Redação Pragmatismo
Compartilhar
Homofobia 20/Feb/2016 às 12:04
9
Comentários

Métodos de “curas gay” utilizam choque elétrico, estupro e submersão

Em todos os países em desenvolvimento, clínicas continuam a prometer “curar” homossexuais, sujeitando seus pacientes a vários tipos de tortura. “Em uma sala pequena, médico me pediu para recordar de quando fiz sexo com um homem. Fui eletrocutado e saltei sem saber o que tinha acontecido. Ele sorriu e me disse que era assim que me curaria de ser gay”, revela um paciente

Cura gay mundo clínicas

Matthew Jenkin, The Guardian. Tradução: Marcio Caparica, LadoBi

“O médico me levou para uma sala pequena, e então me pediu para relaxar e me concentrar na minha respiração. Ele me disse para me recordar de quando eu estava fazendo sexo com um homem. De repente eu senti um choque elétrico. Eu saltei, sem saber o que tinha acontecido. Ele apenas sorriu e me disse que era assim que ele me curaria de ser gay.”

Quando Yang Teng visitou a clínica Xinyu Piaoxiang na cidade de Chongqing, no sul da China, em fevereiro de 2014, ele não sabia o que esperar. Yang não havia saído do armário ainda, e estava sentindo a pressão de sua família para que começasse uma família. Ele havia ouvido de outras pessoas na comunidade gay que essa “terapia” poderia “curá-lo” da homossexualidade, mas sua curiosidade tornou-se terror quando ele percebeu que o tratamento envolvia ser eletrocutado, e foi embora antes do fim da sessão. Ele afirma que um programa completo de 30 sessões de uma hora, cada uma com três ou quatro choques elétricos, custam 30 mil yuan (R$ 18.460,00).

Revoltado e determinado a expor o abuso que a clínica cometia contra homens e mulheres homossexuais, Yang a processou. Em dezembro de 2014 uma corte de Pequim decidiu a seu favor, declarando que esses tratamentos são ilesgais, e exigiu que a clínica pagasse 3,5 mil yuan (R$ 2.150,00) como compensação, além de publicar um pedido de desculpas em seu website.

Apesar da esperança de Yang e de outros ativistas que esse caso ponha fim a essa prática, a clínica continua a oferecer essa terapia – a preços ainda maiores – assim como muitos outros centros médicos por todo país. Apesar da China ter legalizado as relações homossexuais em 1997 e tê-las removido de uma lista de distúrbios mentais em 2001, a homossexualidade ainda é considerada tabu pela maior parte da sociedade, e muitas pessoas homossexuais sentem-se pressionadas por suas famílias para casarem-se e terem filhos.

VEJA TAMBÉM: Antropóloga comenta estupidez da ‘cura gay’

Mesmo sendo difícil impedir que as clínicas ofereçam esse tipo de prática abusiva, Yang afirma que a publicidade em torno do caso é importante para conscientizar quanto à questão e mudar a opinião pública. “Nosso objetivo com essa campanha é ensinar ao público que homossexuais não podem ser curados”, explica. “Como nós ganhamos esse caso e a mídia publicou essa informação, muitos pais de homossexuais agora saem que não é lícito mandar seu filho ou filha para essa clínica.”

Infelizmente esse tipo de clínica não é encontrado apenas na China – elas existem por todo mundo. O grupo de militância pelos direitos LGBT All Out está pedindo que as pessoas denunciem atividades de “cura gay” que ocorram ao redor do mundo – tenham vivenciado algum tipo de terapia de conversão eles mesmos em suas comunidades locais, ou visto relatos disso na mídia – em seu website Gay Cure Watch. O banco de dados de incidências será então estudado, e a All Out lançará campanhas direcionadas contra elas.

Matthew Beard, diretor da All Out, afirma que as descobertas da campanha revelam que “curas gay”, conhecidas por induzir à ansiedade, depressão e suicídio, é endêmica em vários países em desenvolvimento.

Essa prática é um problema em particular na América Latina, onde a igreja é extremamente influente. O brasileiro Sergio Viula foi alvo de evangélicos quando tinha apenas 16 anos. Apesar de já ser gay, ele recorda-se de ter sofrido lavagem cerebral para pensar que a homossexualidade é pecado. Aos 18 anos ele tornou-se pastor, casou-se com uma mulher e teve dois filhos.

Ele formou um movimento com outros membros da igreja que buscava homossexuais nas ruas, no lado de fora de casas noturnas e em eventos de orgulho LGBT. Aqueles que concordavam em converter-se eram tratados como se fossem viciados, e incentivados a livrarem-se de qualquer coisa associada a suas antigas vidas. Isso incluía jogar fora revistas que pudessem despertar desejos homossexuais e cortar contato com amigos ligados à comunidade gay. A ideia era deixar as pessoas isoladas, ele explica, para manipulá-las e fazê-las aproximarem-se mais da igreja.

