Redação Pragmatismo
Compartilhar
Polícia Militar 23/Jun/2016 às 17:03
23
Comentários

Jovem de 22 anos é assassinado pela PM por causa de um cone de trânsito

PM atira à queima roupa no pescoço e mata jovem de 22 anos em São Paulo. O motivo? Um cone de trânsito. Vídeo divulgado nesta quarta-feira coloca em xeque a versão oficial que havia sido apresentada pela polícia

brian 22 anos pm pescoço
Brian Cristian Bueno da Silva foi assassinado por um PM com um tiro no pescoço

Um vídeo publicado nesta quarta-feira (22) pela Ponte Jornalismo (assista abaixo) coloca em cheque a versão apresentada por policiais militares de Ourinhos, no interior de São Paulo.

Brian Cristian Bueno da Silva, 22 anos, acabou morrendo após ser atingido com um tiro no pescoço na noite de 8 de junho. Brian estava acompanhado por amigos e eles deixavam a Fapi (Feira Agropecuária e Industrial) num carro.

Os PMs afirmaram que o carro onde o jovem estava foi parada por estar ziguezagueando na via de saída da Fapi para derrubar cones de sinalização.

A versão é diferente da dos jovens que estavam no veículo. Segundo eles, Brian, que estava no banco de passageiros, colocou a mão para fora do carro e derrubou apenas um dos cones de sinalização com as mãos.

Eles garantem que o veículo não fazia zigue-zague. O trecho que aparece no vídeo da Ponte não mostra o carro em zigue e zague. Mas flagra o clarão do momento do disparo feito pelo PM. Os oficiais alegam que o disparo foi acidental.

VÍDEO:

Diz a Ponte:

Wesley de Moraes, um dos amigos que acompanhavam Brian durante a abordagem da PM, afirma que o policial militar o puxou pelo colarinho do carro, já com a arma apontada para o rapaz, o disparou contra ele.
O PM responsável pelo tiro contra Brian foi preso pela Polícia Civil por homicídio culposo (sem intenção de matar) e ficou dois dias no Presídio Militar Romão Gomes, no Jardim Tremembé (zona norte de SP). Depois, ele foi libertado.

Mais uma morte mais do que suspeita envolvendo os policiais de São Paulo. O que vai acontecer com eles?

Valdinéia Pontes, a mãe de Brian, fala, em vídeo dos Jornalistas Livres, que seu filho foi executado:

HuffPost Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Luiz Postado em 25/Jun/2016 às 19:24

    Nada justifica um policial matar nesse tipo de abordagem. Mas convenhamos, NINGUÉM respeita mais a polícia. Os jovens desafiam e afrontam sem temer e a polícia mata sem se importar.

    • Pedro Postado em 27/Jun/2016 às 14:36

      Tapa em cone merece execução sumaria? E onde e quando a policia foi ou é respeitada por jovens?

    • Coxildo Postado em 28/Jun/2016 às 12:51

      e como respeitar esse instituição de merda que todo dia mata a rodo, inclusive crianças? como respeitar essa instituição de merda com toda a propina que eles aceitam de traficante? a polícia que tem que NOS respeitar porque NÓS pagamos os salários deles.

  2. Rodrigo Postado em 27/Jun/2016 às 10:35

    (Outro Rodrigo) Se o disparo foi intencional, que responda severamente pelo homicídio. Contudo, ao mesmo tempo em que se investiga a tese de homicídio, que seja testada a arma do policial, pois há um sem número de denúncias contra a fabricante de armas "oficial" e seu lobby, mas especialmente pelos recorrentes casos de disparo acidental. Há casos sendo reabertos e mesmo casos de lesões sofridas também por policiais, quando do manuseio da arma. Cabe expor a situação de risco em que se encontram, pois, policiais e cidadãos, ao mesmo tempo em que cabe denunciar casos como o acima para a devida apuração e punição.

