Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 15/Jun/2016 às 12:19
25
Comentários

Menino de 9 anos sofre estupro coletivo dentro da escola

Criança de 9 anos com necessidades especiais sofre estupro coletivo dentro da própria escola em Fortaleza. O menino foi abusado por outros estudantes, que o seguraram e taparam sua boca para que não gritasse

estupro coletivo Fortaleza menino
(Imagem: Entrada da escola onde garoto foi abusado)

A Polícia Civil do Estado do Ceará está investigando um caso de estupro coletivo dentro de uma escola pública, no bairro Presidente Kennedy, em Fortaleza. O fato aconteceu na última semana, dia 6 de junho e foi denunciado pelos pais da criança junto à polícia.

A Delegacia Especializada no Combate à Exploração da Criança e do Adolescente está encarregada do caso. De acordo com a Polícia, a investigação acontece em sigilo “para não atrapalhar a apuração”.

Segundo o relato do pai à polícia, no último dia 6 ele se dirigiu até a escola para buscar o filho de apenas nove anos, que toma remédios controlados e é especial. Chegando lá, encontrou o menino em estado de choque, trêmulo e chorando muito. Ao perguntar ao mesmo o que tinha acontecido, a criança respondeu que alguns meninos o haviam agarrado e teriam feito ‘maldades’ com ele.

Imediatamente, o pai foi à Polícia prestar queixa. Em seguida, a criança foi levada em companhia de policiais até o Instituto Médico Legal (IML), onde teria sido confirmado o estupro através de exame de corpo de delito.

A família denunciou a violência ao Conselho Tutelar e disse que o menino, que estuda há três anos na escola, foi violentado por cinco garotos. A mãe da vítima, que pediu para não ser identificada, disse que o grupo se dividiu e enquanto uns o seguravam, outros tapavam a boca do menino para ele não gritar, e os demais o violentavam. Toda vez que o garoto se movia, o grupo desferia socos contra ele.

Após o estupro, o menino teria comunicado o fato à direção da escola, mas a diretora não acreditou no relato da criança. Ainda segundo os familiares, antes do estupro, ele sofria agressões e bullying dos colegas há pelo menos dois anos.

“Há dois anos ele era espancado. Eu ligava, reclamava, eles mandavam eu ir lá, conversávamos, mas não resolviam nada. Agora eu tirei ele desse colégio e me deram uma declaração para colocá-lo em outro. Já o levei e dei remédio para ele se acalmar”, relatou o pai.

Segundo o pai, desde o crime, o menino ficou mais agitado que o normal e com dificuldades para dormir. “Nem os remédios dele estão mais funcionando”, declara.

O secretário municipal de Educação, Jaime Cavalcante, abriu uma sindicância para apurar o caso. Segundo ele, o menino, a família e a escola estão sendo acompanhados pela Célula de Mediação Social da Secretário da Educação do Ceará (Seduc).

com imprensa local e agências

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Anselmo Postado em 15/Jun/2016 às 12:48

    A culpa, evidentemente, não é do pai, mas há dois anos o menino era espancado, nada era resolvido e ele ainda continuou deixando o menino frequentando a escola?! Tava esperando o quê? Ah, sim, o filho ser estuprado.

    • GuiSilva Postado em 15/Jun/2016 às 22:16

      Estrupo dentro de uma escola contra uma criança de 9 anos não é algo que se possa esperar.

    • Marco Postado em 15/Jun/2016 às 22:48

      Para de falar merda, vc não sabe como é as condições financeiras da família, se outra escola seria mais próxima, a qualidade, uma série de fatores...Infelizmente nossos jovens estão sendo manipulados por uma cultura e valores deturpante, onde não se tem mais respeito a nada....pra fazer isso com um colega de turma, especial, você já pode perceber que bom caráter esses moleques não possuem...e daí a tendência é piorar....

    • João Vitor Postado em 15/Jun/2016 às 23:14

      Você tem noção do que tá dizendo? Em hipótese alguma a culpa foi do pai. O mínimo que se espera das pessoas é que elas sejam civilizadas, e estupro certamente não é. A culpa NUNCA é da vítima, ou de seus responsáveis, a culpa é de quem fez e ponto final.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 16/Jun/2016 às 10:35

      Resumo: ""A culpa não é do pai, mas é do pai"". Mas que bela reflexão.

  2. Raquel Postado em 15/Jun/2016 às 12:49

    Gente, temos que dar um jeito nos menores infratores desse país. Estou revoltada com isso.

  3. gibão Postado em 15/Jun/2016 às 13:23

    me deixou com náuseas e enjoado...não há de forma alguma eu imaginar o quão horrível deve ter sido esta experiência... há pessoas que simplesmente o mal as habita, e pergunto o que se faz ?

  4. Rafaella Postado em 15/Jun/2016 às 13:56

    Meu Deus, que monstruosidade! O que está acontecendo com o mundo?!

  5. Stefanie Postado em 15/Jun/2016 às 14:13

    Li, e mal consegui pensar numa critica ao fato. Só vontade de chorar. Que tristeza :(

  6. laura mendes Postado em 15/Jun/2016 às 14:50

    em todo luga existe pessoa ma intencionadas que cometem crimes contra a vida,batem estupram e matam pessoas !acredito que as leis contra estupro fiquem mais rigorosas até mesmo cometidas por menores que se aproveitam disso pra praticarem o mal

  7. Gildete Capato Postado em 15/Jun/2016 às 15:34

    O problema não é só tirar a criança da escola,é exigir punição pros responsáveis pela escola e punição pros estupradores,sejam di menores ou não..fazer merda eles sabem,então que respondam pelas barbaridades que fizeram,sem falar que tem a agravante do aluno ser especial....

