Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 23/Jun/2016 às 18:20
17
Comentários

Ao invés de boicotar Elza Soares, repense o seu racismo

Antes de boicotar Elza Soares, repense o seu racismo. Tentar retirar a autonomia da "cantora do milênio" e colocá-la num local de subalternidade é reforçar a lógica racista

Elza Soares racismo boicote
(Imagem: Elza Soares)

Djamila Ribeiro, CartaCapital

Nesta semana, uma mulher branca sugeriu um boicote ao álbum Mulher do Fim do Mundo, de Elza Soares. O motivo é que o álbum não seria feminista, já que na sua produção trabalharam homens machistas. O argumento dá a entender que Elza estava sendo usada e não possuía consciência da potência do álbum.

Nele, Elza canta sobre a liberdade da mulher e a necessidade de uma vida sem violência. Logo, várias reações surgiram. A afirmação da moça foi vista como um desrespeito à trajetória de Elza, já contemplada com o título de “cantora do milênio”. E eu concordo.

Querer deslegitimar uma obra como essa por conta do envolvimento de homens machistas não é argumente que se preze. Fosse assim, nada na indústria cultural seria produzido porque machismo é um elemento estruturante da sociedade, e como tal, não há espaço que esteja isento – o mesmo acontece com o racismo.

Os espaços de poder ainda são dominados por homens brancos por mais que lutemos contra isso. Agora, torna-se muito problemático cair numa crítica desonesta que tenta deslegitimar o sujeito oprimido como se não tivesse agência e potencialidade. Falemos sobre a indústria e seus limites, mas sem desrespeitar uma grande cantora.

E faço a pergunta: qual artista de massa não está dentro da lógica da indústria cultural? Por que essa crítica só é direcionada às mulheres negras ou quando elas fazem muito sucesso?

Elza Soares possui uma história de muita luta. Nasceu pobre e enfrentou o julgamento moral da sociedade: ao se apresentar pela primeira, aos 13 anos, num programa de auditório, o apresentador, ao vê-la com roupas simples e franzina, perguntou: “De qual planeta você veio?” Ao que ela respondeu: “Do planeta fome”.

Elza é uma mulher forte, que tem muita consciência do que está fazendo. O engraçado é que esse tipo de “argumento” não se aplica às mulheres brancas com talentos duvidosos. Também ninguém nunca diz que a obra de algum cantor deve ser boicotada porque a indústria é racista.

É preciso ter honestidade para fazer o debate sério. Tentar retirar a autonomia de Elza Soares e colocá-la num local de subalternidade é reforçar a lógica racista. É colocá-la como incapaz de fazer escolhas ou de ressignificar símbolos.

Debater racismo e machismo estruturais não pode se confundir com deslegitimar o sujeito do grupo oprimido.

Debater sobre a apropriação cultural, que faz com os sujeitos negros que produzam a cultura não tenham acesso a ela, raramente acontece. Debater o modo pelo qual o capitalismo se apropria dos símbolos de uma cultura, esvaziando-a de sentido, também não.

Do mesmo modo, raramente vemos uma discussão sobre o modo pelo qual os muros sociais construídos são escamoteados por uma romantização de uma cultura única, que, na verdade, serve para manter o sujeito que produz a cultura à margem, enquanto os grupos privilegiados enriquecem e mantêm a segregação social.

Se for para fazer esse debate, concordo. Se for para tentar ridicularizar uma mulher negra extremamente talentosa, peço para que a autora do boicote repense seu racismo.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. marcio ramos Postado em 24/Jun/2016 às 09:12

    É muita coxinha trouxa por ai falando merda. Um VIVA a Elza e a genialidade da mulher negra brava lutadora digna brasileira!!!!

  2. luis Postado em 24/Jun/2016 às 09:46

    Elza Soares é uma das melhores cantoras da história. Eu compraria um cd dela mesmo que ela cantasse o hino da alemanha nazista.

    • Wylie Postado em 24/Jun/2016 às 18:45

      Você quis dizer o hino da SA uma unidade de assalto, que durante o terceiro reich incorporou uma das estrofes do hino da alemanha em sua canção.

