2016 às 08:53

      Paula, exatamente isso, disse tudo, só os coxinhas acreditaram que a corrupção iria acabar. Também são informado pelo JN, Veja, folha, UOL etc. Esperar o que da grande massa de manobra. Os 54 milhões de votos que eles usurparam, votam em projetos, prova disso é que eles perderam quatro eleições,. Daí bateu o desespero, deram o golpe, próximo passo é prender o Lula, eles acreditam que só assim voltam ao poder, por vias diretas, aliás tem convicção. Mas como disse o lLua, "existem milhões de Lulas", no país. Ainda existe luz no final do túnel.

  7. Thiago Teixeira Postado em 24/Sep/2016 às 17:33

    Golpista.