  8. Paulo Sérgio Mendonça Per Postado em 15/Jun/2016 às 16:29

    Esse pai ainda esperou dois anos,para acontecer o estupro e ele tirar a criança da escola. Deveria ter tirado antes de acontecer o fato, pois a criança já vinha apanhando na escola,eu não teria esperado tanto tempo.

  9. Patricia Oliveis Reis Postado em 15/Jun/2016 às 16:43

    Pela fala do pai da criança transcrito nessa matéria, parece que a criança é tratada como um objeto, um animal, sei la, qualquer coisa menos uma criança, pois depois de tudo o que aconteceu o pai falar que 'Nem os remédios dele estão mais funcionando'... é CLARO que os remédios nao vão funcionar, este é um trauma muito grande para qualquer criança, imagine para uma criança especial! Eu só consigo ter dó dessa criança, estudar em escola pública em Fortaleza já não é fácil, ainda ter necessidades especiais, ter pais sem preparo e sofrer o que ele sofreu, olha, não é fácil!

  10. Brederódes Postado em 15/Jun/2016 às 16:48

    Estrupo. Cultura do estrupo. É cultura do estrupo + bulin. Sei não, hein. Mas enfim! Vamos institucionalizar a cultura do estupro no Brasil GALERA VAI!!!!

  11. poliana Postado em 15/Jun/2016 às 17:04

    mais triste em todo esse episódio é ver o povo colocando a culpa nos pais da criança por tê-la colocado num colégio público, com alunos "comuns", sendo ela deficiente, sem ao menos saber da realidade da família.

    • Maria Lucia Postado em 15/Jun/2016 às 20:08

      Pois é....os pais dos estupradores nem foram lembrados... o que fazer além de lamentar a barbárie?

  12. Celeste Postado em 15/Jun/2016 às 18:41

    Verdade Poliana, as pessoas julgam muito

  13. Gabriela Postado em 15/Jun/2016 às 22:15

    Eu não acredito que tem gente questionando conduta do pai da vítima! Isso é cultura do estupro, temos que avaliar os agressores e não a vítima suas amebas! Detalhe tinham que ser homem pra fazer um comentario maldito desses!

  14. Jaqueline Postado em 15/Jun/2016 às 22:36

    Quem são esses alunos que estão sendo educados por essa escola, por essa sociedade? Onde estes garotos (entendi que são garotos) estão sendo bombardeados por informações que os levam a praticar atos tão cruéis? Eles (os que cometeram o estupro) não nasceram com essa conduta. Como foi que chegaram a este ponto de barbárie?

  15. João Paulo Postado em 15/Jun/2016 às 22:42

    É o país que afaga os vagabundos e estupradores e intimida professores e alunos em todas as escolas do país. Tudo fundado numa interpretação esdrúxula do ECA.

  16. Victor Postado em 15/Jun/2016 às 22:56

    Senhor Anselmo, acredito que o senhor não seja íntimo da família. Não sabe porque os pais mantiveram a criança na escola, e nem as intenções deles. O ensino pode ser bom, a escola pode ser perto de casa, o bairro pode ser menos perigoso. Enfim, n fatores. Agora o senhor levantar de sua cama para soltar bosta pelo dedo como sua expressão "Tava esperando o quê? Ah, sim, o filho ser estuprado." é de um horror tremendo. O que? Os pais agora esperam que seus filhos sejam estuprados na escola? Acredito que quando um pai coloca a segurança à disposição de uma escola, no mínimo confia na instituição para protegê-lo. Quando essas barbáries ocorrem, a culpa não é direcionada apenas a uma instituição, à escola, à família, ou à sociedade. A culpa é de todos. Da sociedade machista e preconceituosa. Da escola negligente. Dos pais desses bárbaros que cometeram esse ato. E dos próprios violadores, pois, apesar de um ser humano ser uma construção social, ele tem que arcar com as responsabilidades de seus atos. So espero que esse pequenino consiga dormir a noite.

  17. Elisabeth Maria Foschiera Postado em 15/Jun/2016 às 23:41

    E os gestores da escola??? Os pais podem ter dificuldades, pouca escolarização, mas uma direção de escola não perceber e não fazer nada nesses dois anos.... Lamentável...

  18. Alair Postado em 16/Jun/2016 às 00:07

    Num país aonde um deputado dá exemplo de ESTUPRO fazer o quê ?

  19. Glenda Postado em 16/Jun/2016 às 11:16

    Nesse caso, acho que tanto os cinco meninos, quanto a direção da escola e os pais dos "estupradores" devam ser responsabilizados pelo mal que fizeram a esse garoto, pois todos, voluntária ou involuntariamente, participaram disso. Que cada um assuma sua parte e seja punido conforme a lei. Só assim, esses casos serão cada vez mais raros e,definitivamente, extintos.

  20. Renan Pantojo Postado em 16/Jun/2016 às 15:35

    É...cultura do estupro se aprende na escola...Mas a cultura do estupro não seria a lei do cão, onde os fortes abusam dos fracos porque podem e ninguém faz nada? Retrato da sociedade brasileira. Podem me crucificar pelo que vou dizer, mas a única forma que acredito eficaz de punir este tipo de comportamento é o vexame. É expor os rostos dos garotos agressores PARA TODO O BRASIL e apontá-los como MONSTROS. Isso destruirá suas vidas? Sim, mas ao abusarem sexualmente de um colega incapaz, abdicaram de sua condição como ser humano, como todos os estupradores adultos. E tem gente que ainda acredita em justiça...que o ser humano é bom...