Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 22/Feb/2016 às 15:27
6
Comentários

Lava Jato: João Santana tem prisão decretada em nova fase da operação

Um dos nomes com prisão decretada pela Justiça Federal do Paraná é o do marqueteiro do PT, João Santana. Inquérito investiga supostos pagamentos ao marqueteiro pela Odebrecht em paraísos fiscais

João Santana Lava Jato Moro
O marqueteiro João Santana (folhapress)

A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje (22) mais uma fase da Operação Lava Jato. Os policiais estão cumprindo mandados em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Salvador. Cerca de 300 policiais federais cumprem 51 mandados judiciais, sendo 38 de busca e apreensão, seis de prisão temporária e cinco de condução coercitiva.

Os mandados são cumpridos nos estados da Bahia (Salvador e Camaçari), Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Petrópolis e Mangaratiba e São Paulo capital, Campinas e Poá.

O objetivo das investigações desta fase é o cumprimento de medidas cautelares, a partir de representação da autoridade policial, relacionadas a três grupos: um grupo empresarial responsável por pagamento de vantagens ilícitas; um operador de propina no âmbito da Petrobras; e um grupo recebedor, cuja participação fora confirmada com o recebimento de valores já identificados no exterior em valores que ultrapassam US$ 7 milhões.

Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da 13ª Vara da Justiça Federal.

A 23ª Fase da Operação Lava Jato foi denominada Acarajé, em alusão ao termo utilizado por alguns investigados para nominar dinheiro em espécie.

João Santana

Um dos nomes com prisão decretada pela Justiça Federal do Paraná é o do marqueteiro do PT, João Santana.

O inquérito investiga supostos pagamentos de US$ 3 milhões ao marqueteiro pela Odebrecht em paraísos fiscais. Na última década, o publicitário se dedicou no Brasil a campanhas do PT.

A Polis Propaganda e Marketing assinou as campanhas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006 e da presidente Dilma Rousseff, em 2010 e 2014. O publicitário está fora do País.

A Lava Jato chegou a João Santana por meio de anotações encontradas no aparelho celular de Marcelo Odebrecht, preso desde junho do ano passado, na 14ª fase da Lava Jato.

Outro fato que chamou a atenção dos investigadores foi um documento manuscrito enviado por Mônica Moura, mulher e sócia do marqueteiro, ao consultor Zwi Skornicki que apontou duas contas, uma nos Estados Unidos e outra na Inglaterra.

O consultor é representante da Keppel Fels, estaleiro de Cingapura que prestou serviços à Petrobras e seria o operador da propina paga pela empresa no país. A Keppel Fels firmou contratos com a Petrobras entre 2003 e 2009 no valor de US$ 6 bilhões.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Denisbaldo Postado em 22/Feb/2016 às 17:51

    Matéria chamariz de coxinhas! Os coxinhas voltaram! Ebaaaaaaa!

  2. Fabio Postado em 22/Feb/2016 às 18:16

    Curiosamente, isso aparece após virem à tona os desdobramentos da máfia da merenda em SP e dos casos extraconjugais de FHC, com pagamentos de pensão por intermédio de empresas ligadas ao Governo FHC e um lobista seu. Curiosamente, é deflagrada uma operação logo após pairarem novas dúvidas sobre a falsa ética tucana e sobre funcionários fantasmas de Serra. Curiosamente, a operação é deflagrada após denuncias que FHC ajudou a salvar a Globo, após sua blindagem pela emissora. Eles não perdem tempo.... é tudo orquestrado. Bateu, levou. O PT pagou a campanha com dinheiro de propina, certo? Então, se as mesmas empresas doaram para Aécio, a situação dele é ainda pior... pois custeou sua campanha com dinheiro supostamente roubado pelo PT (já que as empresas doadoras acendem velas pra Deus e para o diabo).

  3. felipe Postado em 23/Feb/2016 às 10:14

    Mais um caso de corrupção onde se tiraram dinheiro da Petrobrás para uso político, nenhuma novidade, quantos mais casos assim vão aparecer?

  4. Thiago Teixeira Postado em 23/Feb/2016 às 03:23

    Foi eleita pelos anti-coxinhas, anti-globo e anti discurso fácil da direita.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 23/Feb/2016 às 10:34

    É o choro mais duradouro e unilateral da história da humanidade. 15 meses ininterruptos de lágrimas golpistas que só caem do olho direito.

  6. Thiago Teixeira Postado em 23/Feb/2016 às 03:24

    E a máfia das merendas? Isso vem ao caso?

O e-mail não será publicado.