    • Pedro Postado em 27/Jun/2016 às 14:35

      Poxa, sim, é importante que os policiais tenham equipamento adequado e saibam manusea-lo corretamente nos momentos apropriados. Quantas vezes, quando mais jovem, não coloquei eu a mao para fora de um carro para dar um tapa em um cone? Ainda bem que não levei um tiro. Interessante ver o seu comentário, que apresenta apenas uma frase sobre o que deveria ser feito caso o policial seja culpado, seguida de uma longa analise sem quaisquer dados concretos (como sempre) de incidentes de disparos acidentais. A arma de fogo é uma ferramenta fundamental no trabalho do policial: como pode ser tao provável, nas mao de um profissional, um disparo acidental como esse? Claro, é possível que o disparo tenha sido uma falha mecânica: mas essa falha mecânica precisa ocorrer tao próxima do pescoço do abordado? A abordagem que aponta uma arma contra uma zona vital de uma pessoa dentro de um veiculo é correta? Se não for, a falha mecânica continua sendo um acidente ou se trata de uma consequência natural de uma abordagem inapropriada? Como sempre (outro) Rodrigo, meu completo repudio ao seu mal uso da sua educação, na forma de trollagem jurídica nas paginas desse forum. Repudio absoluto contra a falta dados: nenhuma evidência é oferecida para balizar qualquer afirmação sua sobre acidentes com armas. Ja conhecemos bem suas atitudes, não poderíamos esperar outra coisa de você. Porque não falar algo com sustentação na realidade, relatar a freqüência de disparos acidentais nas maos de profissionais treinados? Que tal fazer uma mísera afirmação com alguma conexão com a realidade natural, e não com o que você "ouviu dizer", "leu por ai", ou imagina existir?

      • Rodrigo Postado em 27/Jun/2016 às 16:51

        (Outro Rodrigo) " Se o disparo foi intencional, que responda severamente pelo homicídio." e "Cabe expor a situação de risco em que se encontram, pois, policiais e cidadãos, ao mesmo tempo em que cabe denunciar casos como o acima para a devida apuração e punição." Como sempre, Pedro, meu lamento por sua fugaz leitura ou, quiçá, incapacidade de compreensão do quanto expressamente escrito. Mais, meu total repúdio por quem busca impor frases não ditas e ideias não quistas por outrem. Melhores dias para você.

      • Rodrigo Postado em 27/Jun/2016 às 17:01

        (Outro Rodrigo) Conforme acima, já há laudo pericial, o que não se confunde em qualquer dimensão que seja com a figura por você usada do "ouvi dizer".

      • Pedro Postado em 28/Jun/2016 às 03:14

        Nao, nao ha falha de interpretação nenhuma. Sua intenção e dissimulação é clara: infelizmente eu sou capaz de interpretar muito bem o que você quer dizer com sua dissimulação de neutralidade. Não lamente nada não, que tal criar coragem e dizer o que você pensa sem fingir-se ser o que não é? As frases foram ditas por você, e você JAMAIS se referiu ao laudo pericial. Tratou de disparos acidentais como uma generalidade mitigadora do evento. Novamente: sua dissimulação é mais do que conhecida por aqui, e ninguém cai nessa lorota.

      • Pedro Postado em 28/Jun/2016 às 03:25

        (outro) Rodrigo, o seu problema é muito simples: arrogância. Eu entendi e interpretei muito bem o seu "texto". Mas você insiste na sua arrogância sub-intelectual de troll-jurista: esta habituado a intimidar as pessoas com isso (bullying puro), mas não seja ingênuo a ponto de crer que os absurdos e mentiras que você tenta passar como idoneidade e neutralidade não sejam transparentes para qualquer pessoa familiarizada com o mínimo rigor de pensamento critico. Ja perdemos muito tempo trocando mensagens: acho que agora basta apontar para o fato estabelecido que você pratica uma obvia falsa-postura camuflada de neutralidade, sempre "puxando a sardinha" para um ponto de vista muito claro e previsível. Basta agora apenas sempre contextualizar sua pobre tática de desinformação. Se um dia quiser discutir honestamente, sem humilhar e desrespeitar seus interlocutores, basta pedir "olha, vou passar a ser gente, vamos conversar".

