Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 04/Aug/2016 às 16:13
5
Comentários

Feliciano se ajoelha e pede que 'verdade' sobre acusação de estupro apareça

De joelhos, Feliciano pede a Deus para "expor a verdade" sobre a acusação de estupro. Talma Bauer, conselheiro do pastor, mal conseguiu comemorar a divulgação do vídeo em que a estudante "desmentia" a denúncia. Áudio revelado horas depois mostra o mesmo Talma aconselhando a jovem a "morrer com o assunto"

Feliciano Talma Bauer Patrícia Lélis
(Imagem: Marco Feliciano, Talma Bauer e Patrícia Lélis)

Ao saber das acusações de que teria assediado sexualmente a estudante Patricia Lélis, de 22 anos, o deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) se “ajoelhou em orações pedindo a Deus para expôr a verdade”. O relato foi feito pelo chefe de gabinete do parlamentar, Talma Bauer. De acordo com ele, que também se diz cristão, a divulgação de vídeos em que Patrícia Lélis desmentia as acusações de estupro significavam que “Deus havia atendido o pedido do pastor [Feliciano]”.

“O pastor Marco Feliciano é uma pessoa íntegra com a qual eu tenho um contato muito bom, sempre muito respeitoso, muito amigável. Então não propaguem mentiras”, dizia a jovem em um dos vídeos.

O mesmo Talma Bauer não esperava, porém, que horas depois do “desmentido” de Patrícia, a divulgação de um áudio revelaria que os vídeos da jovem foram gravados, muito provavelmente, após ameaças, promessas e/ou negociatas.

Na gravação (ouvir abaixo), Talma Bauer é o homem que pressiona Patrícia Lélis para que ela não faça a denúncia. Ele se apresenta à jovem como conselheiro de Feliciano.

Em determinado momento, Patrícia afirma que ainda não denunciou o caso à Polícia Civil para não prejudicar a igreja, os evangélicos e também ela. “Eu não posso sair prejudicada porque, se eu ver que eu vou sair prejudicada, aí eu vou na delegacia”, diz a jovem.

O portal UOL garante que toda a história é verdadeira e também que o áudio e todas as conversas divulgadas foram entregues pela própria Patrícia.

A assessoria do deputado Marco Feliciano ainda não se manifestou sobre o caso após a revelação do áudio.

ÁUDIO:

(Atualização)

A mãe de Patrícia Lélis, jovem que denunciou ter sido estuprada e agredida por Feliciano e depois recuou, afirmou que a filha pediu uma conta para depósito bancário. “Ela ligou de São Paulo e pediu uma conta para um depósito, mas que fosse no CNPJ e que não tivesse rastros de ligação com ela”. A mãe da garota também flagrou a filha com machucados no rosto. Novidades e informações adicionais sobre o escândalo serão publicados em Pragmatismo Político ao longo do dia.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. André Anlub Postado em 05/Aug/2016 às 12:10

    Um bandido, moralista sem moral, e o povo ainda preso no binarismo partidário!

  2. Jorge Postado em 05/Aug/2016 às 13:18

    hipócrita, fdp!

  3. Lívio Adelson Postado em 06/Aug/2016 às 00:34

    Eduardo Cunha também está pedindo a Deus que as contas na Suíça não sejam reconhecidas como dele. Esses comerciantes da palavra de Deus, são farsantes, loucos, hipócritas e vigaristas. No menor do crimes, a falsidade ideológica.

  4. Salomon Postado em 06/Aug/2016 às 23:34

    O que importa é a imagem que eles têm que passar para a sociedade. Isso porque o rebanho desse pastor está cagando e andando para essas denúncias. Quem se deixa enganar por essas igrejas é alienado, abestado, tapado ou igualmente hipócrita como esse tal feliciano. E essa moça do rebanho se deu bem, né? Não tem mocinho nessa história, só bandido.

  5. José Elias Postado em 23/Aug/2016 às 11:23

    Patrícia Lélis parece uma gatinha, parece linda. Não sei quem está falando a verdade, mas quero tomar um café com vc, Patricia, conhecer vc.