Aos 34 anos Viula finalmente declarou-se homossexual, divorciou-se de sua esposa e hoje ele é um dos principais ativistas LGBT do Rio de Janeiro. Em 2013 ele ajudou a combater um projeto de lei que permitiria  que psiquiatras no país tratassem a homossexualidade como doença, o qual acabou por ser arquivado.

Viula aplaude a derrota do projeto de lei no Congresso, mas lembra que a luta contra o fundamentalismo religioso no Brasil ainda vai continuar por muitos anos. Ele afirma que o poder das igrejas alcança políticos, que temem confrontá-las por medo de perder votos.

O ativista acredita que a educação é a chave para acabar com terapias de “cura gay” no Brasil. “Não importa quantas leis a gente tenha, as pessoas chegam à idade adulta já envenenadas pela homofobia”, diz. “As pessoas precisam entender desde cedo que não há nada errado se uma pessoa é gay, lésbica ou transgênero.”

No Equador, clínicas de “cura gay” podem oferecer redenção espiritual, mas não dirigidas por organizações religiosas. Muitas vezes famílias forçam seus filhos a frequentarem centros de terapia de conversão privados, que, descobriu-se, utilizam torturas como eletrochoque e submersão em água com gelo como medidas para “corrigir” seus pacientes. A ministra da Saúde do país, Carina Vance Mafla, afirma que já recebeu denúncias de estupro de mulheres nesses centros.

Tatiana Cordero, da organização Urgent Action Fund, coordenou uma pesquisa sobre os direitos LGBT no Equador, e afirma que, apesar do governo ter prometido fechar as clínicas que oferecem ‘cura gay” no país em 2012, pouco mudou, e elas ainda têm permissão para funcionar. Ela aponta que as clínicas ganham 140 mil dólares (R$ 560.000,00) por mês, e algumas são depropriedade de oficiais do governo. A corrupção, alerta, é portanto o maior obstáculo, e ela pede uma investigação aprofundada do problema.

Cordero acredita que reformas legais são necessárias urgentemente para que se dê fim às terapias de conversão de homossexuais. Ela gostaria que o Equador aprovasse uma lei que proibisse qualquer terapia que afirmasse ser capaz de curar a homossexualidade. Ela lembra que há uma lei na Constituição que proíbe a discriminação por causa de identidade de gênero ou orientação sexual, que no entanto não é aplicada.

Ativistas ao redor do globo podem divergir nas formas como pretendem acabar com as terapias de cura gay, mas estão unidos na crença de que educar as pessoas a respeito do absurdo dessa prática é essencial.

É crucial, continua Beard, que os militantes conversem com as famílias. Ele afirma: “os pais muitas vezes são os responsáveis por mandar seus filhos para essas clínicas, então precisamos alertá-los quanto à realidade dessas práticas por meio da educação.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Alan Kevedo Postado em 20/Feb/2016 às 18:20

    Aqui, no Brasil, seria fácil obter farta documentação , na TV, para processar os três principais responsáveis por essas violações condenadas pelo Conselho responsável. E tudo é feito para manter pastor se locupletando país afora, além dos conhecidos cara-pálidas da FORBES.

  2. Rogerio Postado em 20/Feb/2016 às 19:40

    Pra que violência? Basta aceitar Jesus que será curado.

    • Jonas Schlesinger Postado em 21/Feb/2016 às 00:28

      Ele poderia aceitar ser judeu, ou o budismo, ou o hinduísmo, ou qq denominação religiosa. Não necessariamente o cristianismo.

    • Felipe Postado em 21/Feb/2016 às 10:59

      Você aceitou jesus e não foi curado da sua ignorância. Não seria melhor se educar?

      • felipe Postado em 22/Feb/2016 às 08:52

        Acho que o Rogério foi irônico...rs não é questão de educação e sim de respeito.... acho que por questões de visão e interpretação da bíblia (principal fonte de informação para aqueles que vão a igreja) igreja e homossexuais jamais andarão juntos, mas podem sim viver com respeito, hoje temos algumas igrejas voltadas para o público LGBT, como eu disse, nada contra, se for um local que prega o amor ao próximo e ajuda as pessoas nçao vejo mau nenhum nisso, e não fui eu que postou acima.

  3. eu daqui Postado em 22/Feb/2016 às 09:24

    Metodos que são sonho de consumo dos pp contra os que questionam sua esquerdopatia.

    • José Ferreira Postado em 22/Feb/2016 às 13:52

      Se fosse por eles nós seríamos lobotomizados.

  4. Rogerio Postado em 22/Feb/2016 às 15:00

    Um ignorante não percebeu que fui irônico. E ainda me chamou disso. O Felipe foi o único que entendeu.

    • José Ferreira Postado em 22/Feb/2016 às 16:32

      Ironias são perigosas nesse espaço. Por isso, falo o que penso de verdade.

O e-mail não será publicado.