    • Sonia Frei Postado em 27/Jun/2016 às 09:50

      Lindaço seu comentário, Luis! Curti tanto, cara, rsrsrsrsrsrsr. Lindaço!

  3. José Postado em 24/Jun/2016 às 16:22

    Elsa você é a maior!

  4. Denisbaldo Postado em 24/Jun/2016 às 18:41

    Assisti a seu show na Virada Cultural de SP este ano. Sensacional. E ela cantou bem alto: "A carne negra é a carne mais barata do mercado".

    • poliana Postado em 24/Jun/2016 às 20:25

      Ela é maravilhosa, denisbaldo! Amo a interpretação dela cantando essa música. É de arrepiar.

      • Denisbaldo Postado em 27/Jun/2016 às 12:18

        Ela é um grande exemplo de artista e ativista. Neste show, cantou sentada em um trono - nada mais apropriado - devido a seu pé machucado.

  5. Antonio Palhares Postado em 25/Jun/2016 às 10:57

    É a maior cantora brasileira de todos os tempos. Os maiores recursos vocais, uma voz poderosa e linda. Fosse nascida nos Estados Unidos, estaria na lista das maiores e respeitada como um ícone da musica.É uma vencedora, porque venceu as circunstancias miseráveis em que nasceu, tudo graças ao poderoso talento. Um país que gosta de tranqueira e não reconhece seus verdadeiros valores, não merece respeito.

  6. luis Postado em 25/Jun/2016 às 22:22

    Eu quis dizer que eu gosto dela e escutaria qualquer coisa que ela cantasse, orelhudo! hauahauhauahauhau

  7. luis Postado em 25/Jun/2016 às 22:23

    Eu quis dizer que eu gosto dela e escutaria qualquer coisa que ela cantasse, orelhudo!

  8. eu daqui Postado em 28/Jun/2016 às 11:35

    Cantora do milenio: se tem que ser negra e brazuca eu ainda fico com Margareth Menezes. Fora isso e em amplo espectro, lembre-se aqui de Lana Del Rey e Adele.

  9. Alan Kevedo Postado em 29/Jun/2016 às 10:51

    Primeiramente, o indisfarçável racismo brasileiro de sempre a acusou de querer um craque, para se promover. Assim, teria dado em cima de Pelé que de pronto, recusou. Então foi a vez de Eusébio, o "maradona" português que também recusou. Aí foi a vez de Garrincha, conhecido por ser de Pau Grande, até mais do que campeão do mundo. Bom, aí engatou. Mas, a verdade verdadeira é outra. Não houve nada disso. Era mais fácil Garrincha se beneficiar com essa união do que Ela tirar proveito dela. É sem dúvida uma das maiores estrelas da nossa MPB de todos os tempos, e a gente a adora.

    • eu daqui Postado em 29/Jun/2016 às 12:35

      E qual craque brasileiro desprezaria alguém que quer se promover? Quem acha, encaixa. Ainda bem que ela se promoveu com craque e não com crack.

  10. Roberto Pedroso Postado em 03/Jul/2016 às 12:38

    Partindo desta linha de raciocínio poderíamos propor primeiro um boicote a "ídola"falsamente engajada Beyoncé,que posa de objeto sexual,e é casada com um machista chauvinista o tal Jay -Z e ainda se diz feminista....entre Elza e Beyoncé sou mais Elza....sempre.

  11. Pedro Pereira Postado em 24/Jun/2016 às 09:07

    É muita fixação

  12. Inaldo João Postado em 24/Jun/2016 às 12:38

    Grosso modo, o que é o feminismo senão o machismo usando saias. Valer-se de qualquer um desses parâmetros para analisar criticamente uma produção artística é um contrassenso. Existem aspectos mais apropriados a serem considerados. Poderia-se, por exemplo, focar nos aspectos filosóficos, históricos, psicológicos, antropológicos, entre muitos outros, e deixar fora das produções culturais essas bobagens de machismo e feminismos, mais afeitas a questões de foro íntimo.