Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 29/Mar/2016 às 12:16
2
Comentários

Como no passado, a história condenará o atual presidente da OAB

Memórias de 1964: filme que se repete. A Ordem dos Advogados do Brasil e seu atual presidente serão novamente julgados e condenados pela história

oab golpe impeachment golpe política ditadura
Cláudio Pacheco Prates Lamachia, presidente da OAB (reprodução)

Carlos Fernandes, DCM

Se faltava algum ornamento para que o golpe em curso no Brasil refletisse os mesmos ares presenciados nos idos de 1964, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cláudio Lamachia, cuidou para que a reedição dos dias que antecederam a instalação da ditadura militar no país fosse reproduzida da forma mais fidedigna possível.

A OAB nacional reafirmou, ao entrar com um novo pedido de impeachment da presidenta Dilma, a exata mesma posição que manteve durante o golpe militar que depôs o então presidente João Goulart: a de que apóia, incondicionalmente, toda e qualquer forma de agressão ao estado democrático de direito.

Seria cômico se não fosse trágico, muito trágico. Uma das instituições que possuem a elevada obrigação de garantir os direitos civis individuais, a contínua independência e harmonia dos poderes e a plena observância das normas constitucionais volta a contribuir, pela segunda vez na história, para a violenta interrupção do sagrado curso do processo democrático.

A bem da verdade, Lamachia conseguiu ser ainda mais traidor à instituição e à pátria que deveria servir do que o seu antecessor que estava à frente da OAB no período mais obscuro da história brasileira.

Se o presidente da OAB que chancelou o golpe de 64, Carlos Povina Cavalcante, pelo menos podia contar com um certo consenso entre os seus pares para apoiar a ditadura, Lamachia sequer isso possui.

Na ata da sessão ordinária do Conselho Federal da OAB redigida em 07 de abril de 1964, a primeira após a instalação do golpe, demonstrou-se o entusiasmo de todos com a decisão. Ficou ali registrada a imagem dos conselheiros como “cruzados valorosos do respeito à ordem jurídica e à Constituição”.

Sabemos o que se seguiu em termos de “respeito à ordem jurídica e à Constituição”.

Já na atual tentativa de golpe de 2016, o atual presidente Lamachia atua numa OAB completamente dividida. Manifestos assinados por advogados contrários ao afastamento de uma presidenta sem qualquer crime de responsabilidade já foram entregues ao próprio Lamachia.

A sua ida ao Congresso Nacional protocolar o pedido de impeachment e entregá-lo a um sujeito como Eduardo Cunha que dispensa apresentações em matéria de assuntos criminais foi saudada por gritos de “Não vai ter golpe” pelos mesmos advogados que deveria representar.

Da mesma forma que a história julgou e condenou Carlos Povina e a OAB pelo terrível atentado à democracia que promoveram em 1964, novamente a história cuidará de julgar e condenar Cláudio Lamachia e os que, como ele, se negam a aprender com os erros do passado.

Talvez a grande diferença entre um e outro, é que desta vez o presidente da OAB nacional pode não ser lembrado como um efetivo traidor da democracia, mas tão somente como um vassalo que a própria democracia cuidou de colocá-lo no seu devido lugar: a sarjeta da história.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. John J. Postado em 29/Mar/2016 às 15:07

    A OAB DEVERIA COLOCAR UMA FAIXA NA SUA PORTA PRINCIPAL: ********** SOMOS TODOS CUNHA ********** ESSE ADEVOGADINHOS DA OAB NÃO SE PREOCUPAM COM O CUNHA DENUNCIADO E COMPROVADO COMO CORRUPTO, LADRÃO E CRIMINOSO COM O BRASIL E QUEREM O IMPITIMAM DA PROBA PRESIDENTA DILMA QUE NÃO TEM UMA SÓ ACUSAÇÃO CONTRA ELA. ELES TODOS CUNHA E SPORTANDO SÃO TÃO IGUAIS AO CUNHA QUE SE CONFUNDEM COM ELE.

  2. Rodrigo Postado em 29/Mar/2016 às 17:27

    (Outro Rodrigo) Vão continuar "atirando pra todo lado" ou vão expor as causas de pedir e pedidos dos dois requerimentos de impeachment, com a impugnação específica frente a cada um? E, se querem falar que Presidente da OAB, no passado, apoiou a ditadura, colocando isso como estigma eterno de "golpismo", convém refletirmos sobre dois pontos: 1- quem apoia a ditadura cubana e tantas outras socialistas, sempre justificando-as?; 2- quando buscamos no youtube, Eduardo Jorge e tantos outros da luta armada contra a danosa ditadura militar brasileira expressamente afirmam que jamais lutaram por democracia alguma, seu intuito sendo a instituição de uma ditadura socialista. Assim, ou segue-se com o etiquetamento indiscriminado e contradição para com o verdadeiro intuito da guerrilha, visando meramente desviar o foco, ou reconhece-se que é necessário apresentar uma defesa específica e reconhecer ainda a realidade do que houve a partir de 1964 (dois projetos de ditaduras, que apenas diferiam quanto à ideologia).

O e-mail não será publicado.