      • Rodrigo Postado em 28/Jun/2016 às 10:52

        (Outro Rodrigo) Pedro, a partir de suas autodeclarações eu creio tratar com pessoa afim ao pensamento e ao desenvolvimento científico, mas passo a estranhar a cada vez que você cria um ruído tão grande em nossa comunicação e com erro primário: inventar um silogismo aonde ele não há, querendo impor conclusão jamais quista pelo seu interlocutor. Outro ponto que estranho é você, em momento anterior, reconhecer que cobrava um rigor, uma formalidade em espaço de discussão que não o comportaria, mas agora mostra-se contraditório e volta a invocar o formalismo, então vamos lá. Quanto ao silogismo que você quer impor a quem não o disse nem o quis, simples releitura o levará a entender que: 1- dizer que há de ser averiguada a situação e aplicada a punição devida não é premissa menor; 2- dizer que cabe investigar ainda a eventual falha da arma (vez que há alegação em tal sentido, bem como casos diversos - pena que os links que postei não foram aqui publicados) não é premissa menor; 3- ambas, pois, não são premissas maior e menor da jamais quista “conclusão” no sentido de que necessariamente I- o policial teria de ser absolvido, II- nem mesmo que todos os casos decorrem de falha, III- muito menos implica em análise acurada de toda a abordagem. Novamente, simples releitura o capacitará a entender e concluir no mesmo sentido por mim posto: ambas as hipóteses merecem averiguação (até mesmo porque o processo penal é norteado pelo princípio da “verdade real”, tendo de ser averiguadas as alegações postas – a de disparo acidental é uma delas, assim como o é a da acusação de disparo intencional ou ainda a eventual possibilidade de aplicação do dolo eventual, quando a pessoa age sem se importar com o resultado). E cabe apontar que postei comentário com diversos links, mas infelizmente a política do blog é rigorosa quanto a tanto e meu comentário ou não foi ainda analisado ou não foi aceito, de modo que você comete novo erro, que é mais um imenso ruído em nossa comunicação. Bom, em que pese não tenham sido publicados os links referidos, vou te informar quais eram (usando as palavras-chave no google, você facilmente terá acesso às informações): 1- site "vítimas da Taurus", que conta com relatos de diversos casos de lesões (uma das postagens é "PISTOLA TAURUS 24/7 PRO DS DESARMA O PERCURSOR SOMENTE COM O ACIONAMENTO DO SISTEMA DESARMADOR" – várias expõem registros de ocorrência policial e outras providências); 2- página do sindicato dos policiais civis do DF, abordando o risco que são os disparos acidentais das armas fornecidas pelo Estado através de verdadeiro monopólio ("Disparos acidentais das armas Taurus é mais um fator de risco"); 3- e, em que pese sua indecisão em ser este campo para discussão coloquial ou científica, em um momento cobrando o rigor, noutro reconhecendo não ser ele necessário, tenha-se então matéria do site "Metrópoles" a tratar de perícia do Instituto de Criminalística do DF (algo científico), cujo título é "Laudo comprova perigo de armas usadas por policiais do DF" (25 armas, 10 apresentando disparos acidentais - 40% de falha o dado alcançado); e acrescento mais um 4- "Justiça reconhece falha em arma e policial é indenizado em R$ 70 mil" (também do jornal Metropoles). Assim, Pedro, mais uma vez você vê um comentário meu, exerce sua liberdade para retrucar, mas o faz de modo extremamente lamentável e, limitando-se ao ataque pessoal, ainda esquivando-se ou esquecendo-se do que antes reconheceu (cobrança de rigor em espaço de discussão informal, que após reconhece que não o exigiria), ao final causando grande ruído na comunicação e tecendo considerações infundadas. E ainda vejo que você torna a socorrer-se junto ao seu ora lugar comum do "trollagem jurídica" (expor razões de fato e de direito não são “trollagem” alguma e você bem o sabe). É, Pedro... Melhor seria que houvesse maior atenção na abordagem e leitura, com conduta unívoca e ainda rejeição ao ataque pessoal, a fim de seguirmos atentos à urbanidade e ao pensamento e desenvolvimento científicos também por ti valorados (assim como por mim), sem tanto ruído e sem levar-nos a situações tão insólitas. P.S.: quando você cobra fundamentação e critica o interlocutor e torna a criticá-lo por ele apresentar a fundamentação, é uma armadilha argumentativa?

      • Pedro Postado em 28/Jun/2016 às 14:32

        O ruido foi criado por você. Não ha mais qualquer condição de enxergar algo positivo no que você traz a esse espaço, e isso precisa ficar abundantemente claro. Ja expliquei que você humilha, fere e ofende as pessoas. Pratica uma trollagem jurídica juvenil que não traz nada para o espaço e é uma compulsão sua. E não use a palavra "ciência", você nunca fez nada cientifico na sua vida, deixa isso para la. Ciência é um treco trabalhoso, que sequer é bem feito no nosso pais. Tenta ser gente, tenta falar com as pessoas de igual para igual.

