Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 08/Apr/2016 às 17:50
8
Comentários

Processo de cassação de Eduardo Cunha já é o mais longo da história

Sucessivas manobras de Eduardo Cunha para evitar a própria cassação fazem com que seu processo já seja, oficialmente, o mais longo da história da Câmara dos Deputados

processo cassação eduardo cunha pmdb mais longo história
Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados (reprodução)

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), voltou a se defender das acusações de que estaria lançando mão de ‘manobras’ para escapar do processo de cassação que tem contra si no Conselho de Ética da Casa. Na tarde desta segunda-feira (28), o parlamentar ressaltou, mais uma vez, que a culpa não é dele pelo processo que já dura cinco meses e já é o mais longo da história do Legislativo nacional.

Que manobra eu cometi? Já falei várias vezes, o presidente do Conselho de Ética (José Carlos Araújo) erra propositadamente para se manter na mídia. Costumo dizer que isso é como querer deixar a geladeira aberta apenas para ver a luz acesa. Não vou deixar de buscar os meus direitos se as pessoas continuam errando”, disse Cunha aos jornalistas.

O peemedebista também rechaçou qualquer comparação com o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), que vem tendo um trâmite acelerado e que provavelmente terá o seu relatório votado entre os dias 14 e 20 deste mês na Câmara. De acordo com Cunha, são “diferentes”.

Os processos de cassação no Conselho de Ética e o de impeachment têm ritos completamente diferentes. Além disso, a data do processo de impeachment é até anterior, é vem de julho ou agosto, e a decisão veio naquele momento (início de dezembro). Não há o que se falar sobre isso, o trâmite do impeachment é até mais longo”, avaliou.

Menos exaltado e mais feliz o presidente da Câmara ficou ao falar da iminente saída do PMDB da base do governo Dilma. Cunha relembrou que defende desde julho do ano passado que o partido saia do governo e entregue os cargos. Ele promete comparecer à reunião da legenda, nesta terça-feira (29), que vai oficializar o caráter “independente” dos peemedebistas.

Não tem nada a ver com o processo de impedimento. Me parece que a posição que o PMDB vai adotar é pela saída do governo. É a decisão correta a se tomar e o PMDB vai se tornar independente, como deve ser para tratar dos temas do País de acordo com o que (o partido) entende como melhor”, completou.

Mais 15 pedidos de impeachment

Cunha ainda aproveitou para comentar o pedido de impeachment protocolado nesta segunda-feira pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na Câmara, iniciativa que teve muita confusão durante a tarde entre manifestantes pró-governo e defensores do impeachment de Dilma. O presidente da Casa informou que existem outro 15 pedidos na frente deste, e que todos serão analisados “oportunamente”.

Vou despachá-los no momento apropriado. Vamos aguardar um pouquinho, não tem sentido se for o caso de acolher o pedido você ter duas comissões especiais. Não tem muita lógica e não é a intenção. Só na última quarta-feira entraram quatro pedidos de impeachment, virou rotina nesse governo”, analisou Cunha.

O peemedebista ainda comentou uma sugestão feita na reunião de líderes nesta terça-feira, pelo deputado governista Silvio Costa (PTdoB-PE) – apoiada pelo líder do PT, José Guimarães (CE) – para retomar uma proposta do próprio Cunha, que prega o fim do exame da OAB para o exercício da advocacia no País. Para o presidente da Câmara, não se pode usar isso como retaliação, mas ele não escondeu a sua posição, como autor da proposta.

Vocês sabem do meu histórico de luta nesse ponto. Tenho evitado misturar a minha posição de presidente com a de parlamentar. Falei aos líderes que não vou protagonizar, que é preciso um requerimento deles com um pedido de urgência, aprovado pela maioria. Há um requerimento na pauta, antigo, que quer analisar a eleição direta para a OAB. Não houve consenso. Eu vou submeter aos 257 votos necessários. O exame da Ordem é um absurdo, é a única profissão que você não pode exercer se não passar em um exame no conselho da classe. Mas se for uma retaliação eu prefiro não votar e não me deixarei usar por isso”.

Thiago de Araújo, HuffPost Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Deisi Postado em 09/Apr/2016 às 09:15

    Com esse congresso, duvido que seja cassado, o Janot também alivia pra ele, quem sabe depois do golpe ele seja preso. Estou aguardando!

    • Jorge Viana Postado em 12/Apr/2016 às 02:35

      Quem esta "segurando" a onda dele é o STF. Lembra-se que em dezembro/15 o Janot entregou denúncia solicitando o afastamento de Cunha ao STF? Por isso se diz que o STF esta se acovardando, alegando não querer interferir em outro poder.

  2. Ingrid Postado em 10/Apr/2016 às 11:06

    Mesmo que bem pequena ainda tenho esperança que essa situação criada com o processo do Eduardo Cunha no fim seja um dos gatilhos que precisávamos. Desde que me entendo por gente sempre ouvi falar que nossas justiças e leis são cheias de brecha e que o jeitinho brasileiro é a melhor forma de defesa muitas vezes. Tenho esperança que com um caso tão grande, alguém num cargo tão importante e toda essa discussão sobre, comece um movimento de repudio popular a essa ideia de manobras e de aceitar brechas de lei como própria lei. Até porque acho que a grande maioria das pessoas não está engolindo isso, conheço pessoas a favor do impeachment e pessoas contra, mas não conheço ninguém que defenda o Cunha.

  3. Alan Kevedo Postado em 10/Apr/2016 às 12:42

    Nāo tomem efeito por causa, gente, ele apenas está-se beneficiando de armacões montadas nas leis brasileiras, por uma aristocracia sempre cínica, pronta para sempre beneficiar quem tenha dinheiro ou alguma forma desse Poder sempre corrompido e a corromper quem dele faça parte, a partir da classe média pra cima. É normal. Em outras palavras, o Brasil é uma merda.

  4. Onda Vermelha Postado em 10/Apr/2016 às 23:54

    Vamos cantar esse refrão meu povo: "Ô seu Cunha! Pode esperar! A sua hora vai chegar! Ô seu Cunha! Pode esperar! A sua hora vai chegar! Ô seu Cunha! Pode esperar! A sua hora vai chegar!"

  5. Thiago Teixeira Postado em 11/Apr/2016 às 09:36

    E depois o Severino Cavalcanti que era ladrão. Cassaram o mandato do cara por causa de um mensalinho na cantina da Câmara. Ladrão pequeno no Congresso não tem vez.

  6. Sérgio Postado em 12/Apr/2016 às 02:16

    Ratos são difíceis de matar!

  7. mercia Postado em 29/Apr/2016 às 12:24

    Mais vergonhoso também.