Redação Pragmatismo
Compartilhar
Polícia Militar 30/Dec/2015 às 13:03
18
Comentários

PMs do Rio torturam jovens e obrigam sexo oral no dia de Natal

Jovens foram roubados, despidos, queimados com facas quentes e ameaçados de morte por PMs no dia de Natal. Uma das vítimas teve os testículos queimados; outra foi obrigada a praticar sexo oral no amigo. Oito policiais foram presos. Parentes dos jovens temem represálias

PMs rio de janeiro jovens

Oito policiais militares foram presos sob a acusação de tortura e roubo contra quatro rapazes parados em uma blitz no Rio Comprido, zona norte do Rio de Janeiro, quando passavam sem capacete em duas motocicletas. As vítimas contaram que foram despidas, queimadas com faca quente, espancadas e ameaçadas de morte. Uma delas foi obrigada a praticar sexo oral em um amigo. Um dos PMs filmou a cena com o telefone celular, em meio a gargalhadas e xingamentos, contaram os rapazes.

Indignados, os amigos, depois de soltos pelos PMs, deram queixa na 6ª Delegacia de Polícia (DP), na Cidade Nova (região central), que abriu inquérito. Nos depoimentos, eles disseram que voltavam de uma festa de Natal na favela Santo Amaro (Catete, zona sul), na madrugada de sexta-feira (25), quando, na Rua Prefeito João Felipe, foram parados pela patrulha, integrada por policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) dos morros da Coroa, Fallet e Fogueteiro.

Aos policiais da delegacia, dois irmãos, de 23 e 20 anos, mostraram cortes e queimaduras nas pernas e braços, que seriam decorrentes das torturas a que disseram ter sido submetidos com um facão esquentado na labareda de um isqueiro. Os irmãos contaram também terem sido agredidos com murros nos rostos.

Um amigo de 17 anos relatou no depoimento que teve o cabelo chamuscado pelo isqueiro e os testículos queimados pela faca. Ele disse ainda ter sido obrigado a praticar sexo oral com outro colega. A quarta vítima tem 13 anos. O caso foi revelado na edição deste sábado (26) do jornal O Dia.

Na delegacia, as vítimas contaram ainda que tiveram todo o dinheiro que portavam levados pela guarnição da Polícia Militar (PM). O rapaz de 20 anos afirmou ter sido roubado em R$ 470, além do cordão e até a sandália e o boné. Um colega relatou que os PMs levaram os R$ 400 que ele tinha no bolso e também o boné.

O rapazes contaram que um PM chegou a disparar com a pistola quando uma motocicleta passou em velocidade pelo trecho da rua onde a blitz estava montada. Uma mulher foi atingida, sem gravidade. Ela também prestou depoimento após receber alta do hospital.

Todas as vítimas foram encaminhadas ao Instituto Médico Legal (IML) para a realização de exames de corpo de delito. A Polícia Civil apreendeu as armas dos oito policiais, que serão periciadas pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli, da Polícia Civil.

Os investigadores buscam na região do Rio Comprido imagens de câmeras de seguranças das edificações vizinhas ao ponto onde teriam ocorrido as torturas. De acordo com a PM, o comando da UPP onde trabalham os policiais acusados determinou a eles que se apresentassem à delegacia. Após os depoimentos, foram presos administrativamente. Os nomes dos policiais não foram divulgados.

Parentes das vítimas que estiveram na delegacia disseram temer pela vida dos rapazes, já que os PMs, antes de soltá-los, ameaçaram matá-los caso os denunciassem ou à Polícia Civil ou à Corregedoria da PM.

Agência Estado

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Postado em 30/Dec/2015 às 13:20

    Ser policial no Rio de Janeiro não compensa, é um serviço desumano, além de ter lidar com a sociedade carioca hipócrita e com seus vícios de costumes com criminosos. Isso atrai mais mau caráter para a PM e afasta os bons.