      • Pedro Postado em 28/Jun/2016 às 14:47

        Cara, "se liga". Quando você fala uma bobagem gigantesca, construindo um caso para contradizer o obvio trazido pela matéria e vivido no cotidiano da nossa sociedade, apontar a necessidade do mínimo rigor factual não é contraditório com a exigência de que o espaço não se torne diário de advogado desocupado. O ruído foi estabelecido por você, que por sinal é viciado em comentar, ofender e causar, portanto, é troll. O faz usando sua linguagem magistrada juvenil (rapaz arrogante nos seus 30 e poucos), portanto o lugar comum que lhe cai bem. Eh importante classificar e catalogar, e você nos ofereceu essa oportunidade. Não, os silogismos que você inventou na sua reposta não tem qualquer relação com os pontos que eu levantei. E a falsa defesa de atribuir a mim o "ad hominem" tao pouco lhe poupa da sua verdadeira atuação nesse espaço. Que fique claro: você usa, de forma superficial, uma linguagem alienante típica de cursos de direito, para fazer crer que traz não um ponto de vista ideológico seu, mas uma observação racional e equilibrada dos fatos. Eu estou simplesmente apontando para o simples fato de que não: você não traz observações racionais e equilibradas sobre os fatos. Você tem posicionamentos muito rígidos que você esconde nessa paupérrima participação nesses fóruns. Não tenho medo de atrito, ruído, nem nada disso: você ja mostrou em três ocasiões diferentes seu completo descompromisso com o que você escreve, e é importante alertar e apontar os erros factuais (falta de dados, que agora você ofereceu, sem em momento algum considerar outras questões importantes na minha indagação original) e sua "metodologia". Repito: vire gente, converse com as pessoas de forma normal. Opte por criar esses comentários monstruosos, e conviva com o atrito, ruído, o que seja. E por favor, atenha-se ao que você conhece e não tente falar em "ciência". Você jamais a praticou, e jamais praticara: você e eu sabemos muito bem disso. Com a natureza você não se da bem. E pode reclamar que eu faço ad hominem a vontade querido: o que é xingar um cara que vem aqui machucar na maldade?

      • Rodrigo Postado em 28/Jun/2016 às 16:22

        (Outro Rodrigo) Interessante sua fuga do argumento e apreço pelo "ad hominem". Só posso repetir: se tem um argumento ou contra-argumento, exponha-o e demonstre seu fundamento, como fiz acima (até de forma exaustiva). Senão, mais uma vez também repito, a discussão vira um fim em si mesma e seu comportamento acaba sendo constrangedor para si próprio - como disse, você alega falta de fundamento e reclama, mas, frente ao fundamento, torna a reclamar e parte para ofender o interlocutor, buscando desviar o foco de teu equívoco. Tinha, pois, melhor impressão de quem começou dizendo ser afim ao pensamento e desenvolvimento científico, mas, após, aparentemente passa a demonstrar o que mais transparece intolerância com o exercício da liberdade de expressão alheia (espero estar errado, mesmo frente à sua intenção ineficaz de cassar meu direito em falar sobre a ciência). Assim, tendo argumentos, exponha-os, distanciando-se de tantas pechas e ofensas que nada dizem à discussão, mas muito dizem sobre você. P.S.: você segue se projetando em mim e chamando de ofensor o seu alvo de tantas pechas e ofensas.

