Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 14/Jun/2016 às 10:56
4
Comentários

Conheça Tia Eron, a deputada que vai definir o futuro de Eduardo Cunha

Tia Eron é a deputada que terá o voto decisivo, hoje, no processo de cassação de Eduardo Cunha no Conselho de Ética. Há grande expectativa para o posicionamento da parlamentar, que já votou em outras duas ocasiões de acordo com interesses de Cunha. Agora, porém, ela faz suspense

Tia Eron Eduardo Cunha
(Imagem: Tia Eron/Agência Globo)

Quando o Conselho de Ética se reunir a partir das 14h30 desta terça-feira (14) caberá à deputada federal Tia Eron (PRB-BA), 44, o voto decisivo do parecer que pede a cassação do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Em pelo menos duas ocasiões, Tia Eron já votou de acordo com interesses de Cunha: votou nele na eleição para a Presidência da Câmara, no início de 2015, e deu seu voto favorável à admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff, na sessão do dia 17 de abril.

Para a deputada, sob a direção de Cunha, a Câmara “produziu como nunca”. E acrescentou: “Claro que eu tenho de comemorar, isso é um grande ganho político para a população brasileira”.

Apesar dessa concordância com Cunha, desde que os holofotes se voltaram para a deputada federal, ela se negou a indicar como votaria no Conselho de Ética.

A parlamentar, inclusive, tem reclamado de pressão de parlamentares e da opinião pública sobre seu voto. Em suas redes sociais, eleitores têm deixado mensagens pedindo para que ela vote pela cassação de Cunha.

Fiel da Igreja Universal de Reino de Deus, com uma pauta parlamentar ligada aos direitos das mulheres e da população negra, a congressista foi a mulher mais votada entre os deputados federais eleitos pela Bahia, nas eleições de 2014, após três mandatos consecutivos como vereadora de Salvador.

Por ter supostamente cometido improbidade administrativa, ela é ré em uma ação civil pública que tramita na 5ª Vara de Fazenda Pública da capital baiana e teve sua prestação de contas de campanha contestada pelo Ministério Público Eleitoral.

Publicamente, são 10 votos contrários contra nove votos favoráveis ao parecer do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO), cujo relatório recomenda a cassação do mandato de Cunha, por quebra de decoro parlamentar, ao mentir à CPI da Petrobras sobre a existência de contas no exterior em seu nome.

Se Tia Eron votar contra o parecer, ele será arquivado. Neste caso, um novo relatório terá de ser aprovado pelo conselho para que o processo siga para o plenário. Segundo a Secretaria-Geral da Mesa da Casa, o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA), designará outro relator entre os deputados que votaram contra o documento. Esse parlamentar terá de apresentar, já na próxima reunião do colegiado, um novo parecer, que será colocado em votação.

Caso Tia Eron vote a favor do parecer contra Cunha, haverá um empate de 10 a 10, e a questão será decidida pelo presidente do conselho, que já se posicionou a favor da cassação. “Ela não fala sobre o assunto com ninguém, mas me pareceu muito tranquila e segura do que irá fazer”, disse o vereador de Salvador, Isnard Araújo, colega de partido.

Com nome civil de Eronildes Vasconcelos Carvalho, ela ganhou o apelido de Tia Eron, com qual entrou na vida política, quando era professora na EBI (Escola Bíblica Infantil), voltada para filhos de membros da Igreja Universal. Teve boas votações para vereadora de Salvador e recebeu quase 120 mil votos na campanha para deputado federal. Seu nome tem sido especulado para compor a vice da chapa de reeleição do prefeito ACM Neto (DEM).

informações de UOL

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 14/Jun/2016 às 11:48

    Porque não votou semana passada? Porque ela sumiu? Que pessoa é essa que não tem uma posição ou precisa estudar os relatórios? Não espero nada dessa Golpista, vou SIM é cumplicidade (pelo menos demonstrará caráter e fidelidade a seus princípios) e voto NÃO significa sinais claros de oportunismo e trairagem ao senhor Eduardo Cunha e consequentemente na vida pública.

  2. marcio ramos Postado em 14/Jun/2016 às 12:31

    O povo não decide nada. É assim tanto nas democracias indiretas como nas ditaduras encobertas.

  3. Rodrigo Postado em 15/Jun/2016 às 10:50

    (Outro Rodrigo) E segue o comportamento curioso dos políticos e de seus seguidores. Como disse em outro momento, já inverteram papéis quanto à divulgação de gravação (quem antes dizia ser "vazamento ilegal e seletivo" agora aplaude e quem dizia "ser importante atentar, sim, para o grave conteúdo", agora recrimina) e agora vem a Deputada Tia Eron e causa novo rebuliço na mente alheia. Talvez se deixássemos de ter heróis e de nos conduzir de modo apaixonado pela política...

  4. Edson do Nordeste Postado em 15/Jun/2016 às 13:52

    Outro Rodrigo, você fez curso de sofismo na mesma faculdade do Reinado Azevedo " O REFINADO "?