  2. Thiago Lopes Postado em 30/Dec/2015 às 14:11

    A PM pode fazer o q quiser. Pode matar, pode humilhar, pode torturar. É uma inatituição q se mantém não apenas poque tem o apoio de políticos e da população, mas também porque ninguém é louco de mexer com esse formigueiro. E o q vai acontecer com esses policiais? Nada, vão ser julgados por uma corregedoria e vão no máximo ser deslocados para outras funções. Eis tudo. Depois vai vir o discurso pra enganar os inocentes, vão dizer q a PM não é isso, q essses policiais são um desvio da corporação. Bom, é aquela historinha do Bem e do Mal, e a PM faz parte do bem, claro, quer proteger a sociedade. Esses PMs aí são só uma excessão. O q não dizem é q a PM tem como parte de sua conatituição algo q nasceu no Brasil no século XIX, fortaleceu-se no século XX e perdura até hoje: higienização. Por isso a PM tem q acabar. E antea q algum facistazinho comentarista do PP venha me dizer pra chamar o Batman caso eu seja assaltado ou qualquer coisa do tipo, eu já me adianto com um comentárip do mesmo naipe: quando um PM meter bala na testa de um parente seu, chamar de traficante e a imprensa bater palmas, vc vai chamar quem, o Chapolin Colorado? Mas isao talvez não.possa acontecer com vc, já q talvez a cor da sua pele não incomide esses heróis de fardas.

  3. Thiago Lopes Postado em 30/Dec/2015 às 14:11

    A PM pode fazer o q quiser. Pode matar, pode humilhar, pode torturar. É uma inatituição q se mantém não apenas poque tem o apoio de políticos e da população, mas também porque ninguém é louco de mexer com esse formigueiro. E o q vai acontecer com esses policiais? Nada, vão ser julgados por uma corregedoria e vão no máximo ser deslocados para outras funções. Eis tudo. Depois vai vir o discurso pra enganar os inocentes, vão dizer q a PM não é isso, q essses policiais são um desvio da corporação. Bom, é aquela historinha do Bem e do Mal, e a PM faz parte do bem, claro, quer proteger a sociedade. Esses PMs aí são só uma excessão. O q não dizem é q a PM tem como parte de sua conatituição algo q nasceu no Brasil no século XIX, fortaleceu-se no século XX e perdura até hoje: higienização. Por isso a PM tem q acabar. E antea q algum facistazinho comentarista do PP venha me dizer pra chamar o Batman caso eu seja assaltado ou qualquer coisa do tipo, eu já me adianto com um comentárip do mesmo naipe: quando um PM meter bala na testa de um parente seu, chamar de traficante e a imprensa bater palmas, vc vai chamar quem, o Chapolin Colorado? Mas isao talvez não.possa acontecer com vc, já q talvez a cor da sua pele não incomide esses heróis de fardas.

    • Leonay Postado em 10/Jan/2016 às 11:35

      Perfeito, Thiago, ainda abem que vc lembrou da piadinha sem graça do Batman e já respondeu à altura.

  4. Guilhermo Postado em 30/Dec/2015 às 14:13

    Caraca, isso é quase inacreditável. Que absurdo.

  5. Thiago Lopes Postado em 30/Dec/2015 às 14:36

    O que falar de uma instituição cujo Brasão (PM de São Paulo) homenageia com orgulho a repressão da Revolta da Chibata, a repressão da greve de 1917, o derramamento de sangue na Revolta de Canudos e ainda comemora o que eles chamam de Revolução de 64 - tudo isso tido como marcos da corporação? O que dizer dessa instituição? Você não acham que eles se orgulham do serviço que fazem nas periferias do país, contribuindo com a higienização que sempre fez parte da História do Brasil? De todas as pautas urgentes que aos poucos vão se levantando hoje, acho que a desmilitarização é a mais importante, porque não podemos chamar o caso noticiado acima de exceção. Quem estiver minimamente informado já se convenceu que casos como este fazem, em maior ou menor grau, fazem parte da conduta da corporação em si. Somente os cegos, ignorantes ou defensores recalcados de ações eugenistas é que defende essa instituição. Sabendo que suas cores não incomodam os Pms, eles têm a certeza de que nunca sofrerão as humilhações que o povo da periferia sofre todo dia. E pimenta nos olhos dos outros - sobretudo dos sprays - é doce.

    • Maciel Postado em 30/Dec/2015 às 16:36

      Desmilitarizar vai trazer benefícios apenas aos soldados que sofrem com a militarização, em relação a sociedade e violência vai continuar a mesma coisa, a polícia é violenta pois os bandidos são violentos e as leis brandas compostas por políticos populistas e covardes, o que ocorre no Rio de Janeiro é guerra civil com territórios ocupados por bandidos, criminosos desse tipo são tratados como terroristas ou condenados a morte em países sérios, no Brasil são tratados como vitimas sociais. Essa mentalidade vai fazer com que o Rio e o Brasil em geral nessas localidades convivam com a violência por tempo indeterminado.

    • Carlos Alberth Postado em 31/Dec/2015 às 12:28

      A Polícia de SP foi reprovada na matéria História do Brasil. São totalmente analfabetos nesse quesito.

  6. enganado Postado em 30/Dec/2015 às 15:46

    Isso só tem cabimento em Guantánamo/Abu Grabi/Prisões de iSSraHell/navios militares dos EUA=US Navy/Bagram/Prisões Secretas da CIA na Polônia=ocupada/Prisões do exército da Inglaterra/ ... etc. Enfim, mas no Rio de Janeiro depois tudo que já foi dito, feito, falado contra o poder da PM (em todas as PM's do país), mais essa agora? Pois que acabem de vez com as PM's porque ninguém de sã consciência consegue prever qual vai ser a próxima barbaridade. Pelo Amor de DEUS! Chega, basta!

    • EDUARDO Postado em 31/Dec/2015 às 00:02

      não tem cabimento em lugar nenhum meu amigo... e no dia de Natal é um desumano a formação e o treinamento que eles tem não é para isto....

  7. Jonas Schlesinger Postado em 30/Dec/2015 às 15:56

    Eles fizeram foi certo, esses niggers filhos da puta merecem levar sova porque têm cara de bandido. Vai lá se esse grupinho estava na redondeza para assaltar os cidadão de bens que vivem no asfalto luxuoso do Leblon. Outra coisa, tem que ser macho pra aguentar a tortura e ficar caladinho, os policiais deviam usar medalhas no peito e não estarem presos, mas o Brasil é hipócrita e prefere ver a bandidagem pigmentada chinelar nas calçadas de granito. Esses ladrões de galinha têm que pastar no morro onde foram cuspidos no mundo. Resumindo: viva a ação policial, são heróis da nação ... sqn

    • Trajano Postado em 02/Jan/2016 às 17:21

      Jonas Xilinsiná, experimenta da próxima vez tirar o “sqn” no final do comentário pra ver o que acontece! Rsrsrs! Gosto muito do seu sarcasmo. Aliás, o Thiago Teixeira e você são de uma leitura muito difícil. Eu nunca sei ao certo se discordo ou concordo com vocês dois, sério! Fora a sutileza de elefante de vocês, rsrs! Apareça mais! Um abraço!

  8. Paulo Figueira Postado em 30/Dec/2015 às 18:06

    Nossas polícias fabricam psicopatas em escala industrial

  9. Rafael Martini Postado em 30/Dec/2015 às 22:37

    Pra tamanha barbaridade, deve ter rolado álcool e farinha soltos no Natal da guarnição. Os caras a mil, muito loucos, com as drogas encorajando a maldade a ser externada, e a farda servindo de salvo-conduto pra pintarem e bordarem, como sempre fizeram. O primeiro grupo que passasse e não caísse na categoria "cidadão de bem", já era. Deu no que deu. E as vítimas, agora, não terão mais sossego.

  10. Filipe Postado em 30/Dec/2015 às 23:17

    Fazendo jus ao avatar.

