Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 23/Jun/2016 às 17:19
9
Comentários

Sergio Moro tenta intimar esposa de Cunha mas fracassa duas vezes

Sergio Moro fracassa duas vezes ao tentar intimar Cláudia Cruz, esposa do presidente afastado da Câmara dos Deputados, denunciada na Lava-Jato por lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Cláudia Cruz Eduardo Cunha
Cláudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha

O juiz Sérgio Moro já tentou por duas vezes, sem sucesso, intimar Cláudia Cruz, mulher do presidente afastado da Câmara dos Deputados, denunciada na Lava-Jato por lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O mandado de citação foi expedido pela Justiça Federal do Rio e o oficial de Justiça foi duas vezes ao endereço do casal, na Barra da Tijuca, nos dias 14 e 16 passados. Numa das vezes, foi informado pelo caseiro que Cláudia está morando em Brasília, no imóvel funcional da presidência da Câmara dos Deputados.

A Justiça do Paraná teve de expedir outra carta precatória, agora para Brasília, para que Cláudia Cruz seja intimada e apresente resposta aos autos. A denúncia contra a mulher de Cunha foi apresentada à Justiça Federal de Curitiba pelo Ministério Público Federal, depois que as investigações foram desmembradas das investigações contra o deputado, que tem foro privilegiado.

O advogado de Cláudia Cruz, Pierpaolo Bottini, disse que informou ao oficial de Justiça que sua cliente pode ser encontrada nos fim de semana no Rio de Janeiro e, de segunda a sexta, no endereço de Brasília.

Cláudia segue com Moro

Nesta quarta-feira, durante o julgamento da denúncia contra o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pelo recebimento de propina em contas secretas na Suíça, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que sejam mantidos sob a responsabilidade do juiz federal Sérgio Moro a ação contra Cláudia Cruz, e o inquérito que investiga a filha do deputado, Danielle Dytz da Cunha Doctorovich.

Apenas os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes votaram para que os processos da mulher e da filha de Cunha também tramitassem no STF. Os outros 9 ministros seguiram o relator, Teori Zavascki.

Na denúncia contra a mulher do peemedebista, os procuradores da Lava Jato apontam que o dinheiro recebido por Cunha em contas na Suíça transitou por duas contas secretas do deputado até chegar a uma conta em nome de sua mulher.

Já a filha de Cunha é alvo de um inquérito, mas não chegou a ser denunciada por nenhum crime pelo Ministério Público. Um cartão de crédito que teria utilizado recursos das contas na Suíça estava em nome de Danielle.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Leonardo Araújo Postado em 23/Jun/2016 às 17:40

    Se ela fosse do PT (não que o PT não tenha os seus pecados), a Globo já teria armado o seu circo e ela já teria sido presa ao raiar do dia da primeira "tentativa".

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 23/Jun/2016 às 21:50

    Se é Dona Marisa, ja estaria cega, mutilada e acorrentada em praça pública, feito animal em exposição, para deleite dos revoltadinhos que tirariam selfies e cantariam o hino nacional (só a primeira metade).

  3. sandro Postado em 24/Jun/2016 às 12:19

    Condução coercitiva, nem pensar.

  4. Cypher Postado em 24/Jun/2016 às 12:37

    A maneira como estão se desenrolando os fatos, com a busca e apreensão na sede do PT e na casa da petista Hoffman no mesmo período de tempo dessas intimações, nós sabemos o que vai acontecer com esta senhora de olhos esbugalhados!!! Só para lembrar: Cunha aceita pedido de impeachment logo após Dilma negar apoio na comissão de ética; condução coercitiva de Lula logo após a câmara aceitar o pedido de afastamento de Cunha; e agora, prisão do marido da Gleise na mesma época da intimação da mulher do Cunha!!! Isso é roteiro pra filme conspiracionista nenhum botar defeito!!!

  5. Henrique Postado em 24/Jun/2016 às 13:07

    todas as vezes que acontece algo com alguém que essa nossa esquerda pífia detesta os comentários começam com "se"

  6. Carlos Prado Postado em 24/Jun/2016 às 20:00

    Que situação! Que falta de classe! O caseiro dando recados? Ela não tem um Instituto Lula para responder essas coisas?

  7. Rodrigo Postado em 27/Jun/2016 às 14:53

    (Outro Rodrigo) Quem intima é Oficial de Justiça, mas jamais um juiz. Quem não obteve êxito, pois, foi pessoa diversa que é ainda servidor público, mas não agente público. No mais, o próprio Código de Processo Penal (bem como também o faz o de Processo Civil, vez que a situação é corriqueira) prevê a solução para a frustração da citação: "Art. 362. Verificando que o réu se oculta para não ser citado, o oficial de justiça certificará a ocorrência e procederá à citação com hora certa, na forma estabelecida nos arts. 227 a 229 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. [...] Art. 363. O processo terá completada a sua formação quando realizada a citação do acusado. (...) § 1o Não sendo encontrado o acusado, será procedida a citação por edital.". Assim, pois, o post confunde algo corriqueiro e que tem solução legalmente prevista, que é ainda ato a ser praticado por indivíduo diverso (Oficial de Justiça), com falha na atuação de um agente público (Magistrado).

  8. C.Pimenta Postado em 27/Jun/2016 às 23:41

    Mas a PF não teve qualquer dificuldade em invadir com truculência a casa de uma Senadora, sem a devida autorização do STF, para intimidá-la pela sua atuação contra o golpe: https://youtu.be/hc9_PE6A76A

  9. JOHN J. Postado em 28/Jun/2016 às 23:46

    ENQUANTO ISSO, ALI NA REPUBLIQUETA PARANAENSE DAS BANANAS, PRESIDIDA PELO DOUTOR MORO, OS MAIORES BANDIDOS DO PAÍS RIEM DAS CARAS DE IDIOTAS DE TODOS BRASILEIROS HONESTOS: E então o doutor MORO inventou uma nova forma de fazer o CRIME COMPENSAR. Parabéns doutor Moro, ao invés de combater bandidos, o sr. criou um novo método de criar novos bandidos que serão sempre ricos e impunes. PENSE, RACIOCINE SOBRE ESSE ASSUNTO. “MAL USADA, DELAÇÃO PREMIADA VIROU INCENTIVO AO CRIME DE CORRUPÇÃO” "Estratégia tornou-se um "plano B" de aposentadoria dos sonhos de um criminoso do colarinho branco sem escrúpulos. Se for pego, pode perder parte do que roubou, mas ficará "preso" em sua mansão". Há algo de disfuncional na Justiça brasileira quando oscila entre dois extremos no trato dos crimes de corrupção. De um lado o engavetamento – omitindo-se de investigar – e do outro, a banalização da prisão preventiva seguida de delação premiada como atalho para as investigações. LEIA MAIS CLICANDO NO LINK: http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2016/06/mal-usada-delacao-premiada-incentiva-o-crime-de-corrupcao-3914.html