      • Rodrigo Postado em 28/Jun/2016 às 16:33

        (Outro Rodrigo) Vejamos: 1- falo que deve ser devidamente apurada a conduta do policial, com a aplicação da sanção devida, bem como averiguada a alegação de falha na arma (vez que conta com precedentes e que o Processo Penal é guiado pelo princípio da "verdade real") - você distorce (ou lê distorcida) minha fala, leva-a ainda ao absurdo e alega falsamente que eu estaria defendendo a absolvição do policial e afirmando que tal caberia a todos os casos; 2- corrijo teu equívoco quanto à minha fala e exponho todos os fundamentos (até processos e laudos periciais, bem como sites com diversas denúncias e relatos - perícia do ICDF que chega a apontar 40% de armas com disparos acidentais) - você tergiversa e passa a me atacar com diversas ofensas, em vez de reconhecer teu equívoco (lembra que você me corrigiu quanto ao ano de criação do ENEM e tranquilamente reconheci o erro, sem maiores problemas? Isso sim é ser humilde, Pedro). Esse é o resumo de sua intervenção neste comentário, que se dá apenas na mesma linha das demais intervenções nos demais meus; até quando a questão é jurídica você tergiversa, não tolerando a expressão clara da lei e da Constituição, ou mesmo do regimento de uma casa legislativa, ao final tergiversando e se socorrendo no vazio "troll jurídico". Ainda bem que você não é da área jurídica, pois teria grandes dissabores ao fugir tanto da impugnação específica - o maior deles seria a aplicação da pena de confissão pelo magistrado, ao declarar, pela fuga da discussão e recurso ao "ad hominem", incontroversos os fatos alegados pela outra parte.

  3. paulo Postado em 27/Jun/2016 às 12:56

    Pelo video foi execução, o policial aborda o cara já com a arma na mão, teria que ter um pouco mais de cuidado.

  4. Maurício de Souza Matos Postado em 27/Jun/2016 às 14:39

    No mínimo esse jovem deve ter humilhado esse policial. Ninguém, muito menos um policial, mata uma pessoa por prazer, ha não ser um psicopata.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 27/Jun/2016 às 17:18

      Olha essa justificativa, meu irmão..."""ele humilhou o policial"""...ah, dá licença...quando parte da própria população uma justificativa tão tosca pra defender execução aleatória de jovens por parte da polícia, é porque já era mesmo, deu tudo errado....que vergonha essa justificativa, que vergonha meu deus...

    • Pedro Postado em 27/Jun/2016 às 18:05

      O policial em serviço precisa controlar pessoas fora de si, que xingam, humilham, desacatam, e até agridem. O uso da força letal não é justificável em nenhuma dessas situações. Policias bem treinadas, bem equipadas e com remunerações dignas não executam pessoas em situações tao banais como mostrada nesse video.

    • Coxildo Postado em 28/Jun/2016 às 12:54

      então quer dizer que há situações que o PM pode matar alguém por desacato? vc deve ser um pm de bosta ou lambe saco dessa instituição podre.

  5. Carlos Postado em 27/Jun/2016 às 22:25

    Enquanto as esquerdas se preocupam com os erros policiais apenas, só nessa semana a bandidagem matou mais de 200 inocentes por aqui, por isso esse país é uma merda e sempre vai ser, essa esquerda pseudo intelectual não entende a guerra civil que existe no Brasil, pena de morte seria o inicio da melhora. Bolsonaro 2018.

    • Pedro Postado em 28/Jun/2016 às 03:18

      E o que uma coisa tem a ver com a outra? Quem disse que a "direita" também não se preocupa com a incompetência da policia. E quem disse que a esquerda não se preocupa com a criminalidade? Você não pode simplesmente inventar um mundo paralelo, seu, que não existe, para defender fantasias. Nem "direita", nem "esquerda" são forças de pensamento homogêneas como sua afirmação deixa a entender. E finalmente: essa pessoa não tem condições intelectuais para comandar o pais, seja pela direita, esquerda, por cima ou por baixo. Ele não tem que se virar agora com o STF porque fez apologia ao estupro, um crime gravíssimo que a sua idéia de direita deveria combater? Ha um excesso de contradições no seu comentário que exige profunda reflexão da sua parte.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 28/Jun/2016 às 10:11

      """""""""as esquerdas se preocupam com os erros policiais apenas"""""""""""...mamãe...esse manja de esquerda mesmo...nós nos preocupamos APENAS com erros policiais...é isso mesmo...é APENAS essa a nossa preocupação...manja demais, é a reencarnação de Lenin esse guri...

      • Carlos Postado em 29/Jun/2016 às 15:00

        Criminosos presos do crime organizado recentemente queriam abrir o que justamente, uma ONG em defesa dos direitos humanos rsrsrs, vcs são tão idiotas que enquanto estão indo a bandidagem já voltou. Brasil deveria copiar Singapura.