  11. Trajano Postado em 02/Jan/2016 às 16:17

    Acho que eu estou começando a entender o Naro. O comentário dele é escroto? Sim, claro. Mas às vezes noto que suas atitudes malcriadas de criança e queixas peculiares podem revelar que ele tem uma dúvida e não quer dizer, ou a apresenta da forma mais escrota possível. Vamos nos esforçar, olhem só: “Desmilitariza,vai! Serão civis cometendo as mesmas atrocidades”. Ué, Naro virou místico? Chegou a essa conclusão do futuro jogando búzios pra adivinhar? Runas? Tarô? Vai saber. Talvez o Naro esteja recebendo uma pomba-gira ou alguma entidade equivalente... Pode ser. Mas antes de começarmos a cantar pra subir, que tal se colocarmos uma interrogação, retirar o processo de adivinhação e os termos mais birrentos? Ficaria assim: “Serão civis?”. Olha que bacana! Uma dúvida muito pertinente! Uma pesquisa do FBSP, FGV e MJ realizada no ano passado indicou que mais de 70% dos policiais querem a desmilitarização da polícia (a pesquisa foi realizada tanto com policiais militares, civis, federais, rodoviários, bombeiros e peritos), mas o mesmo estudo mostra que não há consenso sobre qual modelo deveria ser implementado. Muita coisa está em jogo, como planos de salário e carreira, afinal, um soldado vai virar o quê? Agente? Uma grande mudança que passa por marcos em revisões das regulamentações, por exemplo. Então, é uma questão interessante, certo? Afinal, não é tão simples migrar polícia militar para civil, e nem está tão certo assim que será, de fato, o modelo de política civil a ser adotado. “Serão civis?”, ótima dúvida! Dúvida de muitos e da própria corporação que deseja se desmilitarizar. Viram? Quando o Naro dá chilique nada mais é do que a forma dele de dizer “não sei” e a dúvida dele pode ser relevante, abrangente. Claro que é como garimpar um quilo de bosta, mas tampando o nariz a gente consegue coisas interessantes dos comentários do Naro. Em tempo: Sobre “o mal do Brasil é o brasileiro”, aí eu não tenho como defender. É viralatismo in natura, de raiz, nem cantando ou batendo tambor este espírito de porco sai do corpo.

    • FIlipe Postado em 04/Jan/2016 às 03:41

      Sim, o argumento sobre a desmilitarização é super válido! Só que infelizmente fica ofuscado pelo "viralatismo".

  12. Rodrigo Postado em 06/Jan/2016 às 11:37

    (Outro Rodrigo) Notícia não tão recente dava conta de que um concursado, mesmo tendo sido "reprovado" no psicoteste, conseguiu garantir judicialmente sua nomeação para o cargo de policial (não me recordo se civil ou militar). Tenho amigo policial civil que me frequentemente me conta que um grande mal a assolar partidos, Poderes da República e instituições outras, públicas ou não, assola também a polícia: corporativismo, que redunda não apenas em impunidade para o transgressor, mas também para os demais membros da corporação (que passam a ter sensação de segurança quanto a tanto). Por isso concordo com um dos pontos postos por Naro, ao falar que o problema é o indivíduo - tanto focamos numa instituição, num ente abstrato que a lei por ficção denomina pessoa jurídica, que nos esquecemos daqueles indivíduos que a compõem, que a dirigem. Se, pois, de um lado mostra-se bastante difícil atestar com maior certeza a tendência ao desvio de conduta/psicopatia (deixo a definição para os profissionais da área) de um concursando, certo é que o acobertamento, a ausência de punição de suas faltas, incutirá na sua mente e na de outros colegas que é vantajoso o desvio de conduta, podendo livremente satisfazer seus desejos (de agressão, de enriquecimento ilícito, uso de entorpecente, abuso de poder/autoridade, desídia etc.) às custas de sua posição. A atual situação das instituições merece clara crítica, mas não nos esqueçamos de que uma (ou mais) pessoa física é que comandam e dirigem uma pessoa jurídica.