Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 16/Dec/2015 às 20:52
5
Comentários

PGR pede afastamento imediato de Eduardo Cunha do cargo e do mandato

Rodrigo Janot pede que STF afaste Eduardo Cunha do mandato de deputado e da presidência da Câmara. Procuradoria-Geral da República garante ter reunido provas de que Cunha recebeu R$ 52 milhões em propina

Eduardo Cunha Rodrigo Janot

O procurador-geral, Rodrigo Janot, pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quarta-feira (16) que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), seja afastado do seu mandato parlamentar e da presidência da Casa, cargo que ocupa desde fevereiro.

Segundo o pedido, Cunha utilizou o cargo para interesse próprio e com “fins ilícitos”, diz a nota divulgada pela Procuradoria, que afirma ainda que Cunha usou o cargo para “constranger e intimidar” parlamentares e réus em processos judiciais.

“O PGR aponta em seu pedido onze fatos que comprovam que Eduardo Cunha usa seu mandato de deputado e o cargo de presidente da Câmara para constranger e intimidar parlamentares, réus colaboradores, advogados e agentes públicos, com o objetivo de embaraçar e retardar investigações contra si”, afirma a nota da Procuradoria. Cunha tem sido criticado por adiar, através de manobras, o andamento de seu processo de cassação no Conselho de Ética da Câmara. A votação do parecer preliminar chegou a ser adiada por sete vezes.

Ontem, o Conselho de Ética finalmente aprovou a admissibilidade do parecer pela continuação das investigações contra o peemedebista.

R$ 52 milhões

A Procuradoria-Geral da República diz ter reunido provas de que o presidente da Câmara dos Deputados recebeu R$ 52 milhões em propina na Suíça e em Israel da Carioca Engenharia.

Dois sócios da Carioca relataram o pagamento a Cunha em acordo de delação premiada que fecharam com a Procuradoria.

O pagamento foi dividido em 36 prestações, de acordo com os delatores Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior, os donos da empresa.

O suborno foi pago, segundo eles, para que a empresa recebesse R$ 3,5 bilhões do FGTS-FI, o fundo de investimento que usa recursos do Fundo de Garantia.

Um aliado de Cunha, Fábio Cleto, cuidava do FGTS e de loterias na Caixa Econômica Federal. Demitido pela presidente Dilma Rousseff na última quinta (10), ele era vice-presidente de Fundos de Governo e de Loterias da Caixa.

Foi o próprio Cunha que acertou e cobrou a propina, sem o uso de intermediários, ainda segundo os donos da Carioca Engenharia.

A empreiteira participa da revitalização da zona portuária do Rio, num projeto chamado Porto Maravilha, junto com a OAS.

Os donos da Carioca dizem que os recursos do suborno foram depositados em duas contas que não eram conhecidas até agora, no Israel Discount Bank e no UBS, que ficam em Israel e na Suíça, respectivamente.

Até agora, a Procuradoria havia encontrado quatro contas cujo controle é atribuído a Cunha, todas na Suíça. O valor depositado nessas contas, de US 2,4 milhões, foi congelado pelas autoridades suíças porque há suspeita de que se trata de propina.

Cunha disse inicialmente, em depoimento na Câmara, que não tinha contas fora do país. Quando a Procuradoria apresentou provas de que ele era beneficiário de quatro contas, o deputado alegou que não controlava os valores depositados naquele país porque criara um “trust”, uma figura jurídica segundo o qual o dono dos recursos transfere a administração para um terceiro.

informações de EBC, Folhapress e Ministério Público Federal

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Phelipe Postado em 17/Dec/2015 às 01:34

    Nao sei o q vai acontecer, só espero, que ao final deste mandato, o povo do Rio de Janeiro nunca mais esqueça essa aberração política e evite ao máximo recolocá-lo no congresso. Também sonho um dia que o povo saiba que eleições não é só escolher o chefe do executivo, mais importante do que este cargo é o parlamentar, pois este é quem realmente manda e desmanda no país.... E o povo menos esclarecido, alienado pelo PIG só reclama da presidente, como se vivêssemos em uma monarquia.

    • João Paulo Postado em 17/Dec/2015 às 03:16

      Ante os acontecimentos das últimas eleições, passei a refletir sobre alguns conceitos. Um dos principais é "povo menos esclarecido", expressão que eu também utilizava. O que é um "povo menos esclarecido"? Aquele que não frequentou a escola ou, se o fez, é analfabeto funcional? Os beneficiários de programas sociais do governo conseguem enxergar com algum senso crítico algo além disso? Creio que a maioria esmagadora (com pleonasmo mesmo) dos leitores não possui discernimento para tratar com propriedade sobre aspectos elementares (eu me incluo aqui) socio-filosófico, político-jurídico e econômico. Por outro lado: coxinhas que vivem nababescamente são "menos esclarecidos" ou "marionetes da mídia"? Por que os maiores críticos dos médicos cubanos são pessoas que podem custear planos de saúde e, possivelmente, jamais precisaram do SUS? Ou se sentem intimidados com a possibilidade de socializar recursos? Ou somos todos egoístas, individualistas, imediatistas, consumistas e com visões tacanhas, na qual o mundo é delimitado por nossos umbigos, independentemente de classe social?

      • Trajano Postado em 17/Dec/2015 às 18:55

        João Paulo, concordo plenamente. Quem é o “povo menos esclarecido”? Realmente não sei. Boa pergunta. Parece existir um reducionismo neste termo “esclarecido”. Mas de uma coisa dá pra concluir: o tal “esclarecimento” não está necessariamente correlacionado com o saldo da conta corrente.

    • Pedro Accioli Postado em 17/Dec/2015 às 10:09

      Concordo com você cara! O povo tem que aprender a votar nos cargos legislativos, estes possuem MAIS PODER para foder com a nossa vida do que os cargos executivos (e pior que o povo só dá importância a gestão dos prefeitos dos municipios, governadores de estado e presidente da republica)

      • Thiago Teixeira Postado em 17/Dec/2015 às 13:39

        Eu acho que só a presidenta que está sendo cobrada pelos